Crescimento e produtividade da soja em resposta ao uso de inoculantes, consórcio e nitrogênio foliar

Rodrigo Junior Schneider, Karine Fuschter Oligini, Maicon Junior Detoni, Vanderson Vieira Batista, Laércio Ricardo Sartor

Resumo

O objetivo deste estudo foi avaliar a associação entre as bactérias da espécie Bradyrhizobium japonicum e Azospirillum brasilense coinoculadas e o uso de nitrogênio (N) foliar no crescimento e produtividade de soja, sob sistema de integração lavoura-pecuária. O experimento foi conduzido na Universidade Tecnológica Federal do Paraná, Campus Dois Vizinhos, na safra 2014/15. O delineamento experimental utilizado foi blocos ao acaso, em esquema fatorial 2 (A) x 3 (B) x 2 (C) [A = uso ou não de ervilhaca em consórcio com aveia e azevém antecedendo a soja, B = uso de inoculação com B. japonicum, coinoculado com B. japonicum + A. brasilense e controle (sem inoculante) e C = aplicação ou não de N foliar na concentração de 33%, em estádio de plena floração (R2)], contendo 3 repetições. Os parâmetros avaliados foram: número de nódulos, biomassa seca de raízes e parte aérea, altura da planta, número de plantas por m², número de vagens e grãos por planta, massa de mil grãos e produtividade de soja em kg ha-1. A coinoculação gerou aumento da nodulação inicial, porém não apresentou efeito sobre o crescimento e produtividade de plantas de soja, assim como no tratamento com N foliar. O nitrogênio foliar apresentou efeito sinérgico compensatório para a produtividade de grãos de soja, na ausência da ervilhaca, obtendo incremento de 525,9 kg ha-1 para o tratamento com Bradyrhizobium japonicum sem ervilhaca e sem aplicação de nitrogênio foliar em relação ao tratamento controle sem ervilhaca e sem aplicação de nitrogênio foliar.

Palavras-chave

coinoculação, fixação biológica de nitrogênio (FBN), nitrogênio foliar

Texto completo:

PDF