A percepção corporal para deficientes visuais através da dança

Autores

Palavras-chave:

Dança, Deficiência Visual, Fenomenologia, Merleau-Ponty.

Resumo


Para os deficientes visuais a dança facilita a interação com o mundo. Neste sentido, o estudo da fenomenologia em Merleau-Ponty permite que façamos a ligação com a deficiência e a dança ao retratar que o ser humano utiliza as sensações para interagir e experimentar o mundo. O estudo objetivou compreender como os deficientes visuais percebem os sentidos (audição e tato), durante a prática da dança à luz da fenomenologia de Merleau-Ponty, por meio de uma revisão de literatura. A dança é uma das artes mais antiga usada como forma de expressão corporal. Para os deficientes visuais ela oferece um caminho que possibilita conexão com o mundo e as pessoas por meio das sensações oferecidas ao movimentar-se. A deficiência visual é caracterizada pela ausência da visão, cujo pode ser congênita ou adquirida, mas que independente do tipo, o fato de não poder ver não é empecilho para a aprendizagem, vivencia, experiências e descobertas do ser e o mundo.  Para Merleau-Ponty (1999) tudo se resolve quando se define as essências, na dança a essência sempre está presente porque é permitido expressar o que realmente somos pela expressão não verbal. Com isso, a fenomenologia em Merleau-Ponty fez interface com a deficiência visual e a dança ao retratar que o ser humano necessita e utiliza as sensações para interagir, experimentar e se descobrir no mundo. A dança pode ser inserida na vida do deficiente visual como forma de melhorar a sua autonomia, autoestima e qualidade de vida. 

Biografia do Autor

Mayara Rodrigues Cardoso, Faculdades Integradas de Jau

Educação Física e Dança 

Juliana Inhesta Limão, Licenciatura Plena em Educação Física - Unesp Bauru Mestrado em Psicologia do Desenvolvimento e aprendizagem - Unesp Bauru Professora ensino superior - Faculdades Integradas de Jau.

Professora - Secretaria da Educação do Estado de São Paulo 

Professora ensino superior - Faculdades Integradas de Jau.

Referências

ALMEIDA, R. M. F. Não ver e ser visto em dança: análise comparativa entre o Potlach Grupo de Dança e a Associação / Cia. de Ballet de Cegos. 2012. 104 f. Dissertação (Mestrado em Artes), Escola Belas Artes, Universidade Federal de Minas Gerais, Minas Gerais, 2012. Disponível em: <http://www.bibliotecadigital.ufmg.br/dspace/bitstream/handle/1843/JSSS-8ZZNLD/disserta__o_renata_mara_2012.pdf?sequence=1>. Acesso em: 25 jan. 2016.

CARVALHO, J. G.; FERNANDES, J. M. G. A. Um olhar sobre o corpo (do) cego. 2007. 9 f. Dissertação (Mestrado em Educação Física), Universidade de Trás-os-Montes e Alto Douro, Portugal, 2007. Disponível em: <http://www.cbce.org.br/docs/cd/resumos/107.pdf>. Acesso: 20 jun. 2016.

CAZÉ, C. M. J. O.; OLIVEIRA, A. S. Dança além da visão: possibilidades do corpo cego. Revista Pensar á pratica. p. 293-302, set/dez. 2008. Disponível em: <https://www.revistas.ufg.br/fef/article/view/3592/4975> Acesso em: 05 fev. 2016.

FREIRE, I. M. Na dança contemporânea, cegueira não é escuridão. Revista Ponto de Vista. Florianópolis, n. 6/7 p. 57-58, 2004/2005. Disponível em: <https://periodicos.ufsc.br/index.php/pontodevista/article/view/1152/14677>. Acesso: 23 fev. 2016.

FIGUEIREDO, V. M. C.; TAVARES, M. C. G. C. F.; VENÂNCIO, S. Olhar para o corpo que dança um sentido para a pessoa portadora de deficiência visual. Revista Movimento. Rio Grande do Sul, v. 5, n. 11, 1999. Disponível em: <http://www.seer.ufrgs.br/index.php/Movimento/article/view/2487/1136>. Acesso em: 17 fev. 2016.

GIL, M. Cadernos da Tv Escola: Deficiência Visual. Brasília: MEC/SEED, 2000, 79p. Disponível em: <http://portal.mec.gov.br/seed/arquivos/pdf/deficienciavisual.pdf>. Acesso em: 11 de maio de 2016.

MACHADO, B. F. G. Corporeidade e existência em Merleau-Ponty. Revista do Núcleo de Estudos e Pesquisas Interdisciplinares em Musicoterapia. Curitiba, v.2, p. 47-58, 2011. Disponível em: <http://www.fap.pr.gov.br/arquivos/File/extensao/Arquivos2011/NEPIM/NEPIM_Volume_02/Art03_NEPIM_Vol02_CorporeidadeExistencia.pdf> Acesso em: 20 fev. 2016.

MARQUES, D. A. P. et al. Dança e Expressividade: Uma aproximação com a fenomenologia. Revista Movimento. Rio Grande do Sul, v.19, n.1, jan./mar., 2013. Disponível em: <http://www.seer.ufrgs.br/index.php/Movimento/article/view/26494/24405>. Acesso em: 06 jan. 2016.

MOREIRA, A. R. L. Algumas considerações sobre a consciência na perspectiva fenomenológica de Merleau-Ponty. Estudos de Psicologia, v. 2, n. 2, p.399-405, jul./dez., 1997. Disponível em: <http://www.redalyc.org:9081/articulo.oa?id=26120212> Acesso em: 10 set. 2017.

MUNSTER, M. A. V.; ALMEIDA, J. J. G. Atividade Física e Deficiência Visual. In: GREGUOL, Marcia; COSTA, Roberto Fernandes da. Atividade Física Adaptada: qualidade de vida para pessoas com necessidades especiais. Barueri: Manole, 2013. cap. 2, p. 30-77.

NEVES, N. Klauss Vianna: estudos para uma dramaturgia corporal. São Paulo: Cortez, 2008.

NÓBREGA, T. P. Corpo, percepção e conhecimento em Merleau-Ponty. Estudos de Psicologia. v. 2, n. 13, p.141-148, 2008. Disponível em: <http://www.scielo.br/pdf/epsic/v13n2/06.pdf>. Acesso em: 23 fev. 2016.

PONTY, M. M. Maurice Merleau-Ponty: Fenomenologia da percepção. Traduzido por Carlos Alberto Ribeiro de Moura. São Paulo: Martins Fontes, 1999. Tradução de: Phénoménologie de Ia perception. Disponível em: <https://monoskop.org/images/0/07/Merleau_Ponty_Maurice_Fenomenologia_da_percep%C3%A7%C3%A3o_1999.pdf>. Acesso em: 27 fev. 2016.

SÁ, E. D.; CAMPOS, I. M.; SILVA, M. B. C. Atendimento Educacional Especializado: Deficiência Visual. Brasília: SEESP/SEED/MEC, 2007, 57p. Disponível em: <http://portal.mec.gov.br/seesp/arquivos/pdf/aee_dv.pdf>. Acesso em: 15 de maio de 2016.

SOUZA, J. C. L.; METZER, A. C. Benefícios da dança no aspecto social e físico dos idosos. Revista Fafibe On-line. Bebedouro, v.6, n.6, p. 8-13, maio, 2013. Disponível em: <http://www.unifafibe.com.br/revistasonline/arquivos/revistafafibeonline/sumario/28/11122013185614.pdf>. Acesso em: 25 abr. 2016.

ZOTOVICI, S. A. Pés no cão e dança no coração: um olhar fenomenológico na linguagem do movimento por meio da dança. Revista de Humanidades e Ciências Sociais Aplicadas. Ourinhos, n. 02, 2008. Disponível em: <http://portal.estacio.br/media/3708863/artigo-sandra.pdf>. Acesso: 05 fev. 2016.

Downloads

Publicado

11-12-2018

Como Citar

CARDOSO, M. R.; LIMÃO, J. I. A percepção corporal para deficientes visuais através da dança. Travessias, Cascavel, v. 12, n. 3, p. 243–253, 2018. Disponível em: https://saber.unioeste.br/index.php/travessias/article/view/20542. Acesso em: 21 jan. 2022.

Edição

Seção

EDUCAÇÃO