A transculturação e as subjetividades híbridas nas releituras de Robinson Crusoé

Autores

DOI:

https://doi.org/10.48075/rt.v14i3.25520

Palavras-chave:

Intermidialidade, Transculturação, Pós-Colonialismo, Robinson Crusoé.

Resumo


O presente trabalho procura realizar uma análise de releituras pós-coloniais do clássico Robinson Crusoé (1719), de Daniel Defoe. As obras, Sexta-feira ou os limbos do Pacífico (1967), romance de Michel Tournier e Crusoe (1988), filme de Caleb Deschanel, contemplam reflexão crítica a respeito da transculturação e seus efeitos no processo de transformação das identidades coloniais e serão estudadas por meio de análise comparativa interartes, com o objetivo de determinar e expor o modo como a arte ressignifica o passado à luz das concepções contemporâneas de forma a promover possíveis mudanças de perspectiva sobre as subjetividades envolvidas no processo colonial. Para sustentar nossas reflexões sobre cultura recorremos ao estudo de Homi K. Bhabha (2013), a respeito da transculturação, nos guiamos pela pesquisa de Fernando Ortiz (1983) e nos apoiamos no estudo de Nestor García Canclini (2013), para falar sobre hibridismo. Partimos do pressuposto de que a arte reflete o contexto no qual está inserida e, por isso, tanto pode reiterar o imaginário de seu tempo - e assim colaborar para a permanência do status quo – quanto subverter a realidade para dar-lhe novo sentido. Dessa forma, demonstraremos que a arte contemporânea, ao transcontextualizar enredo e personagens, cumpre seu papel de questionar e refletir sobre o discurso hegemônico presente na narrativa do século XVIII e, assim, colaborar com a tentativa de descolonização do pensamento.

Biografia do Autor

Carla Denize Moraes, Universidade Estadual do Oeste do Paraná

Aluna do Programa de Doutorado em Letras da Universidade Estadual do Oeste do Paraná. Orientador: Prof. Dr. Acir Dias da Silva.

Referências

BHABHA, Homi K. O local da cultura. Tradução de Myriam Ávila, Eliana Lourenço de Lima Reis, Gláucia Renate Gonçalves. 2 ed. Belo Horizonte: Editora UFMG, 2013.

CANCLINI, Nestor G. Culturas híbridas: estratégias para entrar e sair da modernidade. Tradução de Ana Regina Lessa e Heloísa Pezza Cintrão. 4 ed. São Paulo: Edusp, 2013.

CRUSOE. Direção: Caleb Deschanel. Produção: Andrew Braunsberg. Roteiro: Walon Green. Estados Unidos/Inglaterra: Island Pictures, 1988. 1 DVD (91 min.) son., color.

DEFOE, Daniel. As aventuras de Robinson Crusoé. Tradução de Albino Poli Jr. Porto Alegre: L&PM, 2010.

ORTIZ, Fernando. Contrapunteo cubano del tabaco y el azucar. Caracas: Fundacion Biblioteca Ayacucho, 1983.

TOURNIER, Michel. Sexta-feira ou os limbos do Pacífico. 2 ed. Tradução de Fernanda Botelho. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 1991.

Downloads

Publicado

30-12-2020

Como Citar

MORAES, C. D. A transculturação e as subjetividades híbridas nas releituras de Robinson Crusoé. Travessias, Cascavel, v. 14, n. 3, p. 190–204, 2020. DOI: 10.48075/rt.v14i3.25520. Disponível em: https://saber.unioeste.br/index.php/travessias/article/view/25520. Acesso em: 25 jan. 2022.

Edição

Seção

LITERÁRIA