Do peso à libertação: duas visões da violência sexual na literatura contemporânea escrita por mulheres

Autores

DOI:

https://doi.org/10.48075/rt.v14i3.24902

Palavras-chave:

Violência contra a mulher, Autoria feminina, Aline Bei, Stella Florence.

Resumo


A lógica binária construída socialmente, além de estereotipar os corpos femininos e masculinos, devendo este ser forte, viril e dominador; e aquele, fraco, submisso e frágil, faz com que, muitas vezes, a violência contra a mulher, abordada de forma simbólica ou física, seja tratada como pertencente à ordem das coisas. A inquietação para esta proposta surgiu após constatação de que o tema da violência contra a mulher, embora persistente a nível epidêmico na sociedade brasileira, não é um tema frequente no âmbito literário contemporâneo. Soma-se a isso o fato de que quando tal tema apareceu na literatura canônica, essencialmente masculina, não raras foram as vezes em que foi tratado de forma estereotipada e naturalizada. Diante disso, nosso objetivo é investigar de que modo o romance contemporâneo de autoria feminina tem articulado visibilidade nas conquistas das mulheres, tendo como foco principal a violência contra a mulher nos romances O peso do pássaro morto (2017), de Aline Bei e  Eu me possuo (2016), de Stella Florence. Para isso, será feita uma análise interpretativa e qualitativa da violência sexual nas obras citadas. Para isso, O aporte teórico para se pensar as violências contra a mulher foca-se, principalmente, nos estudos de Heleieth Saffioti (2015) e Carlos Magno Gomes (2014); sobre silenciamentos de Orlandi (1997) e Solnit (2017), além da violência simbólica de Pierre Bourdieu (2014). Conclui-se que a literatura contemporânea escrita por mulheres tem contribuído para a luta contra a violência conta a mulher.

Biografia do Autor

Gabriela Fonseca Tofanelo, Universidade Estadual de Maringá

Doutoranda em Estudos Literários pela Universidade Estadual de Maringá

Lúcia Osana Zolin, Universidade Estadual de Maringá (UEM)

Doutora em Letras,  professora e pesquisadora  da Universidade Estadual de Maringá

Referências

BADINTER, Elisabeth. Um amor conquistado: o mito do amor materno. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 1985

BEI, Aline. O peso do pássaro morto. São Paulo: Editora Nós, 2017

BRETON, David Le. Do silêncio. Trad. Luís M. Couceiro Feio. Lisboa: Instituto Piaget, 1997.

BOURDIEU, Pierre. A dominação masculina: a condição feminina e a violência simbólica. Rio de Janeiro: Bestbolso, 2014

FLORENCE, Stella. Eu me possuo. São Paulo: Panda Books, 2016

FONSECA, Cauê. Projeto Pode Gritar dá voz a vítimas de abuso, transformando desabafos em relatos literários. Gauchazh. Porto Alegre, 03 de maio de 2015. Disponível em: <https://gauchazh.clicrbs.com.br/donna/noticia/2016/05/projeto-pode-gritar-da-voz-a-vitimas-de-abuso-transformando-desabafos-em-relatos-literarios-cjpl6xs3h00bmwscnjdsg985m.html>. Acesso em: 16/02/2020

GOMES, Carlos Magno. Ensino de literatura e cultura: do resgate à violência doméstica. Jundiaí: Paco editorial, 2014

ORLANDI, Eni de Lourdes Puccinelli. As formas do silêncio: no movimento dos sentidos. 4ª edição. São Paulo: UNICAMP, 1997.N. 36 – 2018.2

SAFFIOTI, Heleieth. Gênero, patriarcado, violência.a São Paulo: Expressão popular: Fundação Perseu Abramo, 2015

SONTAG, Susan. A vontade radical: estilos. Trad. João Roberto Martins Filho. São Paulo: Companhia das Letras, 1987.

SOLNIT, Rebecca. A mãe de todas as perguntas: reflexões sobre os novos feminismos. São Paulo: Companhia das Letras, 2017

TOFALINI, Luzia Aparecida Berloffa; AMARAL, Lara Luzia Oliveira. À procura da palavra: silêncio. In.: Revista soletras SOLETRAS – Revista do Programa de Pós-Graduação em Letras e Linguística – PPLIN - Faculdade de Formação de Professores da UERJ Nº 36, p. 195 a 217 (jul./dez. 2018)

Downloads

Publicado

30-12-2020

Como Citar

TOFANELO, G. F.; ZOLIN, L. O. Do peso à libertação: duas visões da violência sexual na literatura contemporânea escrita por mulheres. Travessias, Cascavel, v. 14, n. 3, p. 64–76, 2020. DOI: 10.48075/rt.v14i3.24902. Disponível em: https://saber.unioeste.br/index.php/travessias/article/view/24902. Acesso em: 25 jan. 2022.

Edição

Seção

LITERÁRIA