Leitura e literatura em meio digital: formas e tipos

Autores

  • Emanoel Cesar Pires de Assis Universidade Estadual do Maranhão - UEMA

Palavras-chave:

Literatura em meio digital, leitura, gêneros digitais

Resumo


A transposição do texto do meio impresso para a tela, ou seja, o advento de uma textualidade eletrônica, trouxe-nos uma instigante oportunidade de se repensar ideias fundamentais sobre o texto e o fazer literário. Assim, o artigo pretende demonstrar, de forma breve, algumas das particularidades emergidas pela relação entre a literatura e a tecnologia digital, dando destaque para a necessidade de se rever as práticas de leitura atuais e as novas estratégias suscitadas pelas formas e gêneros que nascem desse contexto. Assim, destacamos no artigo alguns dos novos gêneros que emergem a partir da chamada literatura eletrônica e refletimos sobre os modos e as estratégias de leitura que tais gêneros, em alguns casos, chegam a impor ao leitor, destacando que essas estratégias e modos podem encontrar, inicialmente, a leitura em meio impresso como sustentação inicial. Para tanto, busca-se apoio em pensadores como Katheryne Hayles (2001; 2003; 2009), Roger Chatier (2001), Wolfgang Iser (1996), Castanyer (2001) e Lúcia Santaella (2004). Afirmamos, por fim, que as dessemelhanças entre os textos digitais e impressos não servem para qualificar um e outro como melhor, mas, antes, para reforçar as suas diferenças e para sinalizar a necessidade de utilizarmos estratégias de leitura alternativas quando em contato com textos em suportes diferentes.

Biografia do Autor

Emanoel Cesar Pires de Assis, Universidade Estadual do Maranhão - UEMA

Doutora em Literatura pela UFSC. Docente permanente do Mestrado em Letras da Universidade Estadual do Maranhão -UEMA

Referências

AARSETH, Espen J. Non linearity and theory. In. LANDOW, George P. Hyper/text/theory. Baltimore: John Hopkins University Press, 1994.

BARBOSA, Pedro. A Ciberliteratura: criação literária e computador. Lisboa: Cosmos, 1996.

BELLEI, Sérgio Luiz Prado. O livro, a literatura e o computador. São Paulo: Editora UFSC, 2002.

BORGES, Jorge Luis. Ficções. Tradução de Carlos Nejar. São Paulo: Globo, 1999.

CASTANYER, Laura Borràs (Org.).Textualidades electrónicas: nuevos escenarios para la literatura. Barcelona: Editorial UOC, 2005.

CHARTIER, Roger. Cultura escrita, literatura e história. Tradução de Ernani Rosa. Porto Alegre: Artmed, 2001.

HAYLES, N. Katherine. Cyber|literature and Multicourses: Rescuing Electronic Literature from Infanticide. Electronic. Book Review, 2001. Disponível em: http://www.electronicbookreview.com/thread/electropoetics/interspecial. Acesso em fevereiro de 2017.

HAYLES, N. Katherine. Literatura eletrônica: novos horizontes para o literário. Tradução de Luciana Lhullier e Ricardo M. Buchweitz. São Paulo: Global: Fundação Universidade de Passo Fundo, 2009.

HAYLES, N. Katherine. Translating Media: why we should rethink textuality. The Yale Journal of Criticism, 2003. Disponível em: http://muse.jhu.edu. Acesso em Julho de 2017.

ISER, W. O ato da leitura: uma teoria do efeito estético. São Paulo: 34, 1996.

SANTAELLA, Lucia. Navegar no ciberespaço: o perfil cognitivo do leitor imersivo. São Paulo: Paulus, 2004.

Downloads

Publicado

21-12-2017

Como Citar

ASSIS, E. C. P. de. Leitura e literatura em meio digital: formas e tipos. Travessias, Cascavel, v. 11, n. 3, p. 441–451, 2017. Disponível em: https://saber.unioeste.br/index.php/travessias/article/view/18167. Acesso em: 20 maio. 2022.

Edição

Seção

DOSSIÊ TEMÁTICO: LITERATURA E MULTIMEIOS