A tradição popular do cordel: entrevista com Guaipuan Vieira

Autores

DOI:

https://doi.org/10.48075/rt.v14i3.24830

Palavras-chave:

Guaipuan Vieira, Entrevista, Literatura de Cordel.

Resumo


Este texto apresenta uma entrevista com o cordelista Guaipuan Vieira, realizada via e-mail em 03 de maio de 2020. Vieira, que é poeta cordelista, xilógrafo e radialista, nasceu em Teresina-Piauí e desde 1976 se dedica à literatura de cordel. Esse autor tem publicado centenas de folhetos de cordéis, contando ainda com várias premiações e destaques na imprensa nacional e internacional. Esta entrevista tem por objetivo destacar pontos importantes da produção cordeliana de Vieira, nesta encontramos informações relevantes sobre sua vida, sua obra e seu engajamento cultural, além de apresentar uma breve discussão sobre o cordel como elemento da cultura nordestina, com suas características e seus valores, a qual Vieira inclui fortemente em muitos momentos de suas obras. Como aporte teórico recorremos às ideias de Ferreira (2014), de Teyssier (2003), de Amaral (1976) e de Maior (1981). A metodologia deu-se por meio de uma entrevista estruturada com perguntas previamente elaboradas, baseada nos encaminhamentos de Marconi e Lakatos (2007) e de Gil (2011). Como alguns resultados, apontamos que Vieira além de se inserir nos primórdios da cena do Cordel em Teresina-PI, faz parte do grupo de cordelistas brasileiros que mantém a tradição de abordar diferentes fatos do cotidiano ou fatos histórico-culturais em suas produções, como um norte para criar.

Biografia do Autor

Eliane Cristina Testa, Universidade Federal do Tocantins (UFT)

Doutora em Comunicação e Semiótica (PUC/SP), Mestre em Letras (UEL/PR), docente do Curso de Letras, do Programa de Pós-graduação em Letras: Ensino de Língua e Literatura (PPGL) e do Programa de Mestrado Profissional em Letras – PROFLetras (UFT/Câmpus de Araguaína).

Angelita Gomes Fontenele Rodrigues da Cunha, É professora de Língua Portuguesa do Município de Teresina (PI), efetivamente lotada na Escola Municipal Hermelinda de Castro, zona rural leste.

Mestranda no Programa de Mestrado Profissional em Letras – ProfLetras, da Universidade Federal do Tocantins – UFT/ Câmpus de Araguaína. É professora de Língua Portuguesa do Município de Teresina (PI), efetivamente lotada na Escola Municipal Hermelinda de Castro, zona rural leste.

Referências

AMARAL, Amadeu. Tradições Populares. São Paulo, HUCITEC, 1976.

CECORDEL. Centro Cultural dos Cordelistas do Nordeste. Disponível em: http://www.cecordel.com.br/biografia.html. Acesso em: 15 dez. 2020.

FERREIRA, Jerusa Pires. Matrizes impressos do oral: conto russo no sertão. Cotia, SP: Ateliê Editorial, 2014.

FUNCOR. Fundação Nordestina do Cordel. Disponível em: http://funcorpiaui.blogspot.com/. Acesso em: 15 dez. 2020.

GIL, Antonio Carlos. Métodos e técnicas de pesquisa social. 6.ed. São Paulo: Atlas, 2011.

MAIOR, Mário Souto. Painel Folclórico do Nordeste. Recife: UFPE; Editora Universitária, 1981.

MARCONI, Marina de Andrade.; LAKATOS, Eva Maria. Técnicas de pesquisa. São Paulo: Atlas, 2007.

TEYSSIER, Paul. Dicionário de literatura brasileira. São Paulo: Martins Fontes, 2003.

Downloads

Publicado

30-12-2020

Como Citar

TESTA, E. C.; CUNHA, A. G. F. R. da. A tradição popular do cordel: entrevista com Guaipuan Vieira. Travessias, Cascavel, v. 14, n. 3, p. 237–247, 2020. DOI: 10.48075/rt.v14i3.24830. Disponível em: https://saber.unioeste.br/index.php/travessias/article/view/24830. Acesso em: 25 jan. 2022.

Edição

Seção

ENTREVISTAS