A narrativa como resistência em Rubem Fonseca: uma leitura do conto “os pobres, os ricos, os pretos e a barriga”

Autores

DOI:

https://doi.org/10.48075/rt.v14i3.25524

Palavras-chave:

Periferia, espaço urbano, estética brutalista, literatura latino-americana.

Resumo


A partir do conto “Os pobres, os ricos, os pretos e a barriga”, inserido no livro Carne crua (2018), do escritor brasileiro Rubem Fonseca, o presente trabalho investiga as estratégias literárias do narrador e seus modos de enfretamento da realidade social passíveis de serem situados sob o signo da resistência. A discussão da problemática toma preceitos de teóricos como Sarmento-Pantoja (2014) e Bosi (2002) em relação ao conceito de resistência; Pellegrini (2001) e Jameson (1992; 1985) no que concerne à contextualização da pós-modernidade; e críticos literários como Lukács (2000) e Goldmann (1967). Além disso, utilizam-se noções históricas sobre o banditismo social de Hobsbawm (1976). Ambientada na América Latina, a escrita fonsequiana escancara realidades silenciadas − como a periferia brasileira. Por meio da estética brutalista, Rubem Fonseca utiliza do estilo cinematográfico ao construir frases entrecortadas e impactantes. A proposta deste estudo é buscar elementos temáticos e estéticos perceptíveis no interior da narrativa no que se referem à resistência do narrador. O conto, relatado em primeira pessoa, configura como narrador autodiegético um personagem que simboliza a marginalização da sociedade, a favelização da periferia e a violência diária do espaço urbano. O protagonista, ao subsistir diante das adversidades sociais, representa resistência política frente às forças opressoras de uma ideologia dominante.

Biografia do Autor

Paula Grinko Pezzini, Universidade Estadual do Oeste do Paraná - UNIOESTE

Graduada em Letras Português/Inglês pela Universidade Estadual do Oeste do Paraná (Unioeste).

Atualmente, aluna especial do programa de Mestrado em Letras (PPGL) da Universidade Estadual do Oeste do Paraná (Unioeste).

José Carlos da Costa, Universidade Estadual do Oeste do Paraná - UNIOESTE

É Doutor em Literatura e Cultura pela Universidade Federal da Bahia (2014). Mestre em Letras: linguagem e sociedade pela Universidade Estadual do Oeste do Paraná (2009). Especialista em Literatura Brasileira e Linguística pela Universidade Federal do Paraná (1987). Possui graduação em Letras pela Pontifícia Universidade Católica do Paraná (1980). É Docente do Curso de Letras Português/Inglês/Espanhol/Italiano da Universidade Estadual do Oeste do Paraná, desde 02/1987, atuando principalmente nos seguintes temas: literatura brasileira, cultura brasileira, discurso ficcional, crítica literária, literatura memória, literatura e história, ensino de literatura e formação docente. Membro do Grupo de Pesquisa Confluências da Ficção, História e Memória na Literatura; Linha de Pesquisa: Literatura, História e Memória.

Referências

BAUDRILLARD, Jean. A precessão dos simulacros. In: BAUDRILLARD, Jean. Simulacros e simulação. Tradução de Maria João da Costa Pereira. Lisboa: Relógio d’Água, 1991. p. 7-57.

BOSI, Alfredo. Narrativa e resistência. In: BOSI, Alfredo. Literatura e resistência. São Paulo: Companhia das Letras, 2002. p. 118-135.

BRASIL. Decreto-lei nº 1.077, de 26 de janeiro de 1970. Lex: artigo 153, § 8º, parte final, da Constituição da República Federativa do Brasil: edição federal, 1967. Disponível em: <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/decreto-lei/1965-1988/Del1077.htm>. Acesso em: 30 mar. 2020.

CANDIDO, Antonio. A personagem do romance. In: CANDIDO, Antonio; ROSENFELD, Anatol; DE ALMEIDA PRADO, Décio; GOMES, Paulo Emilio Salles. A personagem de ficção. São Paulo: Perspectiva, 2009. p. 51-75.

CORTÁZAR, Julio. Alguns aspectos do conto. In: CORTÁZAR, Julio. Valise de Cronópio. Tradução de Davi Arrigucci Jr. e João Alexandre Barbosa. 2. ed. São Paulo: Perspectiva, 1993. p. 147-163.

FONSECA, Rubem. Anotações de uma pequena história. Folha de S. Paulo, São Paulo, 27 mar., 1994. Disponível em: <https://www1.folha.uol.com.br/fsp/1994/3/27/caderno_especial/9.html>. Acesso em: 5 jun. 2020.

FONSECA, Rubem. Os pobres, os ricos, os pretos e a barriga. In: FONSECA, Rubem. Carne crua. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 2018. p. 121-123.

GALEANO, Eduardo. O livro dos abraços. Tradução de Eric Nepomuceno. Porto Alegre: L&PM, 1995.

GOLDMANN, Lucien. Sociologia do romance. Tradução de Álvaro Cabral. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1967.

HOBSBAWM, Eric. Bandidos. Tradução de Donaldson Magalhães Garschagen. 2. ed. Rio de Janeiro: Forense-Universitária, 1976.

JAMESON, Fredric. O inconsciente político: a narrativa como ato socialmente simbólico. Tradução de Valter Lelis Siqueira. São Paulo: Ática, 1992.

JAMESON, Fredric. Pós-modernidade e sociedade de consumo. Tradução de Vinicius Dantas. Novos estudos CEBRAP, v. 12, p. 16-26, 1985.

LUKÁCS, Georg. A teoria do romance: um ensaio histórico-filosófico sobre as formas da grande épica. 34. ed. Tradução, posfácio e notas de José Marcos Mariani de Macedo. São Paulo: Duas Cidades, 2000.

PELLEGRINI, Tânia. Ficção brasileira contemporânea: assimilação ou resistência? Novos Rumos, Marília, SP, ano 16, n. 35, p. 54-64, 2001. Disponível em: <http://www2.marilia.unesp.br/revistas/index.php/novosrumos/article/view/2221>. Acesso em: 27 ago. 2020.

SANTIAGO, Silviano. O entre-lugar do discurso latino-americano. In: SANTIAGO, Silviano. Uma literatura nos trópicos. 2. ed. Rio de Janeiro: Rocco, 2000. p. 9-27.

SARMENTO-PANTOJA, Augusto. Literatura e arte de resistência. In: SARMENTO-PANTOJA, Augusto; SARMENTO-PANTOJA, Tânia; UMBACH, Rosani (orgs.). Estudos de Literatura e Resistência. Pará: Pontes Editores, 2014. p. 11-31.

TEIXEIRA, Everton Luís Farias. No escuro coração do século XX: uma proposta dialética entre Eric Hobsbawm e Guimarães Rosa. 2017. Tese (Doutorado em Estudos Literários) – Curso de Pós-Graduação em Letras do Instituto de Letras e Comunicação, Universidade Federal do Pará, Belém, 2017.

Downloads

Publicado

30-12-2020

Como Citar

PEZZINI, P. G.; COSTA, J. C. da. A narrativa como resistência em Rubem Fonseca: uma leitura do conto “os pobres, os ricos, os pretos e a barriga”. Travessias, Cascavel, v. 14, n. 3, p. 205–222, 2020. DOI: 10.48075/rt.v14i3.25524. Disponível em: https://saber.unioeste.br/index.php/travessias/article/view/25524. Acesso em: 25 jan. 2022.

Edição

Seção

LITERÁRIA