A experiência de alheamento na coletânea Säure de Christoph Meckel

Autores

  • Dionei Mathias Professor do Departamento de Letras Estrangeiras Modernas e do Programa de Pós-Graduação em Letras da Universidade Federal de Santa Maria. https://orcid.org/0000-0001-8415-1460

DOI:

https://doi.org/10.48075/rt.v15i1.26448

Palavras-chave:

Christoph Meckel, Säure, alheamento.

Resumo


O poeta alemão Christoph Meckel nasceu em 1935 e faleceu em 2020, legando à literatura de expressão alemã uma obra em que sedimenta fenômenos importantes da configuração existencial ao longo do século XX e do início do século XXI. Nesse legado, encontra-se a coletânea Säure (‘Ácido’), em que reúne poemas que encenam a dissolução de configurações afetivas, anteriormente experimentadas como unidade orgânica. Assim, experiências que antes propiciavam sensações de pertencimento e continuidade passam a produzir rupturas e alheamento. Nesse sentido, este artigo tem como objetivo discutir três poemas dessa coletânea, tentando identificar de que modo o processo de alheamento se concretiza. A primeira parte do artigo recupera alguns vetores teóricos do conceito de alheamento (estruturação social, configuração afetiva, ruptura comunicacional) buscando compreendê-lo, sobretudo, como um fenômeno de dissolução da organicidade afetiva. Na sequência, a discussão dos três poemas revela diferentes formas de concretização desse alheamento, tendo em comum a ruptura do fluxo comunicacional e afetivo. Por meio da linguagem lírica, Christoph Meckel condensa imagens paradigmáticas da existência contemporânea. A análise procura se aproximar dessa linguagem poética por meio de leituras intensas (close reading).

Biografia do Autor

Dionei Mathias, Professor do Departamento de Letras Estrangeiras Modernas e do Programa de Pós-Graduação em Letras da Universidade Federal de Santa Maria.

Doutor em Letras. Professor do Departamento de Letras Estrangeiras Modernas e do Programa de Pós-Graduação em Letras da Universidade Federal de Santa Maria.

 

 

Referências

BLOCH, Ernst. "Entfremdung, Verfremdung": Alienation, Estrangement. The Drama Review: TDR, v. 15, n. 1, p. 120-125, 1970.

DORNBUSCH, Claudia. Conflito de gerações: O expressionismo e Christoph Meckel. Pandaemonium germanicum, n. 1, p.87-96, 1997.

GREIF, Hans-Jürgen. La théâtre du monde selon Christoph Meckel. Nuit blanche, v. 74, p. 17-19, 1999.

HORSTMEYER, Elvira. Christoph Meckel: Retrato falado. Um documento sobre os descaminhos da Alemanha. Revista Letras, v. 36, p. 192-201, 1987.

KORTE, Hermann. Geschichte der deutschen Lyrik. Band 6: Von 1945 bis heute. Stuttgart: Reclam, 2012.

MATHIAS, Dionei. Sobre o pertencimento na poesia de Joseph von Eichendorff. Texto Poético, v. 14, p. 171-187, 2018.

MATHIAS, Dionei. A fragilização do sentido em três poemas de Eduard Mörike. Revista de Letras (UNESP. Impresso), v. 59, p. 169-182, 2019.

MECKEL, Christoph. Säure. Gedichte. Frankfurt am Main: Fischer Taschenbuch Verlag, 1981.

SEGEBRECHT, Wulf. Vom Sterben der Bäume. Zu Christoph Meckels Gedicht Andere Erde. In: HINCK, Walter (ed.). Gedichte und Interpretationen. Band 6. Gegenwart. Stuttgart: Reclam, 1982, p. 341-359.

SZANTO, Thomas. Emotional Self-Alienation. Midwest Studies in Philosophy, v. XLI, p. 260-286, 2017.

Downloads

Publicado

27-04-2021

Como Citar

MATHIAS, D. A experiência de alheamento na coletânea Säure de Christoph Meckel. Travessias, Cascavel, v. 15, n. 1, p. 81–94, 2021. DOI: 10.48075/rt.v15i1.26448. Disponível em: https://saber.unioeste.br/index.php/travessias/article/view/26448. Acesso em: 22 maio. 2022.

Edição

Seção

LITERÁRIA