Satisfação no trabalho de treinadores de tênis

Saulo Testa, Verónica Gabriela Silva Piovani, Silvio Pinheiro de Souza, Caio Corrêa Cortela, Jorge Both

Resumo


NTRODUÇÃO: Diversos fatores podem interferir na avaliação da satisfação no trabalho, sendo que para treinadores esportivos a sobrecarga de trabalho gerada pelas cobranças de resultados esportivos pode interferir negativamente na avaliação sobre o mesmo. No caso dos treinadores de tênis, observa-se que problemas associados às características da função laboral podem interferir na percepção da satisfação no trabalho.
OBJETIVO: Identificar os diferentes perfis de treinadores de tênis considerando o constructo da satisfação no trabalho.
MÉTODOS: A amostra foi composta por 81 treinadores de Tênis. Para a coleta de dados foi empregada uma ficha especificamente elaborada para coletar as informações sociodemográficas e a Escala de Avaliação da Qualidade de Vida no Trabalho, a qual avalia a satisfação no trabalho. Para a análise de dados foram utilizados os testes estatísticos de Análise de Clusters, Kruskal-Wallis, Friedman, Comparação Múltipla de Dunn e Qui-quadrado. Destaca-se que todas as análises utilizaram o nível de significância de 95% (p<0,05).
RESULTADOS: A análise de Clusters identificou a presença de três grupos. Os treinadores do Grupo A, composto pelo maior percentual de treinadores com idade mais avançada, se mostraram mais satisfeitos com os aspectos do trabalho, possuíam menor carga horária de dedicação ao labor e apresentaram melhor percepção sobre a renda. Os treinadores do Grupo B possuíam índices intermediários de satisfação no trabalho, sendo o grupo de profissionais com maior carga horária de atuação semanal. O Grupo C, com maior percentual de treinadores que atuavam entre 21 e 40 horas semanais, apresentou os menores índices de satisfação no trabalho, demonstrando maior contingente de profissionais jovens e insatisfeitos com a remuneração.
CONCLUSÃO: Conclui-se que o momento da vida pessoal, a carga horária dedicada às atividades laborais e a percepção sobre a remuneração ser suficiente para atender as necessidades interferem na percepção da satisfação no trabalho.

ABSTRACT. Job satisfaction of tennis coaches.
BACKGROUND: Several factors can interfere in the assessment of job satisfaction, and for sport coaches the work overload generated by the demands for sport results can interfere negatively in the evaluation about work. In the case of tennis coaches, it is observed that problems associated with the characteristics of job function can interfere with the perception of job satisfaction.
OBJECTIVE: To identify the different profiles of tennis coaches considering the construct of job satisfaction.
METHODS: 81 tennis coaches composed the sample. For data collection was used a form specifically designed to collect sociodemographic information and the Quality of Life at Work Assessment Scale, which assesses job satisfaction. For data analysis were used Clusters Analysis and the tests of Kruskal-Wallis, Friedman, Dunn’s Multiple Comparison and Chi-Square. It is highlighted that all analyzes used a 95% significance level (p<0,05).
RESULTS: Clusters analysis identified three groups. Group A coaches, composed by the highest percentage of coaches with more advanced age, were more satisfied with work’s aspects, had less hours dedicated to work and had better perception of income. Group B coaches had intermediate job satisfaction indices, being the group of professionals with the highest weekly workload. Group C coaches had the highest percentage of coaches who worked between 21 and 40 hours per week, had the lowest job satisfaction rates, being the group with more young professionals and who were disappointed with remuneration.
CONCLUSION: It is concluded that the moment of personal life, the workload dedicated to work activities and the perception of remuneration being sufficient to attend the needs interfere in the perception of job satisfaction.

Palavras-chave


Satisfação no Trabalho, Treinadores, Tênis.

Texto completo:

PDF

Referências


BATISTA, J. B. V.; CARLOTTO, M. S.; COUTINHO, A. S.; PEREIRA, D. A. M.; AUGUSTO, L. G. S. O ambiente que adoece: condições ambientais de trabalho do professor do ensino fundamental. Cadernos de Saúde Coletiva, Rio de Janeiro, v. 18, n. 2, p. 234-42, 2010.

BOTH, J. Bem estar do trabalhador docente em educação física da região sul do Brasil. Tese. 248f. (Doutorado em Educação Física) - Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, 2011.

BOTH, J.; NASCIMENTO, J. V. Condições de vida do trabalhador docente em educação física do magistério público municipal de Florianópolis. Caderno de Educação Física: Estudos e Reflexões, Marechal Cândido Rondon, v.9, n. 16, p. 11-28, 2010.

BOTH, J.; NASCIMENTO, J. V.; BORGATTO, A. F. Qualidade de vida dos docentes de educação física. In.: FOLLE, A.; FARIAS, G. O. (Orgs.). Educação física: prática pedagógica e trabalho docente. Florianópolis: UDESC, 2012.

BOTH, J.; NASCIMENTO, J. V.; SONOO, C. N.; LEMOS, C. A. F.; BORGATTO, A. F. Bem estar do trabalhador docente de educação física da região sul do Brasil de acordo com os ciclos vitais. Revista Brasileira de Educação Física e Esporte, São Paulo, v. 28, n. 1, p. 77-93, 2014.

BOTH, J.; BORGATTO, A. F.; LEMOS, C. A. F.; CIAMPOLINI, V.; NASCIMENTO, J. V. Physical education teachers? Wellbeing and its relation with gender. Motricidade, Vila Real, v. 13, p. 23-32, 2017.

CAPEL, S. A.; SISLEY, B. L.; DESERTRAIN, G. S. The relationship of role conflict and role ambiguity to burnout in high school basketball coaches. Journal of Sport Psychology, Bath, v. 9, n. 2, p. 106-117, 1987.

CHEUCZUK, F.; FERREIRA, L.; FLORES, P. P.; VIERA, L. F.; VIEIRA, J. L. L.; NASCIMENTO JUNIOR, J. R. A. Qualidade do relacionamento treinador-atleta e orientação às metas como preditores de desempenho esportivo. Psicologia: Teoria e Pesquisa, Brasília, v.32, n.2, p.1-8, 2016.

CORTELA, C. C.; ABURACHID, L. M. C.; CORTELA, D. N. R.; HAAS, L. G. N. O mercado de trabalho dos treinadores paranaenses de tênis. Revista Eletrônica FAFIT/FACIC, Itararé, v. 4, n. 2, p. 13-25, 2013.

COSTA, L. V.; DUTRA, J. Avaliação da carreira no mundo contemporâneo: proposta de um modelo de três dimensões. Revista de Carreira e Pessoas, São Paulo, v. 1, n. 1, p. 1-22, 2011.

FREIRE, P. A. Assédio moral e saúde mental do trabalhador. Trabalho, Educação e Saúde, Rio de Janeiro, v. 6, n. 2, p. 1-8, 2008.

GENCAY, S.; GENCAY, O. A. Burnout among judo coaches in Turkey. Journal of Occupational Health, Tokio, v. 53, n. 5, p. 365-70, 2011.

GUEDES, D. P.; GASPAR, E. J. Síndrome de estrés laboral crónico por el trabajo (Burnout) em los profesionales de la educación física brasileños. Revista de Psicologia del Deporte, Barcelona, v. 25, n. 2, p. 253-60, 2016.

HAAREN-MACK, B.; SCHAEFER, A.; PELS, F.; KLEINERT, J. Stress in physical education teachers: a systematic review of sources, consequences, and moderators of stress. Research Quarterly for Exercise and Sport, Londres, v. 91, n. 2, p. 279-97, 2019.

LEITE, E. V.; CIESLAK, F.; SILVA, C. F.; BALBINOTTI, C. A. A.; CORTELA, C. C. Qualidade de vida, percepção de imagem corporal e aspectos de sonolência em treinadores de tênis de Campo Grande. Revista Brasileira de Qualidade de Vida, Ponta Grossa, v. 8, n. 2, p. 175-90, 2016.

MAZEROLLE, S.; MONSMA, E.; DIXON, C.; MENSCH, J. An Assessment of burnout in graduate assistant certified athletic trainers. Journal of Athletic Training, Carollton, v.47, n.3, p.320-328, 2012.

MONCADA-JIMENEZ, J.; MENESES-MONTEIRO, M.; HIDALGO-MATLOCK, B.; GRANADOS-CHAVARRIA, C. Lesiones cutáneas en educadores físicos costarricenses. Acta Médica Costarricense, San José, v.46, n.3, p.132-138, 2004.

MARÔCO, J. Análise estatística com o SPSS Statistic. 6. ed. Pêro Pinheiro: Report Number, 2014.

MARQUEZE, E. C.; MORENO, C. R. C. Satisfação no trabalho: uma breve revisão. Revista Brasileira de Saúde Ocupacional, São Paulo, v. 30, n. 112, p. 69-79, 2005.

NIKOLAOS, A. Na examination of a burnout model in basketball coaches. Journal of Physical Education and Sport, Pitesti, v. 12, n. 2, p. 171-79, 2012.

NASCIMENTO, R. K.; MARTINS, A. C.; BOTH, J.; FARIAS, G. O.; GUIMARÃES, J. R. S.; FOLLE, A. Satisfação no trabalho de docentes de educação física: uma revisão sistemática. Movimento, Porto Alegre, v. 25, p. 25004, 2019.

SANTOS, M. S. C.; BRANDÃO, L. E. T.; MAIA, V. M. Decisão de escolha de carreira no Brasil: uma abordagem por opções reais. Revista de Administração, São Paulo, v. 50, n. 2, p. 141-52, 2015.

SIKES, P. J. The life cycle of the teacher. In.: BALL, S. J.; GOODSON, I. F. (Orgs.). Teachers’ lives and careers. London: The Falmer Press, 1985.

SILVA, J. V. P.; NUNEZ, P. R. M. Qualidade de vida, perfil demográfico e profissional de professores de educação física. Pensar a Prática, Goiânia, v. 12, n. 2, p. 1-11, 2009.

TIMOSSI, L. S. Correlações entre qualidade de vida e qualidade de vida no trabalho em colaboradores das indústrias de laticínios. 2017. 180f. Dissertação (Mestrado em Engenharia da Produção) - Universidade Tecnológica Federal do Paraná, Ponta Grossa, 2017.

TIMOSSI, L. S.; PEDROSO, B.; PILATTI, L. A.; FRANCISCO, A. C. Adaptação do modelo de Walton para avaliação da qualidade de vida no trabalho. Revista da Educação Física, Maringá, v. 20, n. 3, p. 395-405, 2009.

VILLAROUCO, V.; ANDRETO, L. F. M. Avaliando desempenho de espaços de trabalho sob o enfoque da ergonomia do ambiente construído. Production, São Paulo, v. 18, n. 3, p. 523-39, 2008.

WALTON, R. E. Quality of working life: what is it? Sloan Management Review, Cambridge, v. 1, n. 15, p. 11-21, 1973.

WALTON, R. E. Improving the quality of work life. Harvard Business Review, Nova York, v. 52, n. 3, p. 12, 16, 155, 1974.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Incluir comentário ';



Direitos autorais 2020 Direitor Autorais Partilhados

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - Não comercial - Compartilhar igual 4.0 Internacional.

Caderno de Educação Física e Esporte

Universidade Estadual do Oeste do Paraná (UNIOESTE)

Campus de Marechal Cândido Rondon

Rua Pernambuco, 1777 | Centro

Marechal Cândido Rondon | Paraná | 85960-000

F: (45) 3284 7855

E-mail: revista.cefe@unioeste.br

Facebook: https://www.facebook.com/RevistaCEFE/