Geovani Martins e a “Dialética da Marginalidade”: uma análise dos contos “Rolézim” e “Espiral”

Autores

DOI:

https://doi.org/10.48075/rt.v14i2.24750

Palavras-chave:

“Dialética da marginalidade”, violência, contos brasileiros, Geovani Martins.

Resumo


O presente estudo tem por objetivo a análise dos contos “Rolézim” e “Espiral”, de Geovani Martins, publicados em seu livro de estreia, O sol na cabeça (2018), à luz da teoria da “dialética da marginalidade” desenvolvida pelo crítico e professor universitário João Cézar de Castro Rocha. Em diálogo com o ensaio “Dialética da malandragem” (1970), de Antonio Candido, a “dialética da marginalidade” propõe a “substituição” da conciliação entre indivíduos de classes sociais diferentes como medida de evitação do conflito inerente ao ensaio de Candido em nome do confronto, o que resulta na exploração e exposição metódica da violência, que passa a permear as referidas relações ao invés de seu ocultamento. Os contos apresentados por Geovani Martins modulam, de diferentes formas, os dilemas da desigualdade social brasileira, atravessada pela violência urbana contemporânea, assumindo e confirmando, com voz própria e lugar enunciativo conflitante, os impasses de uma “guerra simbólica” travada entre uma interpretação apologética e outra crítica da cultura brasileira atual. Este artigo produz, em adição, uma breve reflexão sobre o espaço de fala das camadas excluídas, bem como a visibilidade (ou falta dela) que a crítica literária e universitária oferecem a estes produtores de cultura nos dias atuais, finalizando com uma discussão sobre o possível status da literatura marginal nos próximos anos.

Biografia do Autor

Lisiani Coelho, Universidade Federal de Pelotas (UFPEL)

Graduanda do Curso de Licenciatura em Letras Português e Inglês, Universidade Federal de Pelotas.

Alfeu Sparemberger, Universidade Federal de Pelotas

Professor do Centro de Letras e Comunicação - Universidade Federal de Pelotas.

Referências

ALMEIDA, Manuel Antônio de. Memórias de um sargento de milícias. Porto Alegre: L&PM Pocket, 2014 [1853].

CANDIDO, Antonio. Dialética da malandragem. IN: Revista do Instituto de Estudos Brasileiros (8), 67-89, 1970. Disponível em: https://doi.org/10.11606/issn.2316-901X.v0i8p67-89. Acesso em: 12 dez. 2019.

DaMATTA, Roberto. Carnavais, malandros e heróis: uma sociologia do dilema brasileiro. Rio de Janeiro: Zahar, 1983.

DaMATTA, Roberto. O que faz o brasil, Brasil? Rio de Janeiro: Rocco, 1999.

FREIRE, Marcelino. Contos negreiros. Rio de Janeiro: Record, 2015.

JESUS, Carolina Maria de. Quarto de despejo. São Paulo: Ática, 2018 [1960].

LISPECTOR, Clarice. A hora da estrela. Rio de Janeiro: Rocco, 2008 [1977].

MARTINS, Geovani. O sol na cabeça. São Paulo: Companhia das Letras, 2018.

NASCIMENTO, Érica Peçanha. “Literatura e periferia: Considerações a partir do contexto paulistano”. In: DALCASTAGNÈ, Regina; TENNINNA, Lucía (org.). Literatura e periferias. Porto Alegre: Zouk, 2019. p. 15-38.

RAMOS, Flávia Brocchetto, ARENDT, João Claudio. “No princípio fez-se a obra: o descomeço de Contos Gauchescos”. In: Caderno de Letras, Pelotas, v. 1, n. 9, p. 88-105, 2003.

RAMOS, Graciliano. Vidas Secas. Rio de Janeiro: Editora Record, 2019 [1938].

ROCHA, João César de Castro. “A guerra de relatos no Brasil contemporâneo. Ou: a ‘dialética da marginalidade’”. IN: Revista Letras, Santa Maria: Universidade Federal de Santa Maria, n. 32, jun., 2007. p. 23-70. Disponível em: https://periodicos.ufsm.br/letras/article/view/11909. Acesso em: 12 dez. 2019.

SCHWARZ, Roberto. “Pressupostos, salvo engano, de ‘Dialética da malandragem’”. In: SCHWARZ, Roberto. Que horas são? Ensaios. São Paulo: Companhia das Letras, 1987. p. 129-155.

TENNINNA, Lucía. “Saraus das periferias de Brasília: uma literatura fora do eixo”. In: DALCASTAGNÈ, Regina; TENNINNA, Lucía (org.). Literatura e periferias. Porto Alegre: Zouk, 2019. p. 81-113.

Downloads

Publicado

31-08-2020

Como Citar

COELHO, L.; SPAREMBERGER, A. Geovani Martins e a “Dialética da Marginalidade”: uma análise dos contos “Rolézim” e “Espiral”. Travessias, Cascavel, v. 14, n. 2, p. 90–104, 2020. DOI: 10.48075/rt.v14i2.24750. Disponível em: https://saber.unioeste.br/index.php/travessias/article/view/24750. Acesso em: 22 maio. 2022.

Edição

Seção

DOSSIÊ TEMÁTICO: À margem: Resistências e Reexistências na Literatura Brasileira