Identidade sociais de gênero: mulheres nativas e não nativas em livros didáticos de inglês na visão de professores e professoras

Autores

Palavras-chave:

Mulheres, livro didático, inglês.

Resumo


este trabalho traz resultados sobre a visão de docentes com relação à representação de mulheres nativas e não-nativas no material didático utilizado por eles/as no curso que ministram aulas de Inglês. A pergunta respondida nesse artigo foi: como os/as professores/as entendem as intersecções entre identidade de gênero e falantes de Inglês no livro didático? Para isso, trazemos referenciais sobre Inglês como língua franca (JENKINS, 2014; GIMENEZ, 2015) e sobre identidade social de gênero interseccionada (SHIELDS, 2008; CRENSHAW, 1989) e identidade de gênero interseccionada com língua franca (ARAUJO, FERREIRA, 2018; CRENSHAW, 1994). A metodologia utilizada foi entrevista de grupo focal (GATTI, 2005; GONDIM, 2003) e análise de livro didático (FERREIRA, 2014; TÍLIO, 2010). Os resultados mostraram que as mulheres nativas aparecem mais vezes que as mulheres não nativas, as quais, por sua vez, aparecem menos vezes que os homens não nativos, indicando uma dupla falta de representação dessas mulheres, ou seja, no momento de intersecção da identidade não nativa dessa mulher, ela é mais uma vez, inferiorizada. Ainda foi possível constatar algumas pequenas diferenças entre as respostas dadas pelos professores e pela professora. Considerando as limitações dessa pesquisa, sugerimos outros trabalhos nesse sentido, a fim de contribuir com a área, pois pode-se considerar que ainda há lacunas de pesquisa dentro dessa temática, embora seja uma área de estudo em expansão.

Biografia do Autor

Jessica Martins de Araujo, UEPG

1- Mestranda em Estudos da Linguagem na UEPG- Universidade Estadual de Ponta Grossa. Licenciada em Letras Português e Inglês pela mesma instituição. Bolsista CAPES. 

 

Aparecida de Jesus Ferreira, UEPG

2- Professora Associada da UEPG- Universidade Estadual de Ponta Grossa, lotada no DEEL - Departamento de Estudos da Linguagem. Doutora pela Universidade de Londres – Inglaterra.

Referências

ARAUJO, Jessica Martins de; FERREIRA, Aparecida de Jesus. Identidades sociais de gênero em livros didáticos de língua inglesa sob um viés do Inglês como Língua Franca. BELT Brazilian English Language Teaching Journal. Porto Alegre, v. 9, n. 1. p. 74-90, Jan.-Jul., 2018.

AUAD, Daniela. Educação para a democracia e co-educação: apontamentos a partir da categoria gênero. REVISTA USP, São Paulo, n.56, p. 136-143, 2003.

BALADELI, Ana Paula Domingos. Questões de Identidade em sala de aula: que sentidos de brasilidade apresentam os Livros Didáticos? In: FERREIRA, Aparecida de Jesus. (org.). As políticas do Livro Didático e Identidades Sociais de Raça, Gênero, Sexualidade e Classe em Livros Didáticos. Campinas: Pontes Editores, 2014. p. 225-242.

BELL, hooks. Feminist Theory: from margin to center. South End Press, 1984.

BLOCK, David. Second Language Identities. London: Continuum, 2007.

BLOMMAERT, Jan; COLLINS, James; SLEMBROUCK, Stef. Spaces of multilingualism. Language and Communication, p. 197-216, 2005.

BORDINI, Marcella, GIMENEZ Telma. Estudos sobre Inglês como Língua Franca no Brasil (2005-2012): uma metassíntese qualitativa. Signum: Estud. Ling., Londrina, n. 17/1, p. 10-43, jun. 2014.

BRITO, Marisandra do Nascimento. Inglês para brasileiros: a presença da língua materna e da tradução no upgrade. 2013. Dissertação: Mestrado em Estudos da tradução: Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, 2013.

BUTLER, Judith. Gender Trouble: Feminism and the Subversion of Identity. New York, Routledge, 1990.

BUTLER, Judith. Bodies that matter. On the Discursive Limits of "Sex". New York: Routledge, 1993.

CANAGARAJAH, Suresh. Negotiating the local in English as a lingua franca. Annual Review of Applied Linguistics, USA, n. 26, p. 197–218, 2006.

CORSON, David. Language, minority education and gender. Linking social justice and power. Clevedon, Philadelphia, Adelaide: Multilingual Matters Ltd., 1993.

CRENSHAW, Kimberle. Demarginalizing the intersection of race and sex: A black feminist critique of antidiscrimination doctrine, feminist theory and antiracist politics. University of Chicago Legal Forum, p. 139-167, 1989.

CRENSHAW, Kimberle. Documento para o encontro de especialistas em aspectos da discriminação racial relativos ao gênero. Tradução de Liane Schneider. Revista Estudos Feministas, v. 10, n. 1, 2002, p.171-188.

CRENSHAW, Kimberle. Maping the margins: intersectionality, identity politics, and violence against women of color. In: FINEMAN, Martha; MYKITIUK, Roxanne. (eds.). The public nature of private violence. New York: Routledge, 1994, p. 93-118.

DÉA, Carolina Marques. Global English: Análise da representação do falante de Inglês como Língua Franca em um material didático. 2018, 124 f. Dissertação (Mestrado em Linguística e Língua Portuguesa). UNESP, Araraquara, 2018.

DEWEY, Martin. Pedagogic Criticality and English as a Lingua Franca. ATLANTIS. Journal of the Spanish Association of Anglo-American Studies. v. 3, n. 2, dez., p. 11-30, 2014.

FERNANDES, Renata Kelli Modesto. Inteligibilidade e inglês como língua internacional. Um estudo de caso da pronúncia de palavras em – ed produzidas por falantes brasileiros. 2009, 113 f. Dissertação (Mestrado em Estudos Ingleses e Americanos – LA). Universidade de Lisboa, 2009.

FERREIRA, Aparecida de Jesus. Identidades Sociais de Raça, Gênero, Sexualidade e Classe nos Livros Didáticos de Língua Estrangeira na Perspectiva da Linguística Aplicada. In: FERREIRA, Aparecida de Jesus. (org.). As políticas do Livro Didático e Identidades Sociais de Raça, Gênero, Sexualidade e Classe em Livros Didáticos. Campinas: Pontes Editores, 2014. p. 91-119.

GATTI, Bernadete Angelina. Grupo focal na pesquisa em Ciências Sociais e Humanas. Brasília: Liber Livro Editora, 2005.

GIMENEZ, Telma; EL KADRI, Michele Salles; CALVO, Luciana Cabrini Simões; SIQUEIRA, Domingos Sávio Pimentel; PORFÍRIO, Lucielen. Inglês como língua franca: desenvolvimentos recentes. Revista Brasileira de Linguística Aplicada, v. 15, n. 3, 2015.

GIMENEZ, Telma. Renomeando o Inglês e formando professores de uma língua global (Renaming english and educating teachers of a global language). Estudos Linguísticos e Literários, n. 52, p. 73-93, 2015.

GONDIM, Sônia Maria Guedes. Grupos Focais como técnica de investigação Qualitativa: Desafios metodológicos. Paideia. V. 12, n. 24, p. 149-161, 2003.

HIRATA, Helena. Gênero, classe e raça: Interseccionalidade e consubstancialidade das relações sociais. Tempo Social, revista de sociologia da USP, v. 26, n. 1, p. 61-73, 2014.

hoos, bell. Teaching to transgress. Routledge, 2014.

JENKINS, Jennifer. English as a lingua franca in the international university: The politics of academic English language policy. Oxford: Routledge, 2014.

JORDÃO, Clarissa Menezes. ILA – ILF – ILE – ILG: Quem dá conta? RBLA, Belo Horizonte, v. 14, n. 1, p. 13-40, 2014.

KACHRU, Braj B. Standards, codification and sociolinguistic realism: the English language in the outer circle. In: QUIRK, Randolph.;

WIDDOWSON, H. (Eds.). English in the world: teaching and learning the language and literatures. Cambridge: Cambridge University Press, 1985. p. 11-30.

KALVA, Julia. Margarida. Identidade nacional e língua franca: negociações no processo de ensino e aprendizagem de inglês. 2012. Dissertação (Mestrado em Linguagem, Identidade e Subjetividade) – Universidade Estadual de Ponta Grossa, Ponta Grossa, 2012.

KRUEGER, Richard A.; CASEY, Mary A. Focus group: a practical guide for applies research.3 ed. London: Sage Publications, 2000.

LOURO, Guacira Lopes. Gênero e sexualidade: pedagogias contemporâneas. Pro-Posições, v. 19, n. 2, p. 17-23, maio/ago. 2008.

LOURO, Guacira Lopes. Gênero, Sexualidade e educação. Uma perspectiva pós-estruturalista. 6ª edição. Petrópolis, RJ: Vozes, 2003.

MÄNNYNSALO, Anni. Gender in the EFL classroom: differences in the teacher’s reactions to boys’ and girls’ responses. 2008. Master’s thesis. University of Jyväskylä Department of Languages, 2008.

MELO, Glenda Cristina Valim. O Lugar de Raça na Sala de Aula de Inglês. Revista da ABPN, v. 7, n. 17, p. 65-81, 2015.

MEYER, Dagmar Estermann. Gênero e educação: teoria e política. In:

LOURO, Guacira Lopes; FELIPE, Jane; GOELLNER, Silvana Vilodre (org.). Corpo, gênero e sexualidade: um debate contemporâneo na educação. 4º edição, Petrópolis: Vozes, 2008, p. 9-27.

NORTON, Bonny; PAVLENKO, Aneta. Gender and English language learners: Challenges and possibilities. In: NORTON, Bonny; PAVLENKO, Aneta. (Orgs.). Gender and English language learners, 2004, p. 1-12.

NORTON, Bonny. Identity and language learning: Gender, ethnicity and educational change. Editorial Dunken, 2000.

ORLANDO, Andreia Fernanda. Gênero e diversidade na escola: multiletramentos em aulas de Língua Portuguesa. 2013. Dissertação. Mestrado em Letras: Universidade Estadual do Oeste do Paraná, Cascavel, 2013.

PALLU, Nelza Mara. Que inglês utilizamos e ensinamos? Reinterpretações de professores sobre o processo de ensino e aprendizagem do Inglês contemporâneo. 2013.Doutorado em Letras: Universidade Federal do Paraná, 2013.

PARENT, Mike; DeBLAERE, Cirleen; MORADI, Bonnie. Approaches to Research on Intersectionality: Perspectives on Gender, LGBT, and Racial/Ethnic Identities. Sex roles, v. 68, p. 639-645, 2013.

PEREIRA, Ariovaldo Lopes. Representações de Gênero em livros didáticos de língua estrangeira: Discursos gendrados e suas implicações para o ensino. In: PEREIRA, Ariovaldo Lopes.; GOTTHEIM, Liliana (Orgs.). Materiais didáticos para oensino de língua estrangeira: Processos de criação e contextos de uso. v.1.Campinas/SP: Mercado de Letras, 2013, p.113-146.

PEREIRA, Ariovaldo Lopes. Representações de Gênero em livros didáticos de língua estrangeira: reflexos em de sala de aula e relação com discursos gendrados que circulam na sociedade. Tese (Doutorado em Linguística Aplicada). Instituto de Estudos da Linguagem, universidade Estadual de Campinas, Campinas, 2007.

PESSOA, Rosane Rocha. O livro didático na perspectiva da formação de professores. Trabalhos em Linguística Aplicada, v. 48, n. 1, p. 53-69, 2009.

PISCITELLI, Adriana. Interseccionalidades, categorias de articulação e experiênciasde migrantes brasileiras. Sociedade e Cultura, v.11, n.2, jul/dez. 2008.

RAJAGOPALAN, Kanavilil. O “World English” – Um Fenômeno Muito Mal compreendido. In: GIMENEZ, Telma; CALVO, Luciana Cabrini Simões; EL KADRI, Michele Salles; (Orgs.). Inglês como Língua Franca: ensino-aprendizagem e formação de professores. Campinas, SP: Pontes, 2011, p. 45-58.

SALLES, Michele Ribeiro; GIMENEZ, Telma. Ensino de inglês como língua franca: uma reflexão. Belt Journal, Porto Alegre, n. 1, v.1, p. 26-33, Jan/Jul, 2010.

SEIDLHOFER, Barbara.Research perspectives on teaching English as a lingua franca. Annual Review of Applied Linguistic, 2004, nº 24, p. 209- 239. Cambridge University Press, 2004.

SHIELDS, Stephanie. Gender: An intersectionality perspective. Sex roles, v. 59, n. 5-6, p. 301-311, 2008.

SIQUEIRA, Domingos Savio Pimentel; ANJOS, Flávius Almeida dos. Ensino de inglês como língua franca na escola pública: por uma crença no seu (bom) funcionamento. Muitas Vozes, Ponta Grossa, v.1, n.1, p. 127-149, 2011.

TELLES, João. “É pesquisa, é? Ah, não quero, não, bem!” Sobre pesquisa acadêmica e sua relação com a prática do professor de línguas. Linguagem e Ensino, v. 5, n. 2, p. 91 - 116, 2002

TILIO, Rogério. A construção social de gênero e sexualidade em livros didáticos de inglês: que vozes circulam. In: FERREIRA, Aparecida de Jesus (org.). Identidades sociais de raça, etnia, gênero e sexualidade: práticas pedagógicas em sala de aula de línguas e formação de professores/as. Campinas: Pontes, 2012, p.121-144.

TILIO, Rogério. A representação do mundo no livro didático de inglês: uma abordagem sócio-discursiva. The ESPecialist, v. 31, n. 2, p. 167-192, 2010.

VAN DIJK, Teun. Discurso e poder. / Hoffnagel, J. & Falcone, K. (Orgs.) São Paulo: Contexto, 2010.

VARCARCEL, Mayra Soledad; RIVERA DE LA FUENTE, Vanessa Alejandra, Feminismo, identidad e Islam: encrucijadas, estrategias y desafíos en un mundo transnacional. Tabula Rasa [online.] n. 21, p. 139-164, 2014, Jul.-Dez.

Downloads

Publicado

29-12-2018

Como Citar

MARTINS DE ARAUJO, J.; DE JESUS FERREIRA, A. Identidade sociais de gênero: mulheres nativas e não nativas em livros didáticos de inglês na visão de professores e professoras. Travessias, Cascavel, v. 12, n. 4, p. 36–54, 2018. Disponível em: https://saber.unioeste.br/index.php/travessias/article/view/20981. Acesso em: 19 maio. 2022.

Edição

Seção

LINGUAGEM