Transgeneridades no debate atual sobre as políticas de identidade: (des)construções e tensionamentos ao paradigma heteronormativo no Brasil

Autores

Palavras-chave:

gênero, identidade, transgeneridade.

Resumo


Transgênero é um termo comumente utilizado para englobar a multiplicidade de sujeitos que vivenciam sua subjetividade através de processos identificatórios que fogem a normatividade biológica e culturalmente determinada. Contudo, tal terminologia possui um tenso debate, uma vez que produz uma categoria “guarda-chuva” para constituir uma identidade organizada entre grupos sociais, mas pode produzir também exclusão e generalização. Debater o termo trans e suas derivações (transgênero, transgeneridade, etc.) não é apenas uma crítica a possíveis reducionismos, mas uma possibilidade de não cair em armadilhas. Buscar compreender processos de construção identidade social é interessante para a conquista de direitos sociais. Porém, é importante entender como cada sujeito se auto-denomina e o que é relevante a ela/ele. Como sua experiência pode ser única e particular. Assim, este trabalho tem como objetivo discutir as terminologias utilizadas para denominar experiências de sujeitos em meio a transgressões, diferenciações e rupturas a referenciais heteronormativos, em principal os termos transgênero e transgeneridade. Pautamos nosso referencial a partir de aproximações teóricas com o Pós-estruturalismo, considerando que toda formação discursiva perpassa regularidades linguísticas justapostas de acordo com jogos estratégicos de poder, envolvendo procedimentos de exclusão compostos por interdições, separações e a vontade de verdade, em que as inconsistências internas das estruturas fazem o seu próprio desmantelamento. Propomos que os usos das categorias identitárias não são aleatórios. A necessidade de identidades coletivas pode facilitar uma rearticulação democrática e fazer emergir questões que gerem peso crítico dentro de direitos sociais frente ao poder público.

Biografia do Autor

Amanda Pereira de Carvalho Cruz, Universidade Federal do Maranhão

Doutoranda do Programa de Ciências Sociais da UFMA.

Referências

ALMEIRA, Guilherme. ‘Homens trans’: novos matizes na aquarela das masculinidades? Estudos Feministas, Florianópolis, SC, v. 20, n. 2, p. 513-523, mai./ago. 2012.

BRAH, Avtar. Diferença, Diversidade e Diferenciação. Cadernos Pagu, n.26, p.329-376, jan/jun. 2006.

BARBOSA, Bruno Cesar. Nomes e diferenças: uma etnografia dos usos das categorias travesti e transexual. 2010. 130p. Dissertação (Mestrado) em Antropologia Social – USP, Universidade de São Paulo, São Paulo.

BENTO, Berenice. O que é transexualidade. São Paulo: Brasiliense, 2008.

BUTLER, Judith. Corpos que pesam: sobre os limites discursivos do sexo. Tradução: Tomaz Tadeu da Silva. In: LOURO, Guacira Lopes. O corpo educado. Belo Horizonte: Ed. Autentica, 2000, p. 110-127.

BUTLER, Judith. Regulações de gênero. Cadernos Pagu, n.42, p.249-274, jan/jun. 2014.

BUTLER, Judith. Problemas de gênero: feminismo e subversão da identidade. Tradução: Renato Aguiar. 8ª ed. Rio de Janeiro: Civilização brasileira, 2015.

CARVALHO, Mario Felipe de Lima. Que mulher é essa?: identidade, política e saúde no movimento de travestis e transexuais. 2011. 147f. Dissertação (Mestrado) em Saúde Coletiva – Instituto de Medicina Social da UERJ, Universidade do Estado do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro.

DERRIDA, Jacques. A estrutura, o signo e o jogo no discurso das ciências humanas. In: ______. A escritura e a diferença. Tradução: Maria Beatriz Marques Nizza da Silva. 3ª ed. São Paulo: Perspectiva, 2005.

FOUCAULT, Michel. História da sexualidade I: a vontade de saber. Tradução: Maria Thereza da Costa Albuquerque e J.A. Guilhon Albuquerque. 15ª ed. Rio de Janeiro: Graal, 1988.

FOUCAULT, Michel. A ordem do discurso. Tradução: Laura Fraga de Almeida Sampaio. 17ª ed. São Paulo: Loyola, 2008

FOUCAULT, Michel. Ditos e escritos II: arqueologia das ciências e história dos sistemas de pensamento. Tradução: Elisa Monteiro. 3ª ed. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 2015.

JESUS, Jaqueline Gomes de. Orientações sobre a população transgênero: conceitos e termos. Brasília: Autor, 2012.

LANZ, Letícia. O corpo da roupa: a pessoa transgênera entre a transgressão e a conformidade com as normas de gênero. 2014. 342 f. Dissertação (Mestrado) em Sociologia - Departamento de Ciências Sociais da UFPR, Universidade Federal do Paraná, Curitiba.

MOIRA, Amara; ROCHA, Marcia; BRANT, T.; NERY, João W. Vidas trans: a luta de transgêneros brasileiros em busca de seu espaço social – a coragem de existir. 1ª ed. Bauru: Astral Cultural, 2017.

NERY, João W. Transgeneridade na escola: estratégias de enfrentamento. In: SOUZA, Rolf Malungo de. Coletânea Diversa Diversidades. 1ª ed. Niterói: UFF/Cead, 2015, p.61-80.

SALIH, Sara. Judith Butler e a teoria queer. Tradução: Guacira Lopes Louro. Belo Horizonte: Autentica, 2017.

SPARGO, Tamsim. Foucault e a teoria queer. Juiz de Fora: Ed.UFJF, 2006.

WOODWARD, Kathryn. Identidade e diferença: uma introdução teórica e conceitual. Tradução: Tomaz Tadeu da Silva. In: SILVA, Tomaz Tadeu da (org.). Identidade e diferença: a perspectiva dos Estudos Culturais. Petrópolis: Vozes, 2014. p.07-72.

Downloads

Publicado

11-12-2018

Como Citar

CRUZ, A. P. de C.; SOUSA, S. M. N. Transgeneridades no debate atual sobre as políticas de identidade: (des)construções e tensionamentos ao paradigma heteronormativo no Brasil. Travessias, Cascavel, v. 12, n. 3, p. 20–30, 2018. Disponível em: https://saber.unioeste.br/index.php/travessias/article/view/20822. Acesso em: 23 maio. 2022.

Edição

Seção

DOSSIÊ TEMÁTICO: Gênero: revisitando teorias, movimentando análises