Encruzilhadas e engrenagens: o destino de édipo em A máquina infernal, de Jean Cocteau

Autores

Palavras-chave:

A máquina infernal, Jean Cocteau, Édipo, Símbolos, Encruzilhadas.

Resumo


Em A máquina infernal, peça de teatro do francês Jean Cocteau, que faz uma releitura do mito de Édipo, percebe-se a recorrência de encruzilhadas simbólicas, aqui entendidas como pontos em que destinos convergem e poderiam ser alterados. Porém, na divina máquina de aniquilação construída pelos deuses, os humanos não passam de engrenagens e nada podem fazer para modificar o que já foi pré-determinado para a sua existência. O objetivo deste artigo é analisar como ocorre a consolidação do destino de Édipo em três encruzilhadas simbólicas, de modo que fique exposta a maneira como os deuses operam para o cumprimento da tragédia. O amparo bibliográfico é oriundo de autores como Aristóteles (1966), Jean Chevalier e Alain Gheerbrant (2017), Gerd Borheim (1992), Gilbert Durand (1995; 2002), Mircea Eliade (2002), Albin Lesky (1971) e Jean-Pierre Vernant e Pierre Vidal-Naquet (2005).

Biografia do Autor

Roberto Rossi Menegotto, Universidade de Caxias do Sul (UCS).

Bolsista PROSUC/CAPES do Programa de Doutorado em Letras - Associação Ampla UCS/UniRitter, na Universidade de Caxias do Sul. Mestre em Letras, Cultura e Regionalidade, pela Universidade de Caxias do Sul. Possui graduação em Comunicação Social - Publicidade e Propaganda e em Comunicação Social - Jornalismo, ambas pela Universidade de Caxias do Sul.

João Claudio Arendt, Universidade Federal do Mato Grosso do Sul (UFMS).

Possui Estágio Pós-doutoral no Instituto Latino-americano da Universidade Livre de Berlim (2011); Doutor em Lingüística e Letras (Teoria Literária) pela Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul (2000); Mestre em História pela Universidade do Vale do Rio dos Sinos (1996); Licenciado em Letras Português/Alemão pela Universidade do Vale do Rio dos Sinos (1993). É vice-coordenador do GT História da Literatura da ANPOLL. Foi docente e coordenador dos Programas de Mestrado em Letras e Cultura da Universidade de Caxias do Sul e do Doutorado em Letras - Associação Ampla UCS/Uniritter (2013-2017). Seus interesses de pesquisa recaem sobre leitura e recepção, história literária, identidade regional e regionalidade na literatura brasileira. Foi fundador e editor-chefe da Revista Eletrônica ANTARES: LETRAS E HUMANIDADES. É poeta e tradutor. ORCID: https://orcid.org/0000-0002-2587-2521

Referências

ARISTÓTELES. Poética. Porto Alegre: Globo, 1966.

BORNHEIM, Gerd A. O sentido e a máscara. São Paulo: Perspectiva, 1992.

BULFINCH, Thomas. O livro de ouro da mitologia: (a idade da fábula): histórias de deuses e heróis. Rio de Janeiro: Ediouro, 2002.

CHEVALIER, Jean; GHEERBRANT, Alain. Dicionário de símbolos: mitos, sonhos, costumes, gestos, formas, figuras, cores, números. Tradução de Vera da Costa e Silva et al. Rio de Janeiro: José Olympio, 2017.

COCTEAU, Jean. A máquina infernal. Petrópolis: Vozes, 1967.

DE LA VEGA, Jose Lasso. Los temas griegos en el teatro francés contemporáneo: Cocteau, Gide, Anouilh. Espanha: Universidad de Murcia, 1981.

DURAND, Gilbert. A imaginação simbólica. Lisboa: Edições 70, 1995.

DURAND, Gilbert. As estruturas antropológicas do imaginário. São Paulo: Martins Fontes, 2002.

ELIADE, Mircea. Mito e realidade. São Paulo: Perspectiva, 2002.

FERGUSSON, Francis. Evolução e sentido do teatro. Rio de Janeiro: Zahar, 1964.

FIALHO, Maria do Céu. Entre a Esfinge e o sonho: Édipo em La machine infernale de Jean Cocteau. Máthesis, Portugal, v. 2, 91-107, 1993.

KERÉNYI, Karl. Os heróis gregos. São Paulo: Cultrix, 1998.

LESKY, Albin. A tragédia grega. São Paulo: Perspectiva, 1971.

MELLO, Ana Maria Lisboa de. Mito e literatura. Ciências e letras. Porto Alegre, n. 42, p. 9-19, jul.-dez. 2007.

PAVIS, Patrice. Dicionário de teatro. São Paulo: Perspectiva, 1999.

VERNANT, Jean-Pierre; VIDAL-NAQUET, Pierre. Mito e tragédia na Grécia Antiga. São Paulo: Perspectiva, 2005.

Downloads

Publicado

06-09-2019

Como Citar

MENEGOTTO, R. R.; ARENDT, J. C. Encruzilhadas e engrenagens: o destino de édipo em A máquina infernal, de Jean Cocteau. Travessias, Cascavel, v. 13, n. 2, p. 3–21, 2019. Disponível em: https://saber.unioeste.br/index.php/travessias/article/view/21991. Acesso em: 24 jan. 2022.

Edição

Seção

DOSSIÊ TEMÁTICO: Mitologias Contemporâneas