A escrevivencia de Maria Firmina dos Reis no conto A Escrava

Autores

  • Giselle Aparecida Luz Universidade Federal de Minas Gerais

Palavras-chave:

Escritura feminina, Silenciamento, Identidade, Alteridade.

Resumo


A proposta deste estudo é analisar o conto A escrava, da escritora  Maria Firmina dos Reis ([1877]2004) com o  objetivo de observar como se dá a construção identitária da escrava Joana a partir do que escritora  vê e nos faz ver através da voz  que atribuí a sua narradora. Para tanto, nos embasaremos nas discussões propostas por Bauman (2005), no que tange a temática da identidade;  Hartog (1999) e Baggio (2009), a respeito da Retórica da alteridade; bem como Lobo (2006) e Muzart (1999), sobre a vida e as obras de Maria Firmina dos Reis. A partir das análises, foi possível compreender  que a escritora Maria Firmina em seu conto A escrava problematiza o sistema escravocrata e machista vivenciado na sociedade brasileira em pleno século XIX. Para realizar tal movimento a escritora ousa dar lugar e voz para a escrava Joana que havia sido silenciada ao longo de toda sua vida.

Biografia do Autor

Giselle Aparecida Luz, Universidade Federal de Minas Gerais

Possui graduação em Letras (2009-2014) com habilitação em Licenciatura dupla Português/Francês pela Universidade Federal de Minas Gerais e mestrado (2015-2017) em Estudos Lingüísticos pela Universidade Federal de Minas Gerais. Atualmente é doutoranda em Estudos Linguísticos junto ao Programa de Pós-graduação em Estudos Linguísticos pela Universidade Federal de Minas Gerais. Tem experiência na área de Linguística, com ênfase em Análise do Discurso, atuando principalmente nos seguintes temas: Análise do Discurso franco-brasileira, Teoria Semiolingüística, Retórica, Argumentação e Discurso feminista. Também atua como tutora Oficina de Leitura e Produção de Texto na UFMG (Estágio Docência).

Referências

AGAMBEN, Giorgio. Meios sem fim: notas sobre política. Belo Horizonte: Autêntica Editora; 2015.

BAGGIO, Kátia Gerab. Identidade: a representação do outro e as narrativas de viagem nas reflexões de François Hartog. In: BARBOSA, Carlos Alberto Sampaio & GARCIA, Tânia da Costa (Orgs.). Cadernos de seminários de pesquisa: cultura e política nas Américas. Volume I. Assis-SP:FCL-Assis-Unesp Publicações, 2009, v.1. p.32-43.

BAUMAN, Zygmunt. Identidade: entrevista a Benedetto Vecchi. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Editor, 2005 [2004].

BARTHES, Roland. S/Z: uma análise da novela da novela Sarrasine de Honore de Balzac. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 1992.

DUARTE, Eduardo de Assis. Posfácio: Maria Firmina dos Reis e os primórdios da ficção afro-brasileira. In: REIS, Maria Firmina. Úrsula; A escrava. Florianópolis: Ed. Mulheres; Belo Horizonte; Belo Horizonte: PUC Minas, 2004.

HARTOG, François. O espelho de Heródoto: ensaio sobre a representação do outro. Belo Horizonte: Editora UFMG. 1999 [1980].

LOBO, Luisa. Auto-retrato de uma pioneira abolicionista. In: LOBO, Luiza. Crítica sem juízo. Rio de Janeiro: Garamond, 2007.

LUNA, Francisco Vidal; KLEIN, Herbert S. Escravismo no Brasil. São Paulo: Edusp: Imprensa Oficial do Estado de São Paulo, 2010.

REIS, Maria Firmina dos. A escrava. In: Úrsula; A escrava. Florianópolis: Ed. Mulheres; Belo Horizonte: Puc Minas, 2004.

SANTOS, Miriam Rosa dos. Histórias de reencontro: ancestralidade, pertencimento e enraizamento na descoberta de ser negra, 2014. Dissertação (Mestrado em Psicologia Social) – Instituto de Psicologia, Universidade de São Paulo, São Paulo, 2014.

Downloads

Publicado

04-05-2018

Como Citar

LUZ, G. A. A escrevivencia de Maria Firmina dos Reis no conto A Escrava. Travessias, Cascavel, v. 12, n. 1, p. 193–204, 2018. Disponível em: https://saber.unioeste.br/index.php/travessias/article/view/18954. Acesso em: 25 jan. 2022.

Edição

Seção

DOSSIÊ TEMÁTICO: Escrituras femininas à margem: diálogos na América Latina e na Península Ibérica