O conto como recurso didático para o ensino da variação linguística a aprendizes brasileiros de espanhol

Autores

  • Valdecy Oliveira Pontes UFC
  • Denísia Kênia Feliciano Duarte

Palavras-chave:

Texto Literário, Ensino de Espanhol, Variação Linguística.

Resumo


Neste artigo, objetivamos tecer uma discussão sobre o uso do texto literário, mais especificamente do gênero conto, no ensino de Espanhol a aprendizes brasileiros, cujo foco se dará, principalmente, em função do seu uso como recurso didático para o ensino da variação linguística. Inicialmente, a partir dos pressupostos da Sociolinguística Laboviana e dos estudos de Bugel (1999), Santos (2002, 2005), Rodrigues (2005), Picanço (2003), Kraviski (2007), Coan e Pontes (2013), Pontes (2009, 2014), Lima (2014) e Faraco (2015), analisamos a abordagem da variação linguística nos livros didáticos de Espanhol para brasileiros. Em seguida, propomos o uso de contos para o ensino da diversidade linguística do Espanhol e apresentamos propostas de atividades. Dessa forma, buscamos promover uma reflexão quanto à importância de se considerar o uso do texto literário no ensino da variação linguística a aprendizes de línguas.

Biografia do Autor

Valdecy Oliveira Pontes, UFC

Possui Licenciatura Plena em Letras Português / Espanhol pela Universidade Federal do Ceará (2006), especialização em Linguística Aplicada pela Faculdade Sete de Setembro (2009), mestrado em Linguística Aplicada pela Universidade Estadual do Ceará (2009), doutorado em Linguística pela Universidade Federal do Ceará (2012) e pós-doutorado em Estudos da Tradução pela Universidade Federal de Santa Catarina (2014). É Professor Adjunto, na graduação em Letras-Espanhol e no Programa de Pós-graduação em Estudos da Tradução (POET), da Universidade Federal do Ceará e atua como Subcoordenador de Mobilidade Internacional na Coordenadoria de Assuntos Internacionais desta Universidade. Membro da Asociación de Lingüística y Filología de América Latina (ALFAL). Um dos Líderes do Grupo de Pesquisas Sociolinguísticas em Língua Estrangeira (SOCIOLIN-LE -CNPq) e do Grupo de Pesquisa em Tradução, Funcionalismo e Ensino (TRAFE-CNPq). Pesquisador do Grupo de Pesquisas Sociolinguísticas do Ceará (SOCIOLIN -CE-CNPq) e Membro do Grupo de Estudos de Literatura, Tradução e suas Teorias (GELTTE - UFC-CNPq). Tem experiência nas áreas de Linguística Aplicada, Abordagem funcionalista da Tradução, Sociolinguística, Dialetologia, Funcionalismo (vertente norte-americana) e Sociofuncionalismo. Atuando, principalmente, nos seguintes temas: estudos comparativos entre português e espanhol, aspecto, modalidade, pretéritos perfeito e imperfeito, tempo verbal, ponto de referência, tradução e ensino de língua estrangeira, material didático de língua estrangeira.

Denísia Kênia Feliciano Duarte

Mestre em Estudos da Tradução – POET - UFC

Referências

BAGNO, Marcos. Preconceito Linguístico: o que é, como se faz. 26 ed. São Paulo: Loyola, 2003.

BARROS, Eliana Merlin Deganutti. Gestos de ensinar e de aprender géneros textuais: a sequência didática como instrumento de avaliação. 366f. 2012. Tese (Doutorado em Estudos da Linguagem). Universidade Estadual de Londrina, Londrina. 2012.

BAZERMAN, C. Systems of genre and the enactment of social intentions. In: Freedman & Medway. Rethinking genre. London: Taylos & Fracis, 1994.

BORTONI-RICARDO, Stella Maris. Nós cheguemu na escola, e agora? Sociolinguística & educação. São Paulo: Parábola, 2005.

BRONKCART, J. P. Atividade de linguagem, texto e discurso: por um interacionismo sóciodiscursivo. São Paulo: EDUC, 2001.

BRASIL. Parâmetros curriculares nacionais: terceiro e quarto ciclos do ensino fundamental: língua estrangeira /Secretaria de Educação Fundamental. Brasília: Secretaria de Educação Fundamental, 1998.

BRASIL. Parâmetros Curriculares para o ensino Médio. Linguagens, Códigos e suas tecnologias. Brasília: Secretaria de Educação Média e Tecnológica, 2000.

BRASIL. Orientações Curriculares para o Ensino Médio Linguagens, Códigos e suas tecnologias. Brasília: Secretaria de Educação Média e Tecnológica, 2006.

BUGEL, T. O espanhol na cidade de São Paulo: quem ensina qual variante a quem? Trabalhos de Linguística Aplicada, 33, Campinas, Unicamp/IEL, 1999. p. 117-141.

COAN, M.; PONTES, V. O. Variedades linguísticas e o ensino de espanhol no Brasil. Revista Trama, Cascavel, v. 9, n. 18, p. 179-191, 2º sem. 2013. Disponible en: . Acceso en: 5 maio. 2014.

COELHO, Izete Lehmkuhl; GÖRSKI, Edair Maria; SOUZA, Christiane Maria N. et al. Para conhecer Sociolinguística (Coleção para conhecer Linguística). São Paulo: Contexto, 2015.

COMPANY COMPANY, C. ¿Qué es un cambio lingüístico En: COLOMBO, F. y SOLER, M. Á. (coords.). Cambio lingüístico y normatividad. México: UNAM, 2003. p. 13-32.

CORTÁZAR, Julio. Del cuento breve y sus alrededores, en último round. México: Siglo XXI, 1974.

COSERIU, E. El sistema verbal románico. México: Siglo XXI Editores, 1976.

CRISTOVÃO, Vera Lúcia Lopes; DURÃO, Adja Balbino de A. Barbieri. NASCIMENTO, Elvira Lopes; SANTOS, Aparecida M. dos. Cartas de pedido de conselho: da descrição de uma prática de linguagem a um objeto de ensino. Linguagem e Ensino, v. 9, n.1, p. 41-76, 2006.

DUARTE, D. K. F. El uso de los cuentos para la Enseñanza de los pretéritos en Español como Lengua Extranjera: una propuesta sociolingüística. 2014. 63f. Monografia (Graduação em Letras-Espanhol) – Centro de Humanidades, Universidade Federal do Ceará, Fortaleza, 2014.

FARACO, Carlos Alberto. Norma-padrão brasileira: desembaraçando alguns nós. In: BAGNO, Marcos (org.). A linguística da norma. São Paulo: Loyola, 2002. P. 37-61.

FARACO, Carlos Alberto. Norma culta brasileira. In: ZILLES, Ana Maria; FARACO, Carlos Alberto (Org.). Pedagogia da variação linguística: língua, diversidade e ensino. São Paulo: Parábola, 2015, p. 19 – 30.

FIORUSSI, André. De conto em conto. São Paulo; Ática, 2003. p.103.

GAIGNOUX, Aline de Azevedo. O texto literário na sala de aula: trabalhando o gênero conto. In: XVIII CONGRESSO NACIONAL DE LINGUÍSTICA E FILOLOGIA, 3, 2014, Rio de Janeiro. Cadernos dos CNLF, Rio de Janeiro: Universidade Estácio de Sá, 2014. p. 207-223.

GONZÁLEZ, César Augusto. Variação linguística em livros de português para o EM. In: ZILLES, Ana Maria; FARACO, Carlos Albert (Org.). Pedagogia da variação linguística: língua, diversidade e ensino. São Paulo: Parábola, 2015, p. 225 – 248.

GOTLIB, Nádia Battella. Teoria do conto. São Paulo: Ática, 1985.

GUTIÉRREZ ARAUS, M. L. Formas temporales del pasado en indicativo. Madrid: Arco/Libros, 1997.

KRAMSH, C. Context and culture in language teaching. Oxford: Oxford University Press, 1993.

KRAVISKI, E. R. A. Estereótipos Culturais: o ensino de espanhol e o uso da variante argentina em sala de aula. Dissertação (Mestrado em Letras) – Centro de Ciências Humanas, Letras e Artes. Universidade Federal do Paraná, Curitiba, 2007.

LABOV, W. Where does the Linguistic variable stop A response to Beatriz Lavandera. Sociolinguistic Working Paper, 44. Texas, 1978.

LIMA, Ricardo Joseph. Variação linguística e os livros didáticos de português. In: MARTINS, Marco Antônio; VIERA, Silvia Rodrigues; TAVARES, Maria Alice. (Org.). Ensino de português e sociolinguística. São Paulo: Contexto, 2014, p. 115 – 132.

MARCUSCHI, L. A. Gêneros textuais: configuração, dinamicidade e circulação. In: KARWOSKI, A. M.; GAYDECZKA, B.; BRITO, K. S. (Orgs.). Gêneros Textuais: reflexões e ensino. 4. ed. São Paulo: Parábola Editorial, 2011. p. 17-31.

MENDOZA, A. F. Materiales literarios en el aprendizaje de lengua extranjera. In Cuadernos de Educación 55. Barcelona: Horsori Editorial, 2007, p. 140.

MOTA, C. J. A literatura como ferramenta didática no Ensino de LE. In: FORÚM ENTIDADES E ALTERIDADES, 2013, Itabaiana. Anais do VI fórum identidades e alteridades e II congresso nacional educação e diversidade. Itabaiana: UFS. 2013. p. 1-8.

NARANJO, Fina García y GARCÍA, Concha Moreno. Cuentos, cuentos, cuentos. Variación y norma en la presentación de un texto literario. ¿Qué español enseñar? Norma y variación lingüísticas en la enseñanza del español a extranjeros. En: Actas del XI Congreso de ASELE. Zaragoza, 2000, p. 819-829.

NASCIMENTO, Elvira Lopes; SAITO, Cláudia Lopes Nascimento. Texto, discurso e gênero. In: SANTOS, Annie Rose dos; RITTER, Lilian Cristina B. (Org). O trabalho com a escrita no ensino fundamental. Maringá: EDUEM, 2005.

PICANÇO, D. C. de L. História, memória e ensino de espanhol (1942-1990): as interfaces do ensino da língua espanhola como disciplina escolar a partir da memória de professores, métodos de ensino e livros didáticos no contexto das reformas educacionais. Curitiba: Ed. da UFPR, 2003.

PLAZA, C. F. Reflexiones sobre el uso de documentos auténticos en la clase de E/LE. 2007. p. 2362-2370. Disponível em: <http://150.164.100.248/espanhol/Anais/anais_paginas_%202010-2501/Reflexiones%20sobre.pdf>. Acesso em: 20 jan. 2016.

PONTES, V. O. Abordagem das categorias verbais de tempo, aspecto e modalidade por livros didáticos de língua portuguesa e de língua espanhola: uma análise contrastiva. Monografia apresentada no Curso de Especialização em Linguística Aplicada da Faculdade 7 de setembro, Fortaleza, 2009.

PONTES, V. A tradução da variação linguística e o ensino de língua estrangeira: da teoria à prática docente. Caderno de Letras da UFF – Dossiê: Tradução, Nº 48, Novembro: 2014.

PONTES, V. O.; FRANCIS, M. As variedades linguísticas nas atividades de tradução em livros didáticos de espanhol do PNLD 2011. Mutatis Mutandis v. 07, Medellín, 2008, p. 83-99, 2014.

RABARDEL, Pierre. Les Hommes et les technologies: une approche cognitive des instruments contemporains. Paris: Université de Paris 8, 1995.

RODRIGUES, D. S. O tratamento da variação linguística em livros didáticos de Língua Inglesa. 2005. 83f. Dissertação (Mestrado em Linguística Aplicada) – Curso de Mestrado Acadêmico em Linguística Aplicada, Universidade Estadual do Ceará, Fortaleza, 2005.

SANTOS, H. S. O papel de estereótipos e preconceitos na aprendizagem de línguas estrangeiras. In: Anales del II congreso brasileño de hispanistas, 2002, São Paulo.

SANTOS, H. S. Quem sou eu? Quem é você? Será que agente pode se entender? As representações no ensino/parendizagem do espanhol como língua estrangeira. Dissertação de Mestrado defendida no Programa de Pós-Graduação em Língua Espanhola e Literaturas Espanhola e Hispano-Americana, DLM – FFLCH –USP. Inédita, 2005.

SANTORO, E. Da indissociabilidade entre o ensino de língua e literatura: uma proposta para o ensino do italiano como língua estrangeira em curso de letras. 2007. Tese (Doutorado em Letras) – Universidade de São Paulo, São Paulo, 2007.

SITMAN, R.; LERNER, Y. Literatura hispanoamericana: herramienta de acercamiento cultural en la enseñanza del español como lengua extranjera, Tendencias actuales en la enseñanza de español como lengua extranjera. In: CONGRESO INTERNACIONAL DE ÁSELE, 5., 1996, MÁLAGA. Actas del Congreso Internacional de Ásele. Málaga: ÁSELE. 1996. P. 227-233.

TARALLO, Fernando. A Pesquisa Sociolinguística. 7. ed. São Paulo: Ática, 2005.

Downloads

Publicado

04-05-2018

Como Citar

PONTES, V. O.; DUARTE, D. K. F. O conto como recurso didático para o ensino da variação linguística a aprendizes brasileiros de espanhol. Travessias, Cascavel, v. 12, n. 1, p. 51–68, 2018. Disponível em: https://saber.unioeste.br/index.php/travessias/article/view/18407. Acesso em: 25 jan. 2022.

Edição

Seção

LINGUAGEM