Projetos esportivos sociais para adolescentes no Brasil: impactos, implicações e barreiras

Autores

DOI:

https://doi.org/10.36453/2318-5104.2020.v18.n1.p77

Palavras-chave:

Esportes, Criança, Vulnerabilidade social

Resumo


INTRODUÇÃO: No contexto dos projetos sociais percebe-se um grande impacto no desenvolvimento dos participantes, quando ocorre com crianças e adolescentes, os ganhos nos aspectos fisiológicos e psicoemocionais podem ser ainda maiores. No entanto, na atual conjuntura política percebe-se uma diminuição de apoio de políticas públicas relacionadas ao esporte. OBJETIVO: Diante desse contexto esportivo o objetivo deste ensaio é aliar a Teoria Bioecológica de Bronfenbrenner e o Modelo Conceitual de Saúde para elucidar os impactos e implicações da participação jovens em projetos sociais esportivos, bem como contribuir na planificação, implementação e avaliação de ações de um projeto social. MÉTODOS: Trata-se de um ensaio teórico que propõe a sistematização dos impactos de um projeto social esportivo no desenvolvimento de jovens e demonstrar os indicadores que um projeto pode apresentar para que se justifique o seu funcionamento. RESULTADOS: As teorias embasam os argumentos que justificam a importância de investimento público na participação esportiva como fator de proteção ao desenvolvimento de jovens, principalmente aqueles em situação de vulnerabilidade. O desenvolvimento de ações organizadas e que possam funcionar, em longo prazo, é fundamental para isso. CONCLUSÃO: Os projetos sociais devem se organizar por meio de ações que desenvolvam as habilidades socioemocionais, invistam na relação de treinadores e atletas, na expressão dos sentimentos e na possibilidade de funcionamento em longo prazo para que garantam a sustentabilidade e atendam os interesses de todos os atores envolvidos, principalmente os participantes. Conclui-se que os projetos sociais devem se alicerçar em teorias que sustentem suas ações. Os impactos positivos, nos aspectos socioemocionais, são essenciais na vida dos jovens que auxilia na proteção das crises existências, na melhora o autoconceito e na promoção da autodeterminação. ABSTRACT. Social sports projects for adolescents in Brazil: impacts, implications and barriers. BACKGROUND: In the context of social projects, there is a great impact on the development of participants, when it occurs with children and adolescents, the gains in the physiological and psycho-emotional aspects can be even greater. However, in the current political situation, there is a decrease in support for public policies related to sport. OBJECTIVE: Given this sporting context, the objective of this essay is to combine Bronfenbrenner’s Bioecological Theory and the Conceptual Health Model to elucidate the impacts and implications of youth participation in social sports projects, as well as to contribute to the planning, implementation and evaluation of actions of a social project. METHODS: This is a theoretical essay that proposes to systematize the impacts of a social sports project on the development of young people and to demonstrate the indicators that a project can present to justify its functioning. RESULTS: Theories support the arguments that justify the importance of public investment in sports participation as a protective factor for the development of young people, especially those in situations of vulnerability. The development of organized actions that can work in the long run is essential for this. CONCLUSION: Social projects must be organized through actions that develop socio-emotional skills, invest in the relationship of coaches and athletes, in the expression of feelings and in the possibility of long-term functioning to ensure sustainability and meet the interests of all stakeholders. actors involved, especially the participants. It is concluded that social projects must be based on theories that support their actions. The positive impacts, in socio-emotional aspects, are essential in the lives of young people, which helps to protect the existence of crises, improve self-concept and promote self-determination.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Livia Gomes Viana-Meireles, Universidade Federal do Ceará (UFC)

Psicóloga, mestres em psicologia e doutora em psicologia social. Professora adjunta do Instituto de Educação Física e Esportes na Universidade Federal do Ceará

Referências

ABED, A. L. Z. O desenvolvimento das habilidades socioemocionais como caminho para a aprendizagem e o sucesso escolar de alunos da educação básica. Construção Psicopedagógica, São Paulo, v. 24, n. 25, p. 8-27, 2016

BALYER, A.; GUNDUZ, Y. Effects of structured extracurricular facilities on students’ academic and social development. Procedia - Social and Behavioral Sciences, Amsterdam, v. 46, p. 4803-7, 2012.

BENTO, J. O. Do desporto. In: TANI, G.; BENTO, J. O.; PETERSEN, R. D. de S. (Orgs.). Pedagogia do Desporto. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 2006. p. 12-25,

BRASIL. Constituição da República Federativa do Brasil, 1988, com as alterações determinadas pelas Emendas Constitucionais de Revisão nos 1 a 6/94, pelas Emendas Constitucionais N°. 1/92 a 91/2016 e pelo Decreto Legislativo N°. 186/2008. – Brasília: Senado Federal, Coordenação de Edições Técnicas, 2016. 496p.

CABALLO, V. E. Manual de avaliação e treinamento das habilidades sociais. São Paulo: Santos, 2003.

CANAN, F.; STAREPRAVO, F. A.; ATHAYDE, P. F. A. de. Considerações sobre a construção da temática de políticas públicas de esporte e lazer no Brasil. Caderno de Educação Física e Esporte, Marechal Cândido Rondon, v. 15, n. 1, p. 11-4, 2017.

CÔTÉ, J.; VIERIMA, M. The developmental model of sport participation: 15 years after its first conceptualization. Science and Sports, Amsterdam, v. 29, Suppl., p. S63-9, 2014.

COUTO, G.; VANDENBERGHE, L.; TAVARES, W. M.; SILVA, R. L. F. C. Interações e habilidades sociais entre universitários: um estudo correlacional. Estudos de Psicologia, Campinas, v. 29, n. 1, p. 667-77, 2012.

CRUZ, D. R.; SEHNEM, S. B. Avaliação do repertório de habilidades sociais de crianças em um programa de educação pelo esporte. Pesquisa em Psicologia, Anais Eletrônicos, Joaçaba, v. 1, n. 1, p. 75-87, 2015.

DEL PRETTE, A.; DEL PRETTE, Z. A. P. Competência social e habilidades sociais: manual teórico-prático. Petropólis: Vozes, 2017.

DI PIERRO, C.; SILVA, F. S. Primeiro tempo do terceiro setor. Projeto social In: RUBIO, K. (Org.). Psicologia do esporte: teoria e prática. São Paulo: Casa do Psicólogo, 2003.

ERNICA, M. Percurso da educação integral no Brasil. In: UNICEF. Tecendo redes para a educação integral: seminário nacional. São Paulo: CENPEC, 2006. p. 13-31.

ESTEVES, B. B. A trajetória do esporte moderno: dos primórdios ao fenômeno social. Lecturas, Educación Física y Deporte, Revista Digital, Buenos Aires, v. 19, n. 199, 2014. Disponível em: <http://www.efdeportes.com/efd199/a-trajetoria-do-esporte-moderno.htm>. Acessado em: 14 de janeiro de 2020.

GALATTI, L. R.; PAES, R. R.; COLLET, C.; SEOANE, A. M. Esporte contemporâneo: perspectiva para a compreensão do fenômeno. Corpoconsciência, Cuiabá, v. 22, n. 3, p. 115-27, 2018.

GAYA, A.; GAYA, A. O esporte como manifestação da cultura corporal do movimento. In: NASCIMENTO, J. V. do; RAMOS, V.; TAVARES, F. (Org.). Jogos desportivos: formação e investigação. Florianópolis: UDESC. 2013. p 41-55.

GOLEMAN, D. Foco: a atenção e seu papel fundamental para o sucesso. Rio de Janeiro: Objetiva, 2014.

GONZALEZ, R. H.; MACHADO, M. M. T. Pedagogia do esporte. Novas Tendências. Uberlândia: Tavares & Tavares, 2017.

GRANDO, D.; MADRID, S. C. D. O. Programa segundo tempo, programa mais educação e o incentivo ao esporte: um legado para as políticas públicas de esporte e lazer. Caderno de Educação Física e Esporte, Marechal Cândido Rondon, v. 15, n. 2, p. 37-48, 2017.

GREGUOL, M. Atividades físicas e esportivas e pessoas com deficiência. Background paper. Brasília: PNUD, 2017

HOWIE, L. D.; LUKACS, S. L.; PASTOR, P. N.; REUBEN, C. A.; MENDOLA, P. Participantion in activities outside of school hours in relation to problem behavior and social skills in middle childhood. Journal of School Health, New York, v. 80, n. 3, p. 119-25, 2010.

LEME, V. B. R.; DEL PRETTE, Z. A. P.; KOLLER, S. H.; DEL PRETTE, A. Habilidades sociais e o modelo bioecológico do desenvolvimento humano: análise e perspectivas. Psicologia e Sociedade, Belo Horizonte, v. 28, n. 1, p. 181-93, 2016.

LONGO, R. A.; TERTULIANO, I. W.; SENA, A. B. D.; MORÃO, K. G.; VERZANI, R. H.; MACHADO, A. A. A permanência de crianças e jovens nos esportes: olhares para iniciação e especialização esportiva. Caderno de Educação Física e Esporte, Marechal Cândido Rondon, v. 15, n. 2, p. 121-32, 2017.

MARLIER, M.; VAN DYCK, D.; CARDON, G.; DE BOURDEAUDHUIJ, I.; BABIAK, K.; WILLEM, A. Interrelation of sport participation, physical activity, social capital and mental health in disadvantaged communities: A SEM-analysis. Plos One, San Francisco, v. 10, n. 10, p. 1-18, 2015.

MORAIS, I. M. Vulnerabilidade do doente versus autonomia individual. Revista Brasileira Saúde Materna Infantil, Recife, v. 10, Suppl. 2, p. S331-6, 2010.

PETERSEN, C. S.; KOLLER, S. H. Avaliação psicológica em crianças e adolescentes em situação de risco. Avaliação Psicológica, Porto Alegre, v. 5, n. 1, p. 55-66, 2006.

PNUD. Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento. Relatório de Desenvolvimento Humano Nacional - Movimento é Vida: Atividades Físicas e Esportivas para Todas as Pessoas. Brasília: PNUD, 2017.

REVERDITO, R. S.; GALATTI, L. R.; CARVALHO, H. M.; SCAGLIA, A. J.; CÔTÉ, J.; GONÇALVES, C. E.; PAES, R. R. Developmental Benefits of Extracurricular Sports Participation Among Brazilian Youth. Perceptual and Motor Skills, Thousand Oak, v. 124, n. 5, p. 946-60, 2017.

RIZZO, D. S., FERREIRA, A. M. L., SOUZA, W. C. Desenvolvimento positivo dos jovens (DPJ) através do esporte perspectivas em países da língua portuguesa. Conexões, Campinas, v. 12, n. 3, p. 106-20, 2014.

SALDANHA, D. F.; GONZALEZ, R. H. Projetos sociais para crianças e adolescentes. Juiz de Fora: Garcia, 2018.

SANTOS, D.; PRIMI, R. Desenvolvimento socioemocional e aprendizado escolar: uma proposta de mensuração para apoiar políticas públicas. Relatório sobre resultados preliminares do projeto de medição de competências socioemocionais no Rio de Janeiro, São Paulo: OCDE, SEEDUC, Instituto Ayrton Senna, 2014. Disponível em: <http://educacaosec21.org.br/wp-content/uploads/2013/07/desenvolvimento-socioemocional-e-aprendizado-escolar.pdf>. Acessado em: 15 de dezembro de 2019.

SAXENA, S.; SHARAN, P.; GARRIDO, M.; SARACENO, B. World Health Organization´s Mental Health Atlas 2005: World Psychiatry, New Jersey, v. 5, n. 3, p. 179-84, 2006.

SOUZA, D. L.; CASTRO, S. B. E. de; VIALICH, A. L. Barreiras e facilitadores para a participação de crianças e adolescentes em um projeto socioesportivo. Revista Brasileira de Ciências do Esporte, Florianópolis, v. 34, n. 3, p. 761-74, 2012.

TUBINO, M. J. G. Movimento esporte para todos: da contestação do esporte de alto nível a atual promoção da saúde. FIEP Bulletin, Foz do Iguaçu, v. 73, n. 3, p. 24-9, 2003.

WEINBERG, R. S.; GOULD, D. Fundamentos da psicologia do esporte e do exercício. 6. ed. Porto Alegre: Artmed, 2017.

XAVIER; A. S.; NUNES, A. I. B. L. Psicologia do desenvolvimento. Fortaleza: UECE, 2013.

Downloads

Publicado

13-04-2020

Como Citar

VIANA-MEIRELES, L. G.; SALDANHA, D. M. de F.; MENESCAL, D. M. P.; OLIVEIRA, R. K. A. de; GONZALEZ, R. H. Projetos esportivos sociais para adolescentes no Brasil: impactos, implicações e barreiras. Caderno de Educação Física e Esporte, Marechal Cândido Rondon, v. 18, n. 1, p. 77–82, 2020. DOI: 10.36453/2318-5104.2020.v18.n1.p77. Disponível em: https://saber.unioeste.br/index.php/cadernoedfisica/article/view/24020. Acesso em: 7 dez. 2021.