Vozes dos muros: uma análise literária da poesia de rua por meio do graffiti

Autores

DOI:

https://doi.org/10.48075/rt.v14i3.25443

Palavras-chave:

Literariedade, Poesia de rua, Graffiti.

Resumo


A poesia de rua encontra-se cada vez mais presente no meio urbano. Está nos muros, nos postes, nas árvores, porém, muitas vezes tais escritos são considerados produções marginais desprovidas de valor literário. Com o intuito de contrapor-se a essa concepção, a presente pesquisa propõe analisar os aspectos literários inclusos na poesia de rua por meio do graffiti, bem como visa despertar um novo olhar para os leitores explorando e demonstrando a beleza, criatividade e relevância artística/cultural da poesia seja ela em qual contexto esteja inserida. O trabalho procura explanar o caráter ideológico dos escritos de rua vistos como produções marginais realizadas no cenário atual, apresentando seus múltiplos sentidos envoltos pela face poética. Como fundamentação teórica para a análise dos poemas, buscamos os pressupostos do Formalismo Russo, já que seus estudos indicam estratégias de reconhecimento da literariedade do texto, evocando para essa percepção, por exemplo, o uso de figuras de linguagem. Por meio das análises demonstramos que os textos selecionados neste corpus, produzidos em grafitti e pichados em muros, contém literariedade, provocando reflexões e questionamentos no leitor. Para essa pesquisa também contamos com os estudos teóricos de Paz (2012), Lodi (2003), Compagnon (2014), Tezza (2003) e Samuel (2011). O material poético coletado para a realização da análise foi fotografado nos muros da Universidade Federal do Piauí-UFPI.

Biografia do Autor

Rosecleia Lima Barbosa, Universidade Estadual do Maranhão

Rosecleia Lima Barbosa, Graduada em Letras português – Literatura (UEMA), Especialista em docência do ensino superior (IESF). E-mail: senhoritaroselima@gmail.com

Natércia Moraes Garrido, Universidade Estadual do Maranhão, UEMA, Caxias; Instituto Federal do Maranhão, IFMA, Caxias, Maranhão, Brasil.

Graduação em Letras Português/ Inglês e Respectivas Literaturas pela Universidade Estadual do Maranhão - UEMA (2003). Especialização Latu Sensu em Ensino-Aprendizagem de Língua Portuguesa pela Faculdade Santa Fé (2006). Mestrado em Literatura e Crítica Literária pela PUC-SP (2016). Doutoranda em Literatura e Crítica Literária pela PUC-SP (2019-2023). Professora de Língua Inglesa e Língua Portuguesa do Instituto Federal do Maranhão Campus Caxias (MA); professora das disciplinas Morfossintaxe de Língua Latina, Filologia Românica, Lusofonia e Literaturas de Língua Portuguesa e Inglesa na Universidade Estadual do Maranhão - UEMA Campus Caxias (MA). É tradutora e revisora de textos de Língua Inglesa e Língua Portuguesa. Atua como intérprete Inglês / Português e Português/Inglês

Referências

BRITO, Jefferson Angelis de Godoy e. Do Ordinário ao extraordinário: arte e poesia marginal [manuscrito] – Dissertação (Mestrado) – Universidade Federal de Goiás, Faculdade de Letras. Goiânia – GO – 2013.

CAMPOS, Ricardo. Liberta o herói que há em ti: Risco, mérito e transcendência no universo graffiti. Tempo Social, revista de sociologia da USP, v. 25, n. 2. São Paulo, 2013. Disponível em: <http://www.scielo.br/pdf/ts/v25n2/a11v25n2.pdf>. Acesso em: 28 abr. 2018.

COMPAGNON, Antoine. O demônio da teoria: literatura e senso comum. tradução de Cleonice Paes Barreto Mourão, Consuelo Fortes Santiago. 2. ed. - Belo Horizonte: Editora UFMG, 2010.

GUERRA, Paula; JANUÁRIO, Susana. Um espelho é mais do que um espelho: as novas formas e linguagens da canção que protesta na contemporaneidade portuguesa. REVISTA NAVA. Programa de Pós-graduação em Artes, Cultura e Linguagens, da Universidade Federal de Juiz de Fora. v. 1, n.º 2. p. 202-239, 2016. Disponível em: https://repositorioaberto.up.pt/bitstream/10216/90925/2/176141.pdf. Acesso em: 06 out. 2020.

GUERRA, Paula. Nothing is forever: um ensaio sobre as artes urbanas de Miguel Januário±MaisMenos±. Horizontes Antropológicos. V.28, n.º 55. Porto Alegre Sept./Dec. 2019, pp. 19-49. Disponível em: https:/journals.openedition.org/horizontes/3668?lang=fr>. Acesso em: 06 out. 2020.

LODI, Maria Inês. A escrita das ruas e o poder público no projeto guernica de belo horizonte. Mestrado em Ciências Sociais - Gestão de Cidades, Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais Belo Horizonte - MG., 2003. Disponível em <http://server05.pucminas.br/teses/CiencSociais_LodiMI_1.pdf>. Acesso em: 27 abr 2018.

MOISÉS, Massaud. A análise literária. 9. Ed. São Paulo: Cultrix, 1991.

NOGUEIRA, Cristiana. A (im)permanência do traço: rastro, memória e contestação. PRACS: Revista Eletrônica de Humanidades do Curso de Ciências Sociais da UNIFAP, Nº 2. Dez. 2009. Disponível em: <https://periodicos.unifap.br/index.php/pracs/article/view/35/n2Cristiana.pdf>. Acesso em: 27 abr 2018.

OSTROWER, Fayga. Criatividade e processos de criação. - Petrópolis, Vozes, 1987.

PALLAMIN, Vera M. Arte Urbana; São Paulo : Região Central (1945 - 1998): obras de caráter temporário e permanente - São Paulo, Fapesp, 2000.

PAZ, Octavio. O arco e a lira. São Paulo: Cosac Naify, 2012.

PROENÇA FILHO, Domício. Estilos de época na literatura. 15. Ed. São Paulo: Ática, 2002.

ROCHA FURTADO, Janaina; Vieira Zanella, Andréa. Graffiti e cidade: sentidos da intervenção urbana e o processo de constituição dos sujeitos. Revista Mal-estar E Subjetividade, vol. IX, núm. 4, diciembre, 2009, pp. 1279-1302. Universidade de Fortaleza. Fortaleza, Brasil.

SAMUEL, Rogel. Novo manual de teoria literária. 6. ed. revista e ampliada. Petrópolis, RJ: Vozes, 2011.

TEZZA, Cristovão. Entre a prosa e a poesia: Bakhtin e o formalismo russo. Primeira edição: Editora Rocco, 2003. Disponível em: <https://moisesnascimentoblog.files.wordpress.com/2017/03/o-formalismo-russo.pdf>. Acesso em: 04 jun 2018.

Downloads

Publicado

30-12-2020

Como Citar

LIMA BARBOSA, R.; GARRIDO, N. M. Vozes dos muros: uma análise literária da poesia de rua por meio do graffiti. Travessias, Cascavel, v. 14, n. 3, p. 114–133, 2020. DOI: 10.48075/rt.v14i3.25443. Disponível em: https://saber.unioeste.br/index.php/travessias/article/view/25443. Acesso em: 25 jan. 2022.

Edição

Seção

LITERÁRIA