A violência e o livre arbítrio no conto “A planície em chamas” de Juan Rulfo: a vontade de poder como pano de fundo na Revolução mexicana

Autores

Palavras-chave:

Revolução Mexicana, Planície em Chamas, Livre Arbítrio.

Resumo


A Revolução Mexicana é um dos eventos fundamentais para se compreender as mudanças político-econômicos no México. Há muitos que a defendem cegamente. Juan Rulfo, porém, foi um dos primeiros a analisá-la com imparcialidade. No conto “A planície em chamas”, diminui-se a ideia de que a Revolução não gerou dano aos mais pobres ou que ela em nenhum momento se corrompeu. Tal conto descreve alguns tipos de violência praticados ao longo da Revolução. Portanto, neste trabalho, analisar-se-á o seguinte tema: até que ponto o protagonista do conto pode realmente escolher entre ser ou nao violento? Para responder essa pergunta, partir-se-á do conceito filosófico-religioso de “mal” em si até chegar à noção de maldade social.

Biografia do Autor

Elton Emanuel Brito Cavalcante, Universidade Federal de Rondônia (UNIR), Porto Velho, Rondônia, Brasil.

Mestrado em Estudos Literários pela Universidade Federal de Rondônia (2013); Licenciatura Plena e Bacharelado em Letras/Português pela Universidade Federal de Rondônia (2001); Bacharelado em Direito pela Universidade Federal de Rondônia (2015); Especialização em Filologia Espanhola pela Universidade Federal de Rondônia; Especialização em Metodologia e Didática do Ensino Superior pela UNIRON;. Ex-professor da rede estadual de Rondônia; Ex-professor do IFRO; Atualmente é professor da Universidade Federal de Rondônia - UNIR.

Referências

ARISTÓTELES. La política. Editorial Gredos, Madrid, 1988.

GOETHE, J. W.V. Las penas del joven Werther. Biblioteca Universal, 2006.

HERASCID, Jacobo. Análisis del Llano en llamas de Juan Rulfo. Disponible en: <https://tendenciasliterariasydelavida.wordpress.com/2014/05/05/analisis-llano-en-ll>.

HOBBES, Thomas. El Leviatán. Editorial Skla, Bogotá, [sin fecha de publicación].

LOZANO, G. C. Aguillera. Así era Juan Rulfo. Revista Contacto. Disponible en http://www.contactomagazine.com/rulfobio.htm

NARANJO, Francisco (1985). Diccionario biográfico revolucionario. México D. F.: Imprenta Editorial Cosmos.

PLATÓN. La República. Editorial Gredos, Madrid, 1988.

PLATÓN. El Banquete. Edición de Patricio Azcárate, tomo V, Madrid, 1871.

ROUSSEAU, J.J. El Contrato Social. Editorial ElAleph.com, 1999. Disponible en:http://www.enxarxa.com/biblioteca/ROUSSEAU%20El%20Contrato%20Social.pdf

RULFO, Juan. El llano en llamas. Editorial Planeta, Barcelona,1972.

RULFO, Juan. Pedro Páramo. Editorial Planeta, Barcelona, 1972.

SANTA BIBLIA. Nueva Reina-Valera. Editorial New Life, Buenos Aires, 2003.

SILIO, Vicente. Nuevo manual de la historia de España. Editorial Iberoamericana, Madrid, 1969.

SCHOPENHAUER, Arthur. El mundo como voluntad y representación. Traducción Pilar López de Santa María. Disponible en: http://juango.es/files/Arthur-Schopenhauer---El-mundo-como-voluntad-y-representacion.pdf

Publicado

29-12-2018

Como Citar

CAVALCANTE, E. E. B. A violência e o livre arbítrio no conto “A planície em chamas” de Juan Rulfo: a vontade de poder como pano de fundo na Revolução mexicana. Travessias, Cascavel, v. 12, n. 4, p. 163–177, 2018. Disponível em: https://saber.unioeste.br/index.php/travessias/article/view/20830. Acesso em: 25 jan. 2022.

Edição

Seção

LITERÁRIA