Teatro e intermidialidade: um estudo do espetáculo “Quando eu morrer vou contar tudo a Deus”

Autores

DOI:

https://doi.org/10.48075/rt.v15i2.27735

Palavras-chave:

Intermidialidade, Teatro Contemporâneo, Teatros do real.

Resumo


O Teatro ocidental nasce por meio da intermidialidade. Partindo das estruturas literárias para se desenvolver enquanto linguagem, por muitos séculos o teatro é entendido como enunciador do texto dramático. Ademais, em sua evolução, o teatro irá abraçar, desde cedo, outras linguagens artísticas. No entanto, todas essas possibilidades de entrelaçamentos serão articuladas intencionalmente e irão explodir nas experimentações do teatro contemporâneo, diminuindo os limites e criando problemáticas e novas conceituações sobre campos da arte até então inexplorados. Assim, analisaremos a proposta de construção do espetáculo ‘Quando eu morrer vou contar tudo a Deus’ (2019), do coletivo ‘O Bonde’, que costura o trabalho dos atores com música, contação de histórias, dança e propõe uma visualidade singular por meio de vários elementos cenográficos. Além disso, a dramaturgia do espetáculo é concebida a partir de notícias de jornal e histórias reais, que tencionam a relação entre o real e o ficcional, trazendo novos dimensionamentos ao espectador. Sendo assim, o espetáculo propõe uma narrativa híbrida, que se atualiza por meio da interação entre estas diversas mídias e suportes no diálogo com os espectadores no tempo efêmero da cena teatral. Nosso objetivo é, portanto, investigar questões acerca do espetáculo e respectivas subjetividades na delimitação de um viés intermidiático para a construção da cena. Para delimitação do escopo de análise são utilizadas como base teórica as conceituações de Patrice Pavis, Chiel Kattenbelt e Silvia Fernandes.

Referências

CANDIDO, Antonio. Literatura e Sociedade. 9. ed. Ouro sobre Azul: Rio de Janeiro, 2006.

FERNANDES, Silvia. Experiências do real no teatro. Sala Preta, v. 13, n. 2, p. 3-13, dez. 2013.

FERNANDES, Silvia. Teatralidade e performatividade na cena contemporânea. Repertório, Salvador, n. 16, p. 11-23, 2011.

KATTENBELT, Chiel. O teatro como arte do performer e palco da intermidialidade. In: DINIZ, Thais; VIEIRA, André. Intermidialidade e estudos interartes: desafios da arte contemporânea. Belo Horizonte: Rona Editora, 2012. p. 115-130.

PAVIS, Patrice. A análise dos espetáculos: teatro, mímica, dança, dança-teatro, cinema. São Paulo: Perspectiva, 2010.

PUPO, Maria Lúcia de Souza Barros. Fronteiras etárias no teatro: da demarcação à abertura. Revista USP, São Paulo, n. 44, p. 335-340, 2000. Disponível em: http://www.revistas.usp.br/revusp/article/view/30100. Acesso em: 22 jun. 2019.

Downloads

Publicado

31-08-2021

Como Citar

BALDO, L. C. Teatro e intermidialidade: um estudo do espetáculo “Quando eu morrer vou contar tudo a Deus”. Travessias, Cascavel, v. 15, n. 2, p. 84–92, 2021. DOI: 10.48075/rt.v15i2.27735. Disponível em: https://saber.unioeste.br/index.php/travessias/article/view/27735. Acesso em: 6 dez. 2021.

Edição

Seção

DOSSIÊ TEMÁTICO: LITERATURA, CINEMA E INTERMIDIALIDADE: TEXTOS, CONTEXTOS E IMAGENS