O conceito de democracia em Giorgio Agamben e Slavoj Žižek

Autores

  • Felipe Onisto Universidade do Contestado - UnC
  • Sandro Luiz Bazzanella Universidade do Contestado - UnC

Palavras-chave:

Economia. Política. Estado. Filosofia. Sociologia.

Resumo


O artigo possui como temática central o conceito de democracia nas filosofias políticas de Slavoj Žižek e Giorgio Agamben. Os diagnósticos apresentados foram possíveis diante das pesquisas originadas pela problemática: Qual a concepção de democracia na filosofia política de Slavoj Žižek e Giorgio Agamben? O objetivo geral do texto é: identificar o conceito de democracia na filosofia política de Slavoj Žižek e de Giorgio Agamben. Os resultados alcançados nas pesquisas foram possíveis pelas revisões bibliográficas. A base de dados se estrutura com a dinâmica primária, tendo abordagem qualitativa, histórica e filosófica, visto que se trata de uma pesquisa conceitual, incompatível com afirmações numéricas. Como corrente filosófica de pesquisa foi utilizado o Materialismo Histórico Dialético para as investigações acerca do pensamento de Žižek e a Arqueologia e Genealogia para investigações do percurso conceitual de Agamben. A pesquisa revela um diagnóstico crítico diante da noção de democracia na contemporaneidade. Os governos que se anunciam democráticos são ilegítimos e desvinculados de quaisquer práticas de democracia, simplesmente pela antinomia em relação as necessidades e anseios de indivíduos e populações. A democracia é neste contexto concebida como técnica de governo, como discurso de legitimação a serviço das garantias contratuais exigidas pela dinâmica da  economia financeirizada global.

Biografia do Autor

Felipe Onisto, Universidade do Contestado - UnC

Graduado em Ciências Sociais pela Universidade do Contestado - UnC - Canoinhas - SC. Licenciatura Plena em Sociologia. Pós-Graduação em Gestão Pública pela UFSC (Universidade Federal de Santa Catarina). Mestre pelo Programa de Mestrado em Desenvolvimento Regional da Universidade do Contestado - UnC. Professor da Universidade do Contestado - UnC. Experiência nas áreas de Sociologia Jurídica, Filosofia Jurídica, Criminologia, Sociologia da Educação e Teoria Geral do Estado. Atualmente vincula-se ao grupo de pesquisas interdisciplinar em Ciências Humanas - CNPq e grupo de estudos de Giorgio Agamben. http://www.agambenbrasil.com.br

Sandro Luiz Bazzanella, Universidade do Contestado - UnC

Professor de Filosofia e do Programa de Mestrado em Desenvolvimento Regional da Universidade do Contestado. Líder do Grupo de Pesquisa Interdisciplinar em Ciências Humanas – Cnpq; Coordenador do Grupo de Estudo em Giorgio Agamben – Universidade do Contestado.

Referências

AGAMBEN, Giorgio. Homo Sacer: o poder soberano e a vida nua. Tradução de Henrique Burigo. – Belo Horizonte UFMG, 2002.

AGAMBEN, Giorgio. Meios sem fim : notas sobre a política. Tradução Davi Pessoa Carneiro. Belo Horizonte : Autêntica Editora, 2015. – (Filô/Agamben)

AGAMBEN, Giorgio. Crise de legitimidade. Tradução Moisés Sbardelotto. IHU – Unisinos. Disponível em: <https://blogdaboitempo.com.br/2015/04/20/agamben-crise-de-legitimidade/>. Acesso em: 18 jun. 2016.

AGAMBEN, Giorgio. Como a obsessão por segurança muda a democracia. Jornal Le Monde Diplomatique Brasil, 06 jan. 2014. Disponível em: <http://www.diplomatique.org.br/artigo.php?id=1568>. Acesso em: 23 jun. 2016.

AGAMBEN, Giorgio. Note liminaire surle concept de démocratie. In: Démocratie dans quel état? La Fabrique 2009. English translation Columbia University Press 2011.

AGAMBEN, Giorgio. Democracia e pós-ideologia se elidem. Entrevista com Giorgio Agamben. IHU Online. São Leopoldo, 2008. Disponível em:<http://www.ihu.unisinos.br/entrevistas/12818-democracia-e-pos-ideologia-se-elidem-entrevista-com-giorgio-agamben>. Acesso em: 03 de nov. 2011.

AGAMBEN, Giorgio. A Democracia é um conceito ambíguo. Blog da Boitempo, 04 jul. 2014. Tradução Selvino José Assmann. Disponível em: <https://blogdaboitempo.com.br/2014/07/04/agamben-a-democracia-e-um-conceito-ambiguo/>. Acesso em: 19 abr. 2016.

BBC. Os 8 bilionários que têm juntos mais dinheiro que a metade mais pobre do mundo. Disponível em: http://www.bbc.com/portuguese/internacional-38635398. Acesso em: 23 jan. 2017.

BBCBRASIL. Quanto valem suas informações no Facebook? 2012. Disponível em:<http://www.bbc.com/portuguese/noticias/2012/02/120131_facebook_ipo_mdb.shtml>. Acesso em: 02 jan. 2017.

DEBORD, Guy. A sociedade do espetáculo. Tradução Estela dos Santos Abreu. – Rio de Janeiro: Contraponto, 1997.

DIEESE. PEC nº 241/2016: o novo regime fiscal e seus possíveis impactos. Nota técnica, n. 161, 2016. Disponível em:<http://www.dieese.org.br/notatecnica/2016/notaTec161novoRegimeFiscal.pdf>. Acesso em: 27 jan. 2016.

JUNGES, Márcia. GALLAS, Luciano. Forma de vida e os dispositivos biopolíticos de exceção e governamentalização da vida humana. IHU – Revista do Instituto Humanitas Unisinos. N. 450, Ano XIV, 2014.

MARETTI, Eduardo. O direito à intimidade precede o dever de publicidade. Rede Brasil Atual. 2012. Disponível em: http://www.redebrasilatual.com.br/politica/2016/03/para-pedro-serrano-moro-nao-tem-competencia-para-2676.html. Acesso em: 03 fev. 2017.

PARKER, Ian. A política – Repetindo Marx. In: ŽIŽEK, Slavoj et al; DUNKER, Christian. PRADO, José Luiz Aidar (Org). Žižek crítico: política e psicanálise na era do multiculturalismo. São Paulo: Hacker, Editores, 2005.

SERRANO, Pedro Estevam Alves Pinto. Autoritarismo e golpes na América Latina : breves ensaio sobre jurisdição e exceção. 1. ed. São Paulo: Alameda, 2016.

VIANA, Natália. ASSANGE, Julian. EUA espionaram ministros de Dilma e o avião presidencial. Carta Capital. 2015. Disponível em:<http://www.cartacapital.com.br/revista/857/os-alvos-do-tio-sam-9756.html>. Acesso em: 02 fev. 2017.

ŽIŽEK, Slavoj. Às portas da revolução: seleção dos escritos de Lenin de fevereiro a outubro de 1917. Tradução dos textos de Slavoj Žižek, Luiz Bernardo Pericás e FabrizioRigout. Tradução dos textos de Lenin, Daniela Jinkings. São Paulo :Boitempo, 2005.

ŽIŽEK, Slavoj. A visão em paralaxe. Tradução Maria Beatriz de Medina. São Paulo :Boitempo, 2008.

ŽIŽEK, Slavoj. Problemas no paraíso. In: MARICATO, Ermínia et al. Cidades rebeldes : Passe livre e as manifestações que tomaram as ruas do Brasil. 1 ed. – São Paulo : Boitempo : Carta Maior, 2013.

ŽIŽEK, Slavoj. O violento silêncio de um novo começo. In: HARVEY, David. Ocuppy – movimentos de protesto que tomaram as ruas. Tradução João Alexandre Peschanskiet al. São Paulo : Boitempo : Carta Maior, 2012.

ŽIŽEK, Slavoj. O casamento entre democracia e capitalismo acabou. (2011). Disponível em: <http://cartamaior.com.br/?/Editoria/Internacional/Zizek-o-casamento-entre-democracia-e-capitalismo-acabou/6/17832>. Acesso em: 21 jan. 2017.

ŽIŽEK, Slavoj. ''Acredito na emancipação, mas não renuncio à democracia''. Entrevista com Slavoj Žižek. Tradução Moisés Sbardelotto. IHU Online. São Leopoldo, 2012. Disponível em: <http://www.ihu.unisinos.br/noticias/508095-acredito-na-emancipacao-mas-nao-renuncio-a-democracia-entrevista-com-slavoj-zizek>. Acesso em: 21 jan. 2017.

ŽIŽEK, Slavoj. “Nosso inimigo é a ilusão democrática”. (2011). Disponível em: http://www.contextolivre.com.br/2011/10/slavoj-zizek-nosso-inimigo-e-ilusao.html>. Acesso em 21 jan. 2017.

ŽIŽEK, Slavoj. Democracia corrompida. Revista Cult. São Paulo. Ano 12. N. 137. Jul. 2009.

ŽIŽEK, Slavoj. Liberdade, democracia e TISA. 2014. Disponível em: https://blogdaboitempo.com.br/2014/07/14/zizek-liberdade-democracia-e-tisa/>. Acesso em: 29 jan. 2017.

ŽIŽEK, Slavoj. "Eu não sou um daqueles esquerdistas loucos". Folha de São Paulo. 2013. Entrevista a Ricardo Mioto. Disponível em:<http://www.ihu.unisinos.br/524211-qeu-nao-sou-um-daqueles-esquerdistas-loucosq>. Acesso em: 02 fev. 2017.

Downloads

Publicado

29-08-2018

Como Citar

ONISTO, F.; BAZZANELLA, S. L. O conceito de democracia em Giorgio Agamben e Slavoj Žižek. Travessias, Cascavel, v. 12, n. 2, p. 4–27, 2018. Disponível em: https://saber.unioeste.br/index.php/travessias/article/view/20051. Acesso em: 24 jan. 2022.

Edição

Seção

DOSSIÊ TEMÁTICO: As ressonâncias do pensamento de Zizek para Cultura e Literatura