Investigações acerca da validade da psicologia popular: uma abordagem intimista da mente

Autores

DOI:

https://doi.org/10.48075/rt.v14i3.25122

Palavras-chave:

Linguagem, Psicologia Popular, Eliminativismo, Internalismo.

Resumo


No presente trabalho, avaliaremos a validade do discurso ordinário que embasa a psicologia popular. Partindo das análises sobre a linguagem, tal qual pensa Francis Bacon, apresentaremos as idéias de Jerry Fodor, que com seu realismo intencional, procura naturalizar o discurso mentalista. Problematizando as análises de Fodor, avaliaremos, finalmente, a “razão de ser” da psicologia popular, à luz da proposta eliminativista de Paul M. Churchland.

Biografia do Autor

Daniel Luporini de Faria, Unicamp

Possui bacharelado em Filosofia e mestrado em Filosofia da Mente, Lógica e Epistemologia pela Universidade Estadual Paulista "Júlio de Mesquita Filho" (2006). Atualmente, dedica-se à pesquisa e trabalha como professor da rede estadual de ensino. Tem experiência na área de Filosofia, Psicologia e Ciências do Cérebro, com ênfase em Metafísica, Epistemologia, Fenomenologia, Filosofia da Mente e Ciências Cognitivas, atuando principalmente nos seguintes temas: Recovery em saúde mental, Relação Mente-Corpo; Reducionismo Psico-Neural; Emergentismo, Relato Fenomenológico e Estados Não-Usuais de Consciência.

Referências

BACON, Francis. Novum Organum. Tradução de José Aluysio Reis de Andrade. São Paulo: Abril Cultural, 1973.

CHURCHLAND, Paul. Matéria e consciência: uma introdução contemporânea à filosofia da mente. Tradução Maria Clara Cescato. São Paulo: Ed. UNESP, 2004.

FARIA, Daniel Luporini; RODRIGUES, Cae. Linguagem, natureza humana e cognição: Wittgenstein e o problema mente-corpo. Ciências & Cognição (UFRJ), v. 16, p. 49-57, 2011.

FARIA, Daniel Luporini. Os caminhos da subjetividade: corporificação do mental. Revista clareira, v. 3, p. 5-19, 2016.

FARIA, Daniel Luporini. O INTERNO E O EXTERNO EM FILOSOFIA DA MENTE: WITTGENSTEIN E O PROBLEMA DA EXPERIÊNCIA CONSCIENTE. CADERNOS DO PET FILOSOFIA (UFPI), v. 7, p. 42-50, 2017.

FODOR, Jerry. Psychosemantics: the problem of meaning in philosophy of mind. Cambridge, Mass: MIT Press, 1987.

HUME, David. Tratado da natureza humana. Danowski, D. Trad. São Paulo: Ed. UNESP, 2000.

HUXLEY, Aldous. As portas da percepção. Tradução de Osvaldo de Araújo Souza. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1973.

LAKATOS, Imre. Falsificação e metodologia dos programas de investigação científica. Tradução de Emília P. T. M. Mendes. Lisboa: Edições 70, 1999.

OLIVEIRA, Bruno. Francis Bacon e a fundamentação da ciência como tecnologia. Belo Horizonte: Editora UFMG/Humanitas, 2002.

POPPER, Karl Rudolf. Objective knowledge: an evolutionary approach. Oxford: Clarendon, 1979.

POPPER, Karl Rudolf.. Conjecturas e refutações. Tradução de Sérgio Bath. Brasília: Editora da universidade de Brasília (Coleção pensamento científico), 1972.

SEARLE, John. A redescoberta da mente. Tradução Eduardo Pereira e Ferreira. São Paulo: Martins Fontes, 1997.

Downloads

Publicado

30-12-2020

Como Citar

FARIA, D. L. de. Investigações acerca da validade da psicologia popular: uma abordagem intimista da mente. Travessias, Cascavel, v. 14, n. 3, p. 54–63, 2020. DOI: 10.48075/rt.v14i3.25122. Disponível em: https://saber.unioeste.br/index.php/travessias/article/view/25122. Acesso em: 25 jan. 2022.

Edição

Seção

LINGUAGEM