Representações de Identidade e Resistência em Americanah de Chimamanda Ngozi Adichie

Autores

Palavras-chave:

Identidade, resistência, processo migratório, subalternidade, diferença.

Resumo


Neste texto a obra Americanah de Chimamanda Ngozi Adichie é analisada observando como ocorre o processo migratório das personagens Ifemelu e Obinze bem como os modos que acontecem os questionamentos e subversões dos discursos hegemônicos em contexto de identidades que se alteram. Estas análises visam contribuir no combate aos perigos da história única, termo utilizado por Adichie, possibilitando para o leitor enfrentamentos capazes de produzir deslocamentos identitários e culturais por meio da leitura mais crítica do texto literário. As escolhas teóricas que embasam as análises são feitas pensando em desconstruir ideias de subalternidade na literatura nigeriana e vivenciada, em boa parte, nos países em que as personagens viveram, Inglaterra e Estados Unidos. Devido à anos de opressão pelo discurso eurocêntrico, teremos então, diferentes formas de resistência atuando nas obras analisadas, tendo em vista, o locus do qual cada personagem apresenta a exclusão vivida como estrangeiro, ilegal, negro, expatriado e imigrante no processo de (re)construção de suas identidades.

Biografia do Autor

Cleonice Alves Lopes-Flois, Universidade Estadual do Oeste do Paraná- UNIOESTE

Mestranda em Letras (Estudos Literários) pela Universidade Estadual do Oeste do Paraná (UNIOESTE) na Linha de Pesquisa Linguagem Literária e Interfaces Sociais: Estudos Comparados. É bolsista da CAPES e membro do Grupo de Pesquisas Confluências da Ficção, História e Memória na Literatura e nas Diversas Linguagens (UNIOESTE/CNPq). Possui especialização em Literatura Contemporânea pelo Centro Universitário Barão de Mauá de Ribeirão Preto/SP (2012) e em Didática e Metodologia do Ensino pela UNIVALE/ESAP do Vale do Ivaí (2010). É licenciada em Língua Inglesa pelo Programa Especial de Formação Pedagógica pela UTFPR (2008) e bacharel em Secretariado Executivo Bilíngue pela UNIOESTE (2002).

Referências

ADICHIE, Chimamanda Ngozi. Americanah. Tradução: Julia Romeu. São Paulo: Companhia das Letras, 2014.

ADICHIE, Chimamanda Ngozi. The danger of a single story. Miniconferência promovida pelo Technology Entertainment Design (TED), jul. 2009. Vídeo (19 min.) Disponível em: https://www.youtube.com/watch?v=EC-bh1YARsc&feature=youtu.be. Acesso em 12/03/2017.

ADICHIE, Chimamanda Ngozi. We should all be feminists: Sejamos Todos Feministas (tradução de Cristina Baum). Inicialmente é uma miniconferência pela TEDxEuston, mas se torna também um livro publicado pela Companhia das Letras em 2014. Disponível em: https://www.youtube.com/watch?v=fyOubzfkjXE&feature=share. Último acesso em: 10/04/2017.

ADICHIE, Chimamanda Ngozi. A coisa a volta do teu pescoço. São Paulo: Dom Quixote, 2012.

ADICHIE, Chimamanda Ngozi. Sejamos todos feministas. São Paulo: Companhia das Letras, 2015.

ADICHIE, Chimamanda Ngozi. Para educar crianças feministas: um manifesto. São Paulo: Companhia das Letras, 2017.

ADICHIE, Chimamanda Ngozi. Hibisco Roxo. São Paulo: Companhia das Letras, 2003.

ADICHIE, Chimamanda Ngozi. Meio sol amarelo. São Paulo: Companhia das Letras, 2006.

ALMEIDA, Sandra Regina Goulart; FEITOSA, A. P. ; FEITOSA, M. P. Pode o subalterno falar? Belo Horizonte: Editora UFMG, 2014.

ANZALDÚA, Gloria. Falando em línguas: uma carta para as mulheres escritoras do terceiro mundo. Estudos Feministas, Florianópolis, v. 8, n. 1, p. 229, jan. 2000. Disponível em: <https://periodicos.ufsc.br/index.php/ref/article/view/9880/9106>. Acesso em: 29 mar. 2017.

ASHCROFT, B., GRIFFITHS, G., TIFFIN, H. The Empire Writes Back: Theory and Practice in Post-Colonial Literatures. London: Routledge, 1991.

BHABHA, Homi K. O local da cultura. Belo Horizonte: Editora. UFMG, (Coleção Humanitas), 2005.

BONNICI, Thomas (Org.). Multiculturalismo e diferença: narrativas do sujeito na literatura negra britânica e em outras literaturas. Maringá. Eduem. 2011.

BRAH, A. Cartographies of Diaspora: contesting identities. London: Routledge, 2002.

CORDEIRO, Hildalia Fernandes Cunha. OLIVEIRA, Dayse Sacramento de. A Intertextualidade na Escrita de Chimamanda Ngozi Adichie. Anais do VI Senalic – Textos Completos, ISSN – 2175-4128. Org.: Carlos Magno Gomes; Ana Maria Leal Cardoso; Maria Lúcia Dal Farra, São Cristóvão: GELIC, Volume 06, 2015.

D’ADESKY, Jacques. Racismos e anti-racismos no Brasil; pluralismo étnico e multiculturalismo. Rio de Janeiro: Pallas, 2001.

GILROY, Paul. There Ain't No Black in the Union Jack, Hutchinson: London. 1997. In.: SILVA, Tomaz Tadeu. (Org.). Identidade e diferença – a perspectiva dos estudos culturais. Petrópolis: Vozes, 2003.

HALL, Stuart. A identidade cultural na pós-modernidade. Tradução de Tomaz Tadeu da Silva e Guacira Lopes Louro. Rio de Janeiro: DP&A, 2001.

HALL, Stuart. Da diáspora: Identidades e mediações culturais. Tradução de Adelaine La Guardia Resende, Ana Carolina Escosteguy, Cláudia Álvares, Francisco Rudiger, Sayonara Amaral. 2ª reimpressão revista. Belo Horizonte: Editora UFMG. 2008.

HANCIAU, Nubia Jacques. O Entre-Lugar. In: FIGUEIREDO, E. Conceitos de literatura e cultura. Juiz de Fora. Editora UFJF/Niterói:EdUFF, 2005, p. 215-141.

MARS, Amanda. Chimamanda Ngozi: "Não há motivos para tanta raiva nos Estados Unidos". Entrevista concedida ao jornal El País, em 27 de março de 2016. Disponível em: http://brasil.elpais.com/brasil/2016/03/21/cultura/1458574326_016768.html. Acesso em: 16/04/2017.

PHILLIPS, Caryl. Mixed and marched, review of White Teeth by Zadie Smith. Observer (Review section), p. 11, Publicado em 9 de janeiro de 2000. Disponível em: https://www.theguardian.com/books/2000/jan/09/fiction.zadiesmith. Acesso em 29/04/2017.

PERROT, Michelle. Minha história das mulheres. São Paulo, editora Contexto, 190p, 2007.

PERROT, Michelle. Os silêncios do corpo da mulher. In.: MATOS, Maria Izilda Santos, SOIHET, Rachel. (Orgs.). O corpo feminino em debate - São Paulo: Editora UNESP 2003. p. 13-27.

SANTIAGO, Silviano. Uma literatura dos trópicos: ensaios sobre dependência cultural. Rio de Janeiro, Ed, Rocco, 2000.

SILVA, Tomaz Tadeu. (Org.). Identidade e diferença – a perspectiva dos estudos culturais. Petrópolis: Vozes, 2003.

SOUZA, Neusa Santos. Tornar-se negro: ou as vicissitudes da identidade do negro brasileiro em ascensão social. Rio de Janeiro: Graal, 1990.

SPIVAK, Gayatri Chakravorty. Three Women's Texts and a Critique of Imperialism. Critical Enquiry, V. 21, n.1, p243-261, 1985.

SPIVAK, Gayatri Chakravorty. Pode o subalterno falar? Tradução de Sandra R. Goulart Almeida; Marcos Feitosa; André Feitosa. Belo Horizonte: Editora da UFMG, 2014.

ZOLIN, Lúcia Osana. Pós-Colonialismo, Feminismo e Construção de Identidades na Ficção Brasileira Contemporânea Escrita por Mulheres. In.: Revista Brasileira de Literatura Comparada, n.21, p. 51-70, 2012.

Downloads

Publicado

01-02-2018

Como Citar

ALVES LOPES-FLOIS, C. Representações de Identidade e Resistência em Americanah de Chimamanda Ngozi Adichie. Travessias, Cascavel, v. 11, n. 3, p. 464–486, 2018. Disponível em: https://saber.unioeste.br/index.php/travessias/article/view/17986. Acesso em: 29 nov. 2021.

Edição

Seção

LITERÁRIA