Gênero e violência de gênero no espaço escolar

Autores

Palavras-chave:

Análise de discurso, Gênero, História em quadrinhos, Violência de gênero

Resumo


O presente trabalho objetiva, à luz da Análise de Discurso, apresentar um projeto de pesquisa em andamento, detendo-se de modo especial em um de seus resultados, qual seja, a elaboração coletiva de uma história em quadrinhos sobre gênero e violência de gênero, cuja proposta é circular em diferentes espaços, sobretudo no espaço escolar. A fim de facilitar a exposição, o texto está estruturado da seguinte maneira: para iniciar, serão desenvolvidas reflexões teórico-analíticas acerca do recrudescimento do discurso conservador na formação social brasileira, sobretudo em relação a gênero, e como tais questões são disputadas nos saberes que (não) podem e (não) devem circular no espaço escolar. Em seguida, será empreendida uma discussão sobre gênero e como o Aparelho Ideológico Escolar atua para a reprodução das relações de produção, bem como perspectivas teóricas que defendem a necessidade da escola assumir o debate de temas como gênero e sexualidade. Um último momento será dedicado à apresentação e breve análise de uma história em quadrinhos, por meio de alguns recortes. Com temas relacionados a questões de gênero e violência de gênero em seus gestos mais sutis e cotidianos, a história em quadrinhos de certa forma a visibiliza e faz circular dizeres de sujeitos segregados socialmente.

Biografia do Autor

Fernanda Luzia Lunkes, Universidade Federal do Sul da Bahia

Doutora em Estudos de Linguagem (UFF), mestre em Letras (UEM) e graduada em Letras/Português (UNIOESTE). É autora do livro O sujeito e o corpo: construções heterogêneas no filme Clube da Luta (2010, Editora Annablume). Professora na Universidade Federal do Sul da Bahia - Campus Jorge Amado.

Referências

ALTHUSSER, L. [1970]. Ideologia e Aparelhos Ideológicos do Estado: Nota sobre os Aparelhos Ideológicos de Estado. 9. ed. Trad. Walter José Evangelista e Maria Laura viveiros de Castro. Introdução crítica J. A. Guilhon Albuquerque. Rio de Janeiro: Graal, 1985.

BEAUVOIR, S. O segundo sexo: a experiência vivida. 3. ed. Tradução de Sérgio Milliet. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 2016.

BELLO, M.; PUCHALSKI, H. Educação das relações de gênero e diversidade sexual no Paraná: a diversidade como princípio educativo. In: MAIA, J. S.; BIANCON, M. L. Educação das relações de gênero e em sexualidades: reflexões contemporâneas. Curitiba: Appris, 2014, p. 51-70.

BUTLER, J. Problemas de Gênero: feminismo e subversão da identidade. Rio de Janeiro: civilização Brasileira, 2017.

CAVALEIRO, M.C. A sexualidade é política: heterossexualidade compulsória e lesbofobia nas escolas. In: MAIA, J. S.; BIANCON, M. L. Educação das relações de gênero e em sexualidades: reflexões contemporâneas. Curitiba: Appris, 2014, p. 265-283.

LOURO, G. L. Gênero, sexualidade e educação: Uma perspectiva pós-estruturalista. Petrópolis: Vozes, 2014.

LUNKES, F.; SANTOS. S.C.P.; ONASSES, G. Gêneros e(m) silenciamento(s): a violência nossa de cada dia. Itabuna: UFSB, 2018. ISBN 978-85-54252-01-4.

MARIANI, B. O PCB e a imprensa: os comunistas no imaginário dos jornais (1922-1989). Rio de Janeiro: Revan; Campinas, SP: Editora da Unicamp, 1998.

ORLANDI, E. Cidade dos Sentidos. Campinas: Pontes, 2004.

ORLANDI, E. As formas do silêncio: no movimento dos sentidos. 5. ed.

Campinas, SP: Editora da Unicamp. 2002.

ORLANDI, E. Discurso e texto: formulação e circulação dos sentidos. Campinas, SP: Pontes, 2001.

ORLANDI, E. [1984]. Ousar pensar e ousar se revoltar. Ideologia, marxismo, luta de classes. Décalages, v. 1, n.4, p. 01-22, jun. 2015. Disponível em: https://scholar.oxy.edu/decalages/vol1/iss4/15/. Acesso em: 30 de set. 2018.

ORLANDI, E. [1975] Semântica e discurso: uma crítica à afirmação do óbvio. Campinas: Unicamp, 2009.

ORLANDI, E. [1983]. O discurso: estrutura ou acontecimento. Trad. Eni Orlandi. Campinas-SP: Pontes, 1990.

PENNA, F. O ódio aos professores. Disponível em: <https://www.unifal-mg.edu.br/pibid/files/file/sextoseminario/Escola_Sem_Partido/escola_sem_partido_parte_1.pdf>. Acesso em 15 out. 2018.

PFEIFFER, C. A leitura discursiva na escola. In: Leitura na perspectiva da Análise de discurso materialista. Disponível em: <https://www.youtube.com/watch?v=B19HPuJUKAM&index=2&list=LLFIQqKrA1tl37dRu6IcKWsA&t=0s>. Acesso em: 21 de out. 2018.

RIBEIRO, D. O que é lugar de fala? Belo Horizonte: Letramento; Justificando, 2017.

SOUZA, J. A elite do atraso: da escravidão à Lava Jato. Rio de Janeiro : Leya, 2017.

ZOPPI-FONTANA, M. G.; FERRARI, A. J. (orgs.). Mulheres em discurso: Gênero, linguagem e ideologia. Campinas: Pontes, 2017. Vol. 1.

Downloads

Publicado

11-12-2018

Como Citar

LUNKES, F. L. Gênero e violência de gênero no espaço escolar. Travessias, Cascavel, v. 12, n. 3, p. 45–59, 2018. Disponível em: https://saber.unioeste.br/index.php/travessias/article/view/20900. Acesso em: 22 maio. 2022.

Edição

Seção

DOSSIÊ TEMÁTICO: Gênero: revisitando teorias, movimentando análises