A Humanidade “Sunflawered” em Finnegans Wake: Natureza, Vergonha Existencial e Transcendência

Autores

  • Leide Daiane de Almeida Oliveira Universidade Federal de Santa Catarina

Palavras-chave:

Finnegans Wake, James Joyce, Ecocrítica.

Resumo


Apresenta-se a tradução do artigo “‘Sunflawered” Humanity in Finnegans Wake: Nature, Existential Shame and Transcendence”, do crítico norte-americano James Fairhall. O artigo faz parte da coletânea Eco-Joyce: The Environmental Imagination of James Joyce, editada por Robert Brazeau e Derek Gladwin, publicada em 2014. A edição é uma importante contribuição para os estudos joyceanos, principalmente no que se refere à investigação sobre a consciência ecológica evidenciada na escrita de James Joyce (1882-1941). A escolha de realizar a tradução desse artigo para o português brasileiro teve como objetivo trazer alguns aspectos das recentes discussões a respeito da obra de Joyce sob a perspectiva da ecocrítica. Tomando como ponto de partida o último romance de Joyce, Fairhall discute sobre a humanidade em sua dimensão transcendente e, ao mesmo tempo, presa à vergonha provocada pelas necessidades do corpo.

Biografia do Autor

Leide Daiane de Almeida Oliveira, Universidade Federal de Santa Catarina

Doutoranda no Programa de Pós-Graduação em Estudos da Tradução pela Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC). Mestre em Inglês: Estudos Linguísticos e Literários, também pela UFSC. Especialista em Educação a Distância pela Universidade do Estado da Bahia (UNEB) Graduada em Letras com habilitação em língua inglesa também pela UNEB.

Downloads

Publicado

29-08-2018

Como Citar

OLIVEIRA, L. D. de A. A Humanidade “Sunflawered” em Finnegans Wake: Natureza, Vergonha Existencial e Transcendência. Travessias, Cascavel, v. 12, n. 2, p. 123–140, 2018. Disponível em: https://saber.unioeste.br/index.php/travessias/article/view/19572. Acesso em: 20 jan. 2022.

Edição

Seção

TRADUÇÕES