Tortura: cinema como fonte de memória

Autores

  • Maria Nathalia Cavalcante Universidade Estadual do Paraná
  • Solange Straube Stecz Universidade Estadual do Paraná

Palavras-chave:

Tortura, Memória, Narrativa Cinematográfica.

Resumo


O artigo tem como objetivo a abordagem em torno do regime militar brasileiro, representado por seu ápice, entre o fim da década de 1960 e início da década de 1970. Visa observar as seguintes frentes: o cinema, a tortura e a mulher. Com a finalidade de buscar a compreensão de como foram as escolhas fílmicas em conjunto com o conteúdo histórico. Para isso, as obras cinematográficas “Batismo de Sangue”, de Helvécio Ratton e “A memória que me contam”, de Lúcia Murat, são os pontos de partida das reminiscências de quem viveu o período. O emprego da tortura como recurso jurídico-policial, faz frente nas obras citadas, mote de seus enredos. Os filmes mencionados remontam por meio de linguagens cinematográficas próprias as lembranças de quem viveu o fato discorrido. As recordações das personagens que conduzem os enredos, Frei Tito e Ana, de “Batismo de Sangue” e “A memória que me contam”, respectivamente, evidenciam que a violência não é apenas momentânea, mas sim, pode perdurar até a morte. A perseguição torna-se contínua e os torturadores permanecem ao lado de quem sofreu a agressão, ou seja, na memória. Além disso, a participação da mulher na luta armada e o destaque direcionado a interação feminina na oposição ao regime estabelecido. Para o auxílio nessa discussão, tem-se como base a obra literária; cinematográfica documental e ficcional.

Biografia do Autor

Maria Nathalia Cavalcante, Universidade Estadual do Paraná

Graduada em Cinema e Vídeo pela Universidade Estadual do Paraná – UNESPAR  - Campus Curitiba II – faculdade de artes do Paraná/FAP

Solange Straube Stecz, Universidade Estadual do Paraná

Doutora em Educação pela Universidade Federal de São Carlos.Assessora de Comunicação Social da Universidade Estadual do Paraná( atual). Professpra do Curso de Cinema e Audiovisual da Unespar/Campus II/FAP
Membro do Comitê Nacional do Brasil do Programa Memória do Mundo da UNESCO(Portaria MINC 72 de 17/08/2015) - gestão 2015/2017. Secretaria Nacional do Centro de Pesquisadores do Cinema Brasileiro – Gestão 2016-2018

Referências

ARQUIDIOCESE DE SÃO PAULO. Brasil: Nunca Mais. 38ª ed. Petrópolis, RJ: Vozes, 2009.

BETTO, Frei. Batismo de sangue: os dominicanos e a morte de Carlos Marighella. 8ª edição. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1986.

BENJAMIN, Walter. A obra de arte na era de suas técnicas de reprodução. In: Victor Civita (org). Coleção Os Pensadores. São Paulo: Abril Cultural, 1975.

CALDAS, Álvaro. Tirando o capuz. 5ª edição. Rio de Janeiro: Garamond, 2004.

CARVALHO, Luís Maklouf. Mulheres que foram à luta armada. São Paulo: Globo, 1998.

FON, Antonio Carlos. Tortura – A história da repressão política no Brasil. São Paulo: Global, 1979.

INSUELA, Julia Bianchi Reis. Visões das mulheres militantes na luta armada: repressão, imprensa e (auto)biografias (Brasil 1968/1971). 220 f. Dissertação (Mestrado em História) – Instituto de Ciências Humanas e Filosofia, Departamento de História, Universidade Federal Fluminense, Rio de Janeiro, 2011.

MARTIN, Marcel. A linguagem cinematográfica. Trad. Flávio Pinto Vieira e Teresinha Alves Pereira. Belo Horizonte: Itatiaia, 1963.

MERLINO, Tatiana. Direito à memória e à verdade: Luta, substantivo feminino. São Paulo: Editora Caros Amigos, 2010.

METZ, Christian. O significante imaginário – Psicanálise e Cinema. Trad. António Durão. Lisboa: Livros Horizonte, 1980.

ROSENSTONE, Robert A. A história nos filmes, os filmes na história. Trad. Marcello Lino. São Paulo: Paz e Terra, 2010.

SGANZERLA, Rogério. Por um cinema sem limite. Rio de Janeiro: Azougue Editorial, 2001.

TURNER, Graeme. Cinema como prática social. Trad. Mauro Silva. São Paulo: Summus, 1997.

A MEMÓRIA que me contam. Direção Lúcia Murat. Brasil: Imovision, 2012. (97 min), cor e p/b.

BATISMO de Sangue. Direção Hervécio Ratton. Brasil: Downtown Filmes, 2006. (112 min), cor.

CABRA Cega. Direção Tony Venturi. Brasil: Europa Filmes, 2005 (108 min), cor e p/b.

EM BUSCA de Iara. Direção Flavio Frederico e Mariana Pamplona. Brasil: Kinoscópio, 2013. (91 min), cor e p/b.

EM BUSCA da verdade. Direção Deraldo Goulart e Lorena Maria. Brasil: TV Senado, 2015. (58 min), cor e p/b.

HOJE. Direção Tata Amaral. Brasil: H2O Films, 2011. (87 min), cor.

MEMÓRIA política. Direção Ivan Santos. Brasil: TV Câmara, 2004. (61 min), cor e p/b.

PRA FRENTE Brasil. Direção Roberto Farias. Brasil: Embrafilme, 1982. (108 min), cor.

QUE BOM te ver viva. Direção Lúcia Murat. Brasil: Taiga Filmes, 1989. (97 min), cor.

VLADO – 30 Anos Depois. Direção João Batista De Andrade. Brasil: Oeste Filmes, 2005. (86 min), cor.

ZUZU Angel. Direção Sérgio Rezende. Brasil: Warner Bros. Pictures, 2006. (98 min), cor.

Downloads

Publicado

26-09-2017

Como Citar

CAVALCANTE, M. N.; STECZ, S. S. Tortura: cinema como fonte de memória. Travessias, Cascavel, v. 11, n. 2, p. 315–335, 2017. Disponível em: https://saber.unioeste.br/index.php/travessias/article/view/17487. Acesso em: 28 maio. 2022.

Edição

Seção

DOSSIÊ TEMÁTICO: CINEMA, EDUCAÇÃO, HISTÓRIA E OUTRAS TRAVESSIAS