A poesia popular e os signos religiosos: arte e criticidade na poesia popular de Patativa

Autores

DOI:

https://doi.org/10.48075/rt.v14i2.24747

Palavras-chave:

Patativa do Assaré, Cultura popular, Religiosidade.

Resumo


Antônio Gonçalves da Silva, o Patativa do Assaré, atuou como sujeito enunciador que se utilizou da cultura popular nordestina para a elaboração de uma obra cuja temática abarca todos os aspectos relacionados à formação da identidade sertaneja. Oriundas de uma cultura colonial, que incutiu o cristianismo como vertente primordial da formação moral, e também entregues ao esquecimento e ao desprezo institucional, a religiosidade serviu como norte e amparo às populações pobres da região Nordeste. Os signos religiosos, dessa forma, foram cruciais para a produção da poesia popular, cabe, então, perceber como essa temática, na poesia popular, contribuiu para a conscientização e construção de criticidade, uma vez que o público a quem essa produção se dirigia, sempre esteve privado de direitos sociais universais. 

Biografia do Autor

Poliana Bernabé Leonardeli, FACELI (Faculdade de Ensino Superior de Linhares).

Possui graduação em Letras - Inglês  (2003) e Mestrado em Estudos Literários pela Universidade Federal do Espírito Santo (2009). Atualmente é professor titular na Faculdade de Ensino Superior de Linhares (Faceli), atuando nos cursos de Pedagogia e Administração nas ementas de Literatura infantojuvenil, Fundamentos teóricos e metodológicos da Língua Portuguesa e Língua Portuguesa. Tem experiência na área de Letras, com ênfase em Língua Portuguesa

Referências

ANTONIL, P. Cultura e Opulência do Brasil por suas Drogas e Minas. São Paulo: Melhoramentos, 1976.

ASSARÉ, Patativa do. Antologia poética. 5 ed. Fortaleza: Demócrito Rocha, 2007.

BAKHTIN, Mikhail. A cultura Popular: Na Idade Média e no Renascimento. São Paulo: Martins Fontes, 1992.

BOSI, Alfredo. O ser e o tempo da poesia. São Paulo: Cultrix, 1977.

CANTEL, Raymond. A literatura popular no nordeste brasileiro. São Paulo: Atual, 1999.

CARIRY, Rosemberg. Patativa do Assaré, sua poesia, sua vida. In: Cultura insubmissa, Nação Cariri Editora, Fortaleza, 2001.

CARVALHO, Gilmar de. Poesia e liberdade: Canto de trabalho, 05 de março de 1999. Disponível em: http://www.noolhar.com.br/especial/patativa/artigos/111360.html. Acesso em: 05 jul. 2018.

CARVALHO, Gilmar de. O povo. 04 de março de 2002b. Disponível em: http://www.noolhar.com.br/especial/patativa/artigos/111810.html. Acesso em: 05 jul. 2018.

CASCUDO, Luís Câmara. Literatura oral no Brasil. São Paulo: Global, 2006.

CHARTIER, Roger. Cultura Popular: revisitando um conceito historiográfico. In: CHARTIER, Roger. Estudos Históricos. v. 08, n. 16. Rio de Janeiro, 1995.

COBRA, Cristiane Moreira. Patativa do Assaré, uma hermenêutica criativa: reinvenção da religiosidade na nação semi-árida. São Paulo: Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, 2006 (Dissertação de Mestrado em Ciências da Religião).

COMBLIN, José. Para uma tipologia do catolicismo no Brasil. In: Revista Eclesiástica Brasileira V 10, n. 5, 2005.

CURRAN J. Mark. A sátira e a crítica social na literatura de cordel. In: JÚNIOR, Manuel Diegues (org). Literatura popular em versos: estudos. 4 ed. São Paulo: Itatiaia Limitada, 1986.

FEITOSA, Luis Tadeu. Patativa do Assaré: A imortalidade de um canto. São Paulo: Escrituras Editora, 2002.

HOORNAERT, E. Formação do catolicismo brasileiro (1550-1800). Petrópolis: Vozes, 1977.

JURKEVICS, Vera Irene. Os santos da igreja e os santos do povo: devoções e manifestações de religiosidade popular. Universidade Federal do Paraná. Curitiba, 2004.

ZALUAR, A. M. A Máquina e a Revolta: as organizações populares e o significado da pobreza. São Paulo: Brasiliense, 1985.

Downloads

Publicado

31-08-2020

Como Citar

LEONARDELI, P. B. A poesia popular e os signos religiosos: arte e criticidade na poesia popular de Patativa. Travessias, Cascavel, v. 14, n. 2, p. 55–72, 2020. DOI: 10.48075/rt.v14i2.24747. Disponível em: https://saber.unioeste.br/index.php/travessias/article/view/24747. Acesso em: 23 maio. 2022.

Edição

Seção

DOSSIÊ TEMÁTICO: À margem: Resistências e Reexistências na Literatura Brasileira