O árbitro de futebol e a importância dos aspectos psicológicos: olhares da psicologia do esporte

Gabriel Petrini Rodrigues Cruz, Afonso Antonio Machado, Ivan Wallan Tertuliano, Vivian de Oliveira

Resumo


Designados para impor e fazer valer as regras do jogo durante uma partida, os árbitros sofrem uma pressão vinda de todos os lados, pois diferente dos jogadores, um único erro pode lhe custar caro. Diante disso, o presente estudo objetiva organizar conteúdos acerca das habilidades psicológicas necessárias para o bom desempenho do árbitro de Futebol, propondo estratégias de melhoria das habilidades psicológicas junto aos árbitros de Futebol. Assim, este estudo é caracterizado como um estudo bibliográfico de caráter descritivo-propositivo. Na organização de conteúdos, observou-se que a preparação psicológica deve fazer parte da preparação do mesmo, assim como a preparação física, ou seja, o árbitro deve estar bem fisicamente e psicologicamente, apresentando qualidades psicológicas que lhe ajudem a enfrentar toda a demanda psicológica negativa que uma partida de Futebol possa causar. Além disso, a preparação física contribuirá com o bom desempenho do árbitro, pois o mesmo poderá se posicionar adequadamente para observar o lance, diminuindo a dúvida sobre o ocorrido e, consequentemente, diminuindo a carga psicológica na tomada de decisão. Assim, conclui-se que as habilidades psicológicas, se trabalhadas de forma adequada, só favorecem o trabalho do árbitro de Futebol, levando-o ao sucesso.


Palavras-chave


Futebol. Psicologia do Esporte. Emoções. Arbitragem.

Texto completo:

PDF

Referências


AL-HALIQ, M.; ALTAHAYNEH, Z. L.; OUDAT, M. Level of burnout amoung sports referees in Jordan. Journal of Physical Education and Sport, Pitesti, v. 14, n. 1, p. 47–51, 2014. .

ALMEIDA, K. Nosso futebol: o heroísmo, a glória e os ladrões. São Paulo: Arte e Texto, 1974.

BOCK, A. M. B.; FURTADO, O.; TEIXEIRA, M. L. T. Psicologias: uma introdução ao estudo de psicologia. São Paulo: Saraiva, 2008.

BOSCHILIA, B.; VLASTUIN, J.; MARCHI, J. R. W. Implicações da espetacularização do esporte na atuação dos árbitros de futebol. Revista Brasileira de Ciências do Esporte, Brasília, v. 30, n. 1, p. 57-73, 2008.

BRANDÃO, M. R. F.; CASAL, H. V. A psicologia do esporte. Santa Cruz do Sul: Cinergis, 2003.

BRANDÃO, M. R. F.; SERPA, S.; WEINBERG, R. Psychometric properties of the burnout inventory for referees. Motriz, Rio Claro, v. 20, n. 4, p. 374-83, 2014.

BRANDÃO, R.; SERPA, S.; KREBS, R.; ARAÚJO, D.; MACHADO, A. A. El significado de arbitrar: percepción de jueces de fútbol profesional. Revista de Psicologia del Deporte, Barcelona, v. 20, n. 2, p. 275-86, 2011.

BRANDEN, B. Auto-estima e os seus seis pilares. 5.ed. São Paulo: Saraiva, 2000.

COLLINA, P. As minhas regras do jogo: o que o futebol me ensinou sobre a vida. Barcarena: Editorial Presença, 2004.

COSTA, V. T.; FERREIRA, R. M.; PENNA, E. M.; COSTA, I. T.; NOCE, F.; SIMIM, M. A. M. Análise estresse psíquico em árbitros de futebol. Revista Brasileira de Psicologia do Esporte, São Paulo, v. 3, n. 2, p. 2-16, 2010.

CRUZ, F. J. Asesoramiento psicológico en el arbitraje. In: CRUZ, F. J. (Ed.). Psicología del Deporte. 2.ed. Madrid: Editora Síntesis, 1997. p. 245-69.

DE ROSE JUNIOR, D.; PEREIRA, F. P.; LEMOS, R. F. Situações específicas de jogo causadores de “stress” em jogos oficiais de basquetebol. Revista Paulista de Educação Física, São Paulo, v. 16, n. 2, p. 160- 73, 2002.

FERREIRA, R. D.; BRANDÃO, M. R. F. Árbitro brasileiro de futebol profissional: percepção do significado do arbitrar. Revista da Educação Física/UEM, Maringá, v. 23, n. 2, p. 229-38, 2012.

FRIMAN, M.; NYBERG, C.; NORLANDER, T. Threats and aggression directed at soccer referees: An empirical phenomenological psychological study. The Qualitative Report, Fort Lauderdale, v. 9, p. 652-72, 2004.

GLEITMAN, H.; REISBERG, D.; GROSS, J. Psicologia. 7.ed. Porto Alegre: Artmed, 2009.

GONZÁLEZ-OYA, J.; DOSIL, J. Características psicológicas de árbitros de fútbol. Cuadernos de Psicología del Deporte, Murcia, v. 4, n. 1-2, p. 53-6, 2004.

GONZÁLEZ-OYA, J.; DOSIL, J. La psicología del árbitro de fútbol. La Coruña: Toxosoutos, 2007.

HELSEN, W.; BULTYNCK, J. B. Physical and perceptual-cognitive demands of top-class refereeing in association football. Journal of Sports Sciences, London, v. 22, p. 179-89, 2004.

JESUS, R. J.; MIRANDA, B. L. G.; SILVA, D. M. B.; CALDAS, E. S.; PESTANA, E. R.; ARAÚJO, M. L. Estudos sobre a visão dos árbitros em relação as suas atuações na categoria infantil, da modalidade futsal nos jogos escolares maranhenses, 2014. Revista Brasileira de Futsal e Futebol, São Paulo, v. 9, n. 35, p. 422-8, 2017.

KARADEMIR, T. The factors that influence the burn-out condition of city football referees. Journal of Physical Education and Sports Management, Nova Iorque, v. 3, n. 2, p. 27-34, 2012.

KORTE, G. Treino mental: arbitragem no futebol. São Paulo: Annapurna, 2012.

LANE, A. M.; NEVILL, A. M.; AHMAD, N. S.; BALMER, N. Soccer referee decision-making: shall I blow the whistle? Journal of Sports Science and Medicine, Bursa, v. 5, p. 243-53, 2006.

LAVOURA, T. N.; MACHADO, A. A. Investigação do medo no contexto esportivo: necessidades do treinamento psicológico. Revista Brasileira de Psicologia do Esporte, São Paulo, v. 2, n. 1, p. 1-28, 2008.

MACHADO, A. A. Psicologia do esporte: temas emergentes. Jundaí: Ápice, 1997.

MACHADO, A. A. Psicologia do esporte: da educação física escolar ao esporte de alto nível. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 2006.

MACHADO, A. A.; GOMES, R. Psicologia do esporte: da escola à competição. Várzea Paulista: Fontoura, 2011.

MARTINS, P. S.; PAGANELLA, M. A. Futebol e seus fundamentos. São Paulo: Ícone, 2013.

MONTIEL, A. A arbitragem e o futebol profissional. Lisboa: Horizonte, 1998.

NASCIMENTO JUNIOR, J. R. A.; BALBIM, G. M.; VISSOCI, J. R. N.; MOREIRA, C. R.; PASSOS, P. C. B.; VIEIRA, L. F. Análise das relações entre ansiedade estado e coesão de atletas de handebol. Revista Psicologia: Teoria e Prática, São Paulo, v. 18, n. 2, p. 89-102, 2016.

NOGUEIRA, F. C. A.; BARA FILHO, M. G.; LOURENÇO, L. M. Ansiedade competitiva e atletas de rendimento: uma revisão sistemática. In: II Congresso Internacional da Associação Latino-Americana de Ciências do Esporte, Juiz de Fora. Anais... Juiz de Fora: NGIME/UFJF, 2015.

NUNES, R.; SHIGUNOV, V. Auto-estima do árbitro de futebol profissional do estado de Santa Catarina. Revista da Educação Física/UEM, Maringá, v. 13, n. 2, p. 71-80, 2002.

OLIVEIRA, M. C.; SILVA, A. I.; AGRESTA, M. C.; BARROS NETO, T. L.; BRANDÃO, M. F. Nível de concentração e precisão de árbitros de futebol ao longo de uma partida. Motricidade, Covilhã, v. 9, n. 2, p. 13-22, 2013.

PEDROSA, I.; GARCÍA-CUETO, E. Aspectos psicológicos en árbitros de élite: ¿afecta el salario a su bienestar emocional? Revista de Psicologia del Deporte, Barcelona, v. 24, n. 2, p. 241-8, 2015.

PEDROSA, I.; GARCÍA-CUETO, E. Síndrome de Burnout en árbitros de élite: la liga de fútbol profesional española (LFP) a estudio. Revista Iberoamericana de Diagnóstico y Evaluación Psicológica, Lisboa, v. 2, n. 42, p. 95-109, 2016.

PEREIRA, N. F.; SANTOS, R. G. M.; CILLO, E. N. P. Arbitragem no futebol de campo: estresse como produto de controle coercitivo. Revista Brasileira de Psicologia do Esporte, São Paulo, v. 1, n. 1, p. 2-10, 2007.

RABELO JÚNIOR, A. A. Análise das habilidades psicológicas dos árbitros da federação mineira de futebol. 2010. 40f. Monografia (Graduação em Educação Física) - Escola de Educação Física, Fisioterapia e Terapia Ocupacional, Universidade Federal de Minas Gerais, Belo Horizonte, 2010.

RECH, C. R.; DARONCO, A.; PAIM, M. C. C. Tipo de temperamento dos árbitros. Lecturas: Educación Física y Deportes, Revista Digital, Buenos Aires, v. 8, n. 48, 2002. Disponível em: . Acessado em: 04 de outubro de 2017.

REILLY, T. Science and soccer. London: E&F.N. Spon, 1996.

REIS, V. Por que os árbitros erram tanto? Mas será os árbitros que erram? APAF (Associação Portuguesa de Árbitros de Futebol). Lisboa, 2004. Disponível em: . Acessado em: 18 de agoto de 2016.

ROLIM, R. M. O escolher “ser” árbitro de futebol e a motivação para prática sob o olhar da psicologia do esporte: investigação centrada na tecnologia do GoogleTMDocs. 2014. 56f. Dissertação (Mestrado em Desenvolvimento Humano e Tecnologias) - Instituto de Biociências, Universidade Estadual Paulista, Rio Claro, 2014.

SALAZAR, M. C. R.; ROJAS, W. S.; PAZ, F. A. Juicio arbitral y desempeño cognoscitivo asociados con deshidratación en árbitros de fútbol. Revista Iberoamericana de Psicología del Ejercicio y el Deporte, Las Palmas de Gran Canaria, v. 4, n. 1, p. 29-44, 2009.

SAMULSKI, D. M. Psicologia do esporte. Barueri: Manole, 2002.

SAMULSKI, D. M.; NOCE, F.; COSTA, E. G. Análise do estresse psicológico do árbitro: um estudo comparativo entre futebol e voleibol. Revista da Associação dos Professoras de Educação Física de Londrina, Londrina, v. 14, n. 1, p. 13-28, 1999.

SAMULSKI, D. M.; SILVA, S. A. Psicologia aplicada à arbitragem. In: SAMULSKI, D. M. (Org.). Psicologia do esporte: conceitos e novas perspectivas. Barueri: Manole, 2009. p. 461-86.

SARMENTO, H. M.; MARQUES, A.; PEREIRA, A. Representações, estímulos e constrangimentos do árbitro de futebol de 11. Motriz, Rio Claro, v. 11, n. 4, p. 15-25, 2015.

SCHMIDT, R. A.; LEE, T. D.; SCHIMIDT, R. A.; LEE, T. D.; SCHMIDT, R. A.; LEE, T. D.; SCHIMIDT, R. A.; LEE, T. D. Aprendizagem e performance motora: dos princípios à aplicação. 5.ed. Porto Alegre: ArtMed, 2016.

SEVERINO, A. J. Metodologia do trabalho científico. 23.ed. São Paulo: Cortez, 2007.

SILVA, A. H.; COSTA, V. T.; FERREIRA, R. M.; MORAES, L. C. C. A.; SAMULSKI, D. M. Análise do estresse psíquico em árbitros de voleibol e basquetebol federados de Minas Gerais. Coleção Pesquisa em Educação Física, Várzea Paulista, v. 9, n. 2, p. 53-8, 2010.

SILVA, A. I.; FERNANDES, L. C.; FERNANDEZ, R. Time motion analysis of football (soccer) referees during official matches in relation to the type of fluid consumed. Brazilian Journal of Medical and Biological Research, Ribeirão Preto, v. 44, n. 8, p. 801-9, 2011.

SILVA, A. I.; RODRIGUEZ-AÑEZ, C. R.; FRÓMETA, E. R. O árbitro de futebol: uma abordagem histórico-crítica. Revista da Educação Física/UEM, Maringá, v. 13, n. 1, p. 39–45, 2002.

SILVA, A. S. Construção e validação de um instrumento para medir o nível de estresse dos árbitros dos jogos esportivos coletivos. 2004. Dissertação (Mestrado em Educação Física) - Educação Física, Fisioterapia e Terapia Ocupacional, Universidade Federal de Minas Gerais, Belo Horizonte, 2004.

SLACK, L. A.; MAYNARD, I. W.; BUTT, J.; OLUSOGA, P. Factors underpinning football officiating excellence: perceptions of english premier league referees. Journal of Applied Sport Psychology, Cardiff, v. 25, n. 3, p. 298-315, 2013.

SOUSA, M. A. M. Um olhar para os árbitros de futebol. Revista Brasileira de Psicologia do Esporte, São Paulo, v. 6, n. 1, p. 121-32, 2016.

VALLERAND, R. J.; ROUSSEAU, F. L.; GROUZET, F. M.; DUMAIS, A.; GRENIER, S.; BLANCHARD, C. M. Passion in sport: A look at determinants and affective experiences. Journal of Sport and Exercise Psychology, Birmingham, v. 28, n. 4, p. 454-78, 2006.

VOLI, F. A autoestima do professor. Madrid: Editorial y Distribuidora, 1998.

WEINBERG, R. S.; GOULD, D. Fundamentos da psicologia do esporte e do exercício. 6.ed. Porto Alegre: ArtMed, 2017.

WEINBERG, R. S.; RICHARDSON, P. Psychology of officiating. Champaign: Leisure Press, 1990.

ZOLLER, S. Learning how to live with stress. Referee Magazine, Racine, v. 10, n. 5, p. 51, 1985.




DOI: https://doi.org/10.36453/2318-5104.2018.v16.n1.p269

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Incluir comentário ';



Direitos autorais 2018 Direitor Autorais Partilhados

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - Não comercial - Compartilhar igual 4.0 Internacional.

Caderno de Educação Física e Esporte

Universidade Estadual do Oeste do Paraná (UNIOESTE)

Campus de Marechal Cândido Rondon

Rua Pernambuco, 1777 | Centro

Marechal Cândido Rondon | Paraná | 85960-000

F: (45) 3284 7855

E-mail: revista.cefe@unioeste.br

Facebook: https://www.facebook.com/RevistaCEFE/