A cosmicidade da casa: seus mitos e imagens no filme Mãe!, de Darren Aronofsky

Autores

DOI:

https://doi.org/10.48075/rt.v15i2.27750

Palavras-chave:

Darren Aronofsky, Mãe!, mitos, casa.

Resumo


Este trabalho objetiva realizar uma leitura crítica do filme Mãe!, dirigido por Darren Aronofsky e lançado nos Estados Unidos no ano de 2017. De maneira específica, visa problematizar como a narrativa fílmica reencena uma série de mitos da literatura universal, que se desenrolam na versão cinematográfica considerando o simbolismo do território da casa, a qual é compreendida como um universo particular que se relaciona com uma significação cósmica, por meio da qual passa a representar o próprio mundo. No desenvolvimento das nossas reflexões, recorremos aos estudos no campo da mitologia, a partir da leitura de teóricos como Mircea Eliade (2007) e Philip Freund (2008), e a respeito do simbolismo do centro, através das pesquisas de Raissa Cavalcanti (2008) e Chevalier e Gheerbrant (2009), para destacar as relações dialógicas entre o enredo de Mãe! e determinados arquétipos literários. Particularmente, aprofundamos, ainda, a abordagem em torno das imagens da casa, realizando uma análise fenomenológica de seus lugares vitais com o auxílio teórico de Gaston Bachelard (2000), para demonstrar como no filme a arquitetura da morada se erige a partir de uma polaridade entre os espaços do alto e do subterrâneo. 

Biografia do Autor

Adriano Menino de Macêdo Júnior, UERN- Universidade do Estado do Rio Grande do Norte

Discente em Letras pela Universidade do Estado do Rio Grande do Norte. Pesquisador voluntário de Iniciação à pesquisa em projetos na área de Literatura coordenados pelo professor doutor Roniê Rodrigues da Silva.

Roniê Rodrigues da Silva, UERN - Universidade Estadual do Rio Grande do Norte

Possui Graduação em Letras pela Universidade Federal do Rio Grande do Norte (2000), Mestrado em Letras pela Universidade Federal do Rio Grande do Norte (2003) e Doutorado em Estudos da Linguagem, área de concentração em Literatura Comparada, pela Universidade Federal do Rio Grande do Norte (2010). Realizou Pós-Doutorado no Programa de Pós-Graduação em Literatura e Interculturalidade da Universidade Estadual da Paraíba, com bolsa do Programa Nacional de Pós-doutoramento (PNPD/Capes). É Professor Adjunto IV da Universidade do Estado do Rio Grande do Norte, atuando no Departamento de Letras Vernáculas e no Programa de Pós-graduação em Letras. Tem experiência na área de Letras, com ênfase em Literatura Brasileira e Literatura Comparada, atuando principalmente nos seguintes temas: Literatura e Identidade Nacional, Literatura e Alteridade e Literatura e Sociedade. É Docente Permanente do Programa de Pós-Graduação em Letras da Universidade do Estado do Rio Grande do Norte, credenciado no Mestrado e Doutorado em Letras, onde desenvolve pesquisas na área da Pós-Graduação.

Referências

BACHELARD G. A poética do Espaço. Editora Martins Fontes, São Paulo, 2000.

BÍBLIA de Jerusalém. Nova edição. Editora revista e ampliada. São Paulo: Paulus, 2002.

BÜHLER, R. D. A. Alegoria: antídoto na cena contemporânea da literatura brasileira. REVELL: Revista de Estudos Literários da UEMS, n. 1, p. 193-215, 2019.

CAVALCANTI, R. Os símbolos do Centro. Editora Perspectiva, São Paulo, 2008.

CHEVALIER, Jean; GHEERBRANT, A. (Trad.). Vera da Costa e Silva, v. 13, 1982. Dicionário de símbolos. 23a Edição. Rio de Janeiro: José Olympio, 2012.

ELIADE M. Mito do Eterno Retorno. 9ª edição, editora Mercuryo Ltda., São Paulo, 2007.

FREUND, P. Mitos da criação: as origens do universo nas religiões, na mitologia, na psicologia e na ciência. Editora Cultrix, São Paulo, 2008.

MÃE! Direção: Darren Aronofsky. Produção: Protozoa Pictures. EUA: Paramount Pictures, 2017. 1 DVD (2h 02min.).

NASSIF, L. Porões, Becos e Metrôs: a simbologia da caverna. O jornal de todos os Brasis. Disponível em: https://jornalggn.com.br/editoria/cultura/poroes-becos-e-metros-a-simbologia-da-caverna/. Acessado em: 20 de junho de 2021.

SILVA, J., FALCÃO, T. Distopia e Alegoria de Nosso Tempo: Explorando Jogos Vorazes. In: CONGRESSO BRASILEIRO DE CIÊNCIAS DA COMUNICAÇÃO, 42., 2019, Belém. Anais [...]. Belém: Intercom, 2019.

Downloads

Publicado

31-08-2021

Como Citar

DE MACÊDO JÚNIOR, A. M.; DA SILVA, R. R. A cosmicidade da casa: seus mitos e imagens no filme Mãe!, de Darren Aronofsky. Travessias, Cascavel, v. 15, n. 2, p. 113–126, 2021. DOI: 10.48075/rt.v15i2.27750. Disponível em: https://saber.unioeste.br/index.php/travessias/article/view/27750. Acesso em: 6 dez. 2021.

Edição

Seção

DOSSIÊ TEMÁTICO: LITERATURA, CINEMA E INTERMIDIALIDADE: TEXTOS, CONTEXTOS E IMAGENS