Representação feminina por marcas de cerveja: uma análise semiolinguística do vídeo Skol Reposter

Autores

Palavras-chave:

análise do discurso, representações sociais, gênero, publicidade de cerveja.

Resumo


Este trabalho tem por objetivo discutir a representação feminina difundida pela marca Skol em sua campanha de reposicionamento, por meio de uma análise discursiva ancorada nos preceitos da Teoria Semiolinguística de Patrick Charaudeau (2008, 2017) e na notável discussão de gênero realizada por Scott (1995). Como objeto de estudo, escolhemos o vídeo Skol Reposter, lançado pela empresa nas redes sociais no dia 8 de março de 2017. Assim, nossas análises evidenciaram que a maior preocupação da marca foi projetar a sua imagem e demonstrar a evolução de seu posicionamento quanto à figura feminina em vez de garantir a discussão sobre o lugar da mulher.

Biografia do Autor

Tábatha Silva Valentim, Universidade Federal de Viçosa

Bacharela em Comunicação Social / Jornalismo pela Universidade Federal de Viçosa.

Mariana Ramalho Procopio, Universidade Federal de Viçosa

Doutora e Mestre em Estudos Linguísticos pela FALE/UFMG. Professora do Programa de Pós-Graduação em Letras e do Departamento de Comunicação Social da Universidade Federal de Viçosa.

Anna Clara Arcanjo Fonseca, Universidade Federal de Viçosa

Bacharela em Secretariado Executivo Trilíngue pela Universidade Federal de Viçosa (Viçosa/MG), onde também é Mestranda em Letras, Estudos do Texto e do Discurso.

Referências

BORIS, G.; CESÍDIO, M. Mulher, corpo e subjetividade: uma análise desde o patriarcado à contemporaneidade. Revista Mal-estar e Subjetividade, Fortaleza, CE, vol. VII, nº 2, p. 451-478, set. 2007.

CHARAUDEAU, P. Uma teoria dos sujeitos da linguagem. In: MARI, H. MACHADO, I. L. MELLO, R. Análise do discurso: fundamentos e práticas. Belo Horizonte, MG, Nad-FALE-UFMG, p. 11-30, 2001.

CHARAUDEAU, P. Linguagem e Discurso. São Paulo: Contexto, 2008.

CHARAUDEAU, P. Imagem, mídia e política: construção, efeitos de sentido, dramatização, ética. In: Imagem e Discurso. MENDES, E. (Coord.); MACHADO, I. L.; LIMA, H.; LYSARDO-DIAS, D. (Orgs.). Belo Horizonte, MG, NETII – FALE/UFMG, 2013.

CHARAUDEAU, P. Os estereótipos, muito bem. Os imaginários, ainda melhor. Entrepalavras, Fortaleza, v. 7, p. 571-591, jan./jun. 2017. Disponível em: <http://www.entrepalavras.ufc.br/revista/index.php/Revista/article/viewFile/857/433>. Acesso em: 21 out. 2018.

GASTALDO, E. Publicidade e sociedade: uma perspectiva antropológica. Porto Alegre: Sulina, 2013.

HALL, S. Quem precisa de identidade? In: SILVA, T.T. (org.). Identidade e Diferença. A perspectiva dos Estudos Culturais. Rio de Janeiro: Vozes, 2009, p. 103-133.

KOTLER, P. Administração de marketing. 10ª. ed. São Paulo: Prentice Hall, 2000.

LYSARDO-DIAS, D. As contribuições de Patrick Charaudeau para o desenvolvimento da AD no Brasil. In: PAULA, L.; STAFUZZA, G. (Orgs). Da análise do discurso no Brasil à análise do discurso do Brasil: três épocas histórico-analíticas. Uberlândia: EDUFU, p. 161-180, 2010.

MAZETTI, H. Implicações teóricas da compreensão da publicidade como difusora de pedagogias do cotidiano. PEREZ, C; TRINDADE, E. In: Como anda a publicidade?: porque pesquisar faz bem. Salto, SP : ABP2 - Associação Brasileira de

Pesquisadores em Publicidade, 2011.

OLIVEIRA, H. H. F. A construção das relações de gênero na publicidade da cerveja Skol: uma análise sobre consumo, cultura e criatividade. 2014. 152 f. Mestrado em Comunicação – Universidade de Brasília. Brasília, DF, 2014.

REZENDE, G. S. Estratégias discursivas em publicidades brasileiras de cerveja. Mestrado em Linguística – Faculdade de Letras da Universidade Federal de Minas Gerais. Belo Horizonte, MG, 2006.

ROCHA, E. A mulher, o corpo e o silêncio: a identidade feminina nos anúncios publicitários. Revista ALCEU, v. 2, n. 3, p. 15-39, jul./dez. 2001. Disponível em: <http://revistaalceu.com.puc-rio.br/cgi/cgilua.exe/sys/start.htm?infoid=45&sid=14>. Acesso em: 21 out. 2018.

SAMARÃO, L. O espetáculo da publicidade: a representação do corpo feminino na mídia. Revista Contemporânea, n. 8, p. 45-57, 2007. Disponível em: <http://www.contemporanea.uerj.br/pdf/ed_08/04LILIANY.pdf >. Acesso em: 21 out. 2018.

SCOTT, J. Gênero: uma categoria útil de análise histórica. Educação e Realidade, Porto Alegre, v. 20, n. 2, jul./dez. 1995. Disponível em: <https://edisciplinas.usp.br/pluginfile.php/185058/mod_resource/content/2/G%C3%AAnero-Joan%20Scott.pdf >. Acesso em: 21 out. 2018.

TAYLOR, Charles. A ética da autenticidade. Trad. Talyta Carvalho. São Paulo: É Realizações, 2011.

WOODWARD, K. Identidade e diferença: uma introdução conceitual. In: SILVA, T.T. (org.). Identidade e Diferença. A perspectiva dos Estudos Culturais. Rio de Janeiro: Vozes, 2009, p.7-72.

Downloads

Publicado

29-12-2018

Como Citar

VALENTIM, T. S.; PROCOPIO, M. R.; FONSECA, A. C. A. Representação feminina por marcas de cerveja: uma análise semiolinguística do vídeo Skol Reposter. Travessias, Cascavel, v. 12, n. 4, p. 86–104, 2018. Disponível em: https://saber.unioeste.br/index.php/travessias/article/view/20938. Acesso em: 2 jul. 2022.

Edição

Seção

LINGUAGEM