O processo de institucionalização e regulamentação de artes marciais orientais no Brasil

Pedro Gabriel Gil Parizotto, Allan Fernando Zardo da Silva, Carlos Herold Junior, Fernando Augusto Starepravo

Resumo


O presente trabalho tem como objetivo descrever o processo histórico da regulamentação das artes marciais orientais no Brasil e sua relação com a Educação Física. A estruturação no âmbito educativo define o ensino das lutas de forma abrangente buscando uma aproximação do tema com a Educação Física escolar, definindo diversas manifestações com o mesmo conceito. No âmbito legislativo brasileiro a questão não foi regulamentada, apenas alguns parâmetros foram estabelecidos. Concluímos que a institucionalização das artes marciais orientais no Brasil ainda não ocorreu de forma concreta, que a mesma se encontra em processo, e que o anseio por essa institucionalização se dá em busca da legitimação da prática marcial.

ABSTRACT. The process of institutionalization and regulation of oriental martial arts in Brazil. The present work aimed to describe the historical process of the regulation of oriental martial arts in Brazil and its relation with Physical Education. The foundation in the educational scope defines the teaching of the combats comprehensively seeking an approximation of the theme with the Physical Education in the scholar environment. The matter has not yet received, in the legislation ambit, a proper regulation, and in terms of regulation, only a few parameters had been draw. We conclude that the institutionalization of oriental martial arts in Brazil has not yet occurred in fact, remanding still, an ongoing process, the desire for this institutionalization occurs in the search for the legitimation of martial practice.


Palavras-chave


Educação Física; Artes Marciais; Políticas públicas.

Texto completo:

PDF

Referências


BRASIL. Decreto Lei Nº. 3.199, 14 abr. 1941. Estabelece as bases da organização dos desportos em todo o país. Rio de Janeiro: Senado, 1941. Disponível em: . Acessado em: 4 de agosto de 2016.

BRASIL. Decreto Nº. 71.135, 22 Set. 1972. Reconhece a Confederação Brasileira de Judô. Brasília: Portal Câmara dos Deputados, 1972. 1p.

BRASIL. Lei Nº. 3.689, 14 dez. 1959. Autoriza o Poder Executivo a abrir, pelo Ministério da Educação e Cultura, o crédito especial de Cr$ 3.000.000,00 para ocorrer a despesas feitas com a promoção do Campeonato Pan- Americano do Boxe e Mundial de Judô. Diário Oficial da União - Seção 1 - 15/12/1959, Página 26.097.

BRASIL. Lei Nº. 6.251, 8 de out.1975. Institui normas gerais sobre desportos, e dá outras providências. Brasília: Congresso nacional, 1975, 8 p.

BRASIL. Lei complementar Nº. 123, 14 de dez. 2006. Institui o Estatuto Nacional da Microempresa e da Empresa de Pequeno Porte; altera dispositivos das Leis nº 8.212 e 8.213, ambas de 24 de julho de 1991, da Consolidação das Leis do Trabalho - CLT, aprovada pelo Decreto-Lei nº 5.452, de 1º de maio de 1943, da Lei nº 10.189, de 14 de fevereiro de 2001, da Lei Complementar nº 63, de 11 de janeiro de 1990; e revoga as Leis nº 9.317, de 5 de dezembro de 1996, e 9.841, de 5 de outubro de 1999. Brasília: Câmara dos deputados, 2006.

BRASIL. Parâmetros Curriculares Nacionais: Educação Física/Secretaria de Educação Fundamental. Brasília: MEC / SEF, 1998. Disponível em: . Acessado em: 15 de julho de 2016.

BRASIL. Parecer do relator sobre o projeto de Lei Nº. 2.889, 2013. Disponível em: . Acessado em: 15 de julho de 2016.

CAPOEIRA, N. A “retórica do corpo” de Getúlio Vargas e seus reflexos na capoeira atual. Revista Camará Capoeira, São Paulo, v. 1, n. 5, p. 25-27, nov. 1999.

CBJ. História do Judô. 2016. Disponível em: . Acessado em: 2 de agosto de 2016.

CASSELA, V. Debatedores divergem sobre exigência de diploma para mestres em artes marciais 2016. Disponível em: . Acessado em: 02 de agosto de 2016.

CORREIA, W. R.; FRANCHINI, E. Produção acadêmica em lutas, artes marciais e esportes de combate. Motriz, Rio Claro, v. 16, n. 1, p. 1-9, 2010.

DRIGO, A. J. O judô: do modelo artesanal ao modelo científico: um estudo sobre as lutas, formação profissional e construção do Habitus. 2007. 213f. Tese (Doutorado em Educação Física) - Universidade Estadual de Campinas, Campinas, 2007.

GAINTY, D. Martial arts and the body politic in Meiji Japan. London/New York: Routledge, 2013.

GONÇALVES JUNIOR, L.; DRIGO, A. J. A já regulamentada profissão educação física e as artes marciais. Motriz, Rio Claro, v. 7, n. 2, p. 131-132, 2001.

JAEGER, W. W. Paidéia: a formação do homem grego. 3. ed. São Paulo: Martins Fontes, 1995.

MACHADO, M. C. G. Rui Barbosa. Fundação Joaquim Nabuco. Recife: Massangana, 2010.

MARQUES, E. Notas críticas à literatura sobre Estado, políticas estatais e atores políticos. Revista Brasileira de Informação Bibliográfica em Ciências Sociais, São Paulo, v. 43, n. 1, p. 67-102, 1997.

MARTINS, C. J.; KANASHIRO, C. Bujutsu, Budô, fight sport. Motriz, Rio Claro, v. 16, n. 3, p. 638-48, 2010.

NUNES, A. V. A influência da imigração japonesa no desenvolvimento do judô brasileiro: uma genealogia dos atletas brasileiros medalhistas em jogos olímpicos e campeonatos mundiais. 2011. 197f. Tese (Doutorado em Educação Física) - Universidade de São Paulo, São Paulo, 2011.

RUBIO, K. Do olimpo ao pós-olimpismo: elementos para uma reflexão sobre o esporte atual. Revista Paulista de Educação Física, São Paulo, v. 16, n. 2, p. 130-43, 2002.

TOKARSKI, S. Budo in transition – the challenge of combat sports in the third millennium. Archives of Budo, Warsaw, v. 2, p. 35-9, 2006. Disponível em: . Acessado em: 02 de maio de 2016.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Incluir comentário ';



Direitos autorais 2017 Direitor Autorais Partilhados



Caderno de Educação Física e Esporte

Universidade Estadual do Oeste do Paraná (UNIOESTE)

Campus de Marechal Cândido Rondon

Rua Pernambuco, 1777 | Centro

Marechal Cândido Rondon | Paraná | 85960-000

F: (45) 3284 7855

E-mail: revista.cefe@unioeste.br

Facebook: https://www.facebook.com/RevistaCEFE/