O feminino como excesso obsceno em o conto da Aia, de Margeret Atwood

Autores

  • Gabriela Bruschini Grecca

Palavras-chave:

Slavoj Žižek, excesso obsceno, distopia, O conto da aia.

Resumo


Este artigo buscará compreender como a narrativa de O conto da aia (1985), distopia feminina da canadense Margaret Atwood, pode ser colocada em diálogo com o conceito de “excesso obsceno”, de Slavoj Žižek (2003), para compreender a formação do universo distópico patriarcal da República de Gilead. Mais do que um bode expiatório, a figura feminina sexualizada e emancipada dos antigos Estados Unidos, cujo caráter revolucionário foi cooptado pelo capitalismo para transformá-lo em uma das peças para o funcionamento do liberalismo econômico, se torna destituída de todos os seus direitos civis na transformação dos EUA em República de Gilead. Nesta nação, as mulheres são respeitadas apenas enquanto instrumento de reprodução, privadas de direitos fundamentais, incluindo o de serem protagonistas de suas próprias histórias. Desta forma, o conceito de excesso obsceno parece auxiliar no entendimento de como uma ideologia é capaz de criar seu próprio excedente, para depois desejar livrar-se dele e convencer a população a exterminá-lo. O conto da aia, ao revelar os processos envolvidos nesta estratégia, reflete criticamente sobre como mesmo uma nação que possui bases democráticas aparentemente consolidadas carrega em si a dimensão fantasmática do radicalismo e do fundamentalismo em suas próprias fissuras, sujeitas a ascenderem e tolherem as liberdades individuais tanto quanto nas sociedades totalitárias. Ou, nas palavras de Žižek (2003, p. 71), retrata o fascismo enquanto excesso obsceno latente do capitalismo, mantendo, nas palavras de Walter Benjamin (1987), uma verdadeira situação de barbárie, a partir do fechamento da história e do silenciamento da voz do oprimido.

Referências

ARENDT, Hannah. A condição humana. Trad. Roberto Raposo. 10ª ed. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 2007.

ATWOOD, Margaret. O conto da aia. Trad. Ana Deiró. 1ª ed. Rio de Janeiro: Editora Rocco, 2017.

BENJAMIN, Walter. As Teses sobre o Conceito de História. In: ___. Obras Escolhidas I: Magia e Técnica, Arte e Política. Trad. Sérgio Paulo Rouanet. 3ª ed. São Paulo, Brasiliense, 1987. p. 222-232.

BENJAMIN, Walter. Sobre alguns temas em Baudelaire. In: ___. Obras Escolhidas III: Charles Baudelaire, um lírico no auge do capitalismo. Trad. José Carlos Martins Barbosa e Hemerson Alves Baptista. Editora Brasiliense, 1989. p. 103-149.

JAMESON, Frederic. Archaeologies of the Future: the Desire Called Utopia and Other Science Fictions. New York: Verso, 2005.

LÖWY, Michael. Walter Benjamin: aviso de incêndio – uma leitura das teses “Sobre o conceito de história”. Trad. Wanda Nogueira Caldeira Brant, [tradução das teses] Jeanne Marie Gagnebin, Marcos Lutz Müller. 1ª ed. São Paulo: Boitempo, 2005.

MOYLAN, Tom. Scraps of the Untainted Sky: Science Fiction, Utopia e Dystopia. Colorado: Westview Press, 2000.

ORWELL, George. 1984. 9ª reimpressão. Trad. Alexandre Hubner, Heloisa Jahn. São Paulo: Companhia das Letras, 2009.

SILVA, Marisa Corrêa. Autores, narradores, não-autores: a experiência de “Partes da África”. Revista de Literatura, História e Memória. v. 7. n. 10. 2011. Disponível em: http://e-revista.unioeste.br/index.php/rlhm/article/view/5890/472. Acesso em 01/06/2018. p. 33-45.

SUVIN, Darko. On the Poetics of the Science Fiction Genre. College English. v. 34. n. 3. 1972. p. 372–382. Disponível em: www.jstor.org/stable/375141. Acesso em 24/01/2018.

ŽIŽEK, Slavoj. Bem-vindo ao deserto do Real!: cinco ensaios sobre o 11 de Setembro e datas relacionadas. Trad. Paulo Cezar Castanheira. São Paulo: Boitempo Editorial, 2003.

ŽIŽEK, Slavoj. A visão em paralaxe. Trad. Beatriz Medina. São Paulo: Boitempo Editorial, 2008.

Downloads

Publicado

29-08-2018

Como Citar

GRECCA, G. B. O feminino como excesso obsceno em o conto da Aia, de Margeret Atwood. Travessias, Cascavel, v. 12, n. 2, p. 44–59, 2018. Disponível em: https://saber.unioeste.br/index.php/travessias/article/view/19763. Acesso em: 20 jan. 2022.

Edição

Seção

DOSSIÊ TEMÁTICO: As ressonâncias do pensamento de Zizek para Cultura e Literatura