Repensando a atribuição de papéis na divisão do trabalho doméstico a partir das conjugalidades LGBT

Autores

Palavras-chave:

Gênero, trabalho doméstico, papéis de gênero, LGBT

Resumo


A divisão do trabalho doméstico tem sido alvo de investigações com o intuito de verificar como acontecem as relações de gênero nas famílias. A bibliografia relativa ao tema se debruçou principalmente sobre uniões heterossexuais e demonstrou o quanto as relações assimétricas nesse modelo familiar ainda são atravessadas pelo gênero. Poucas pesquisas, no entanto, investigaram esse aspecto em uniões LGBT. Esse artigo tem o intuito de discutir os resultados de alguns trabalhos sobre uniões LGBT, de modo a trazer reflexões de como ocorre a divisão do trabalho doméstico nessas relações e quais os fatores que podem influenciar a atribuição de tarefas.

Biografia do Autor

Patrícia Porchat, Universidade Estadual Paulista “Júlio de Mesquita Filho” (UNESP), Bauru, São Paulo, Brasil.

Professora do curso de Psicologia da Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho (UNESP/Bauru) e do Programa de Pós-Graduação em Educação Sexual (Mestrado Profissionalizante) da UNESP/Araraquara.Pós-doutorado (em andamento) na Université Paris Diderot (Paris 7). Graduação em Psicologia pela Pontifícia Universidade Católica de São Paulo (1987), mestrado em Psicologia pelo Instituto de Psicologia da Universidade de São Paulo (2001) e doutorado em Psicologia Clínica também pelo IPUSP (2007). Tem experiência na área de Psicologia, com ênfase em Teoria Psicanalítica, em Epistemologia da Psicanálise e em Estudos de Gênero. Pesquisa os seguintes temas: gênero, sexualidade, transexualidade, identidades não-binárias e teste de realidade. Trabalha com as ideias de Freud, Lacan e de Judith Butler. É autora do livro Freud e o teste de realidade (2005), pela Casa do Psicólogo/Fapesp e do livro Psicanálise e Transexualismo:Desconstruindo Gêneros e Patologias com Judith Butler (2014), pela Editora Juruá.Co-organizadora do livro Psicanálise e Gênero: Narrativas feministas e queer no Brasil e na Argentina (2018), pela Editora Calligraphie.

Referências

ARIÉS, Philippe. História Social da Criança e da Família. 2 ed. Rio de Janeiro: LTC, 1981.

BUTLER, Judith. O parentesco é sempre tido como heterossexual?. Cadernos Pagu, Campinas, n. 21, p. 219-260, 2003.

BUTLER, Judith. Problemas de gênero: Feminismo e subversão da identidade. 14a ed. Rio de Janeiro, Civilização Brasileira, 2017.

BRUNS, Maria Alves de Toledo; AGRELI, Milene Soares. Um homem parceiro de uma mulher transexual: o sentido paradoxal atribuído à sua vivência. In: BRUNS, Maria Alves de Toledo; SANTOS, Claudiene; SOUZA- LEITE, Célia Regina Vieira de. Violência, gênero e mídia. Curitiba: CRV, 2015. p. 157- 179.

CARVALHO, Marco Aurélio de. Uniões Homoafetivas: Papéis de Gênero e Trabalho Doméstico. 2018. 38 f. Dissertação (Mestrado em Educação Sexual). Faculdade de Ciências e Letras, Universidade Estadual Paulista “Júlio de Mesquita Filho”, Araraquara.

D'AMORIM, Maria Alice. Estereótipos de gênero e atitudes acerca da sexualidade em estudos sobre jovens brasileiros. Temas em Psicologia, Ribeirão Preto, v. 5, n. 3, p. 121-134, dez. 1997.

JABLONSKI, Bernardo. A divisão de tarefas domésticas entre homens e mulheres no cotidiano do casamento. Psicologia: Ciência e Profissão, Brasília , v. 30, n. 2, p. 262-275, 2010.

LANE, Sílvia Tatiane Maurer. O Que é psicologia social?. 39a ed. São Paulo: Brasiliense, 1998.

LOMANDO, Eduardo; NARDI, Henrique Caetano. Conjugalidades múltiplas nas travestilidades e transexualidades: uma revisão a partir da abordagem sistêmica e da psicologia social. Saúde debate, Rio de Janeiro , v. 37, n. 98, p. 493-503, Set. 2013.

MELETTI, Alexandre Trevisani; SCORSOLINI-COMIN, Fabio. Conjugalidade e expectativas em relação à parentalidade em casais homossexuais. Psicologia: Teoria e Prática, São Paulo, v. 17, n. 1, p. 37-49, abr. 2015.

NICO, Magda; RODRIGUES, Elisabete. Organização do trabalho doméstico em casais do mesmo sexo. Sociologia, Problemas e Práticas, Oeiras, n. 65, p. 95-118, jan. 2011 .

PELUCIO, Larissa. Três casamentos e algumas reflexões: notas sobre conjugalidade envolvendo travestis que se prostituem. Revista Estudos Feministas, Florianópolis, v. 14, n. 2, p. 522-534, Set. 2006 .

PINHEIRO, Zuleika Câmara; LUDWIG, Márcia Pinheiro ; FIUZA, Ana Louise de Carvalho; LOPES, Maria de Fátima. Ser Dono de Casa é uma Questão de Gênero?. Sociais e Humanas, v. 25, p. 07-47, 2012.

PORCHAT, Patrícia. Psicanálise e transexualismo: desconstruindo gêneros e patologias com Judith Butler. Curitiba: Juruá, 2014.

REIS, José Roberto Tozoni. Família, emoção e ideologia. In: LANE, Sílvia Maurer Tatiana; CODO, Wanderley. Psicologia Social: o homem em movimento. 14a ed. São Paulo: Brasiliense, 2012. p. 99-124.

RODRIGUES, Vicente; BOECKEL, Mariana. Conjugalidade e homossexualidade: uma revisão sistemática de literatura. Nova Perspectiva Sistêmica, v. 25, p. 96-109, 2016.

SOUSA, Luana Passos de; GUEDES, Dyeggo Rocha. A desigual divisão sexual do trabalho: um olhar sobre a última década. Estudos Avançados, São Paulo, v. 30, n. 87, p. 123-139, Ago. 2016.

TOMBOLATO, Mário Augusto. Desvelando a Família Monoparental: um estudo sobre os relatos de casais homossexuais com filhos. 2014. 119 f. Dissertação (Mestrado em Psicologia do Desenvolvimento e Aprendizagem). Faculdade de Ciências, Universidade Estadual Paulista “Júlio de Mesquita Filho”, Bauru.

WELZER-LANG, Daniel. A construção do masculino: dominação das mulheres e homofobia. Revista Estudos Feministas, Florianópolis, v. 9, n. 2, p. 460-482, 2001 .

Downloads

Publicado

29-12-2018

Como Citar

CARVALHO, M. A. de; PORCHAT, P. Repensando a atribuição de papéis na divisão do trabalho doméstico a partir das conjugalidades LGBT. Travessias, Cascavel, v. 12, n. 4, p. 178–190, 2018. Disponível em: https://saber.unioeste.br/index.php/travessias/article/view/20976. Acesso em: 1 jul. 2022.

Edição

Seção

EDUCAÇÃO