Comparação da motivação para a prática esportiva de jovens atletas de atletismo em razão do sexo, tempo de prática e grupo de competição

Autores

  • Giovana Correia da Silva Universidade Estadual de Maringá (UEM), Maringá, Brasil
  • Luciana Boligon Refundini Universidade Estadual de Maringá (UEM), Maringá, Brasil
  • Daniel Vicentini de Oliveira Universidade Cesumar (UNICESUMAR), Maringá, Brasil https://orcid.org/0000-0002-0272-9773
  • Paula Caroline Teixeira Marroni Universidade Estadual de Maringá (UEM), Maringá, Brasil
  • José Roberto Andrade do Nascimento Júnior Universidade Federal do Vale do São Francisco (UNIVASF), Petrolina, Brasil https://orcid.org/0000-0003-3836-6967
  • Ana Luiza Barbosa Anversa Universidade Estadual de Maringá (UEM), Maringá, Brasil https://orcid.org/0000-0003-4363-3433

DOI:

https://doi.org/10.36453/cefe.2022.25977%20

Resumo


OBJETIVO: Comparar a motivação para a prática esportiva de jovens atletas do atletismo em função do sexo, tempo de prática e grupo de competição.
MÉTODOS: Estudo transversal, realizado com 30 alunos/atletas, sendo 19 do sexo masculino e 11 do sexo feminino, das categorias de provas de pista e campo, entre 9 e 17 anos. Foi utilizada a Escala de Motivação para o Esporte II (SMS II). Para análise dos dados foi utilizado os testes Shapiro-Wilk, Kruskal-Wallis e U de Mann-Whitney (p<0,05).
RESULTADOS: Os resultados demonstraram que os atletas são mais motivados por fatores intrínsecos (Md=7,00). Em relação ao sexo, as atletas femininas tiveram uma diferença significativa na regulação externa comparada aos atletas masculinos (p=0,04) e os atletas de provas de campo demonstraram mais motivados extrinsecamente do que os atletas das provas de pista (p=0,03).
CONCLUSÃO: Concluiu-se que o sexo e o tipo de prova são fatores intervenientes na motivação extrínseca e desmotivação dos atletas de atletismo.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

ANDRADE, A. D. B.; COUTINHO, N. F. Atletismo na escola: é possível? Disponível em: <https://www.unaerp.br/revista-cientifica-integrada/edicoes-anteriores/volume-2-edicao-4/2053-atletismo-na-escola-e-possivel/file>. Acessado em: 15 de junho de 2021.

BENTO, A. N. F.; SILVA, M. R.; PONTES, M. Motivação de atletas federados para a prática de atletismo. Revista da Faculdade de Ciências da Saúde, Porto, v. 5, p. 326-36, 2008. Disponível em: <https://bdigital.ufp.pt/bitstream/10284/965/1/326-336.pdf>. Acessado em: 18 de fevereiro de 2022.

CONFEDERAÇÃO BRASILEIRA DE ATLETISMO. Histórico e provas do atletismo. Disponível em: <http://www.cbat.org.br/default.asp> . Acessado em: 15 de junho de 2021.

DECY, E. L.; RYAN, R. M. Intrinsic motivation and self-determination in human behavior. New York: Plenum, 1985.

DECY, E. L.; RYAN, R. M. The “whats” and “why” of goal pursuits: Human needs and the self determination. Psychological Inquiry, London, v. 11, n. 4, p. 227-68, 2009. DOI: https://doi.org/10.1207/S15327965PLI1104_01.

GAYA, A.; CARDOSO, M. Os fatores motivacionais para a prática desportiva e suas relações com sexo, idade e níveis de desempenho desportivo. Revista Perfil, Porto Alegre, v. 2, n. 2, p. 40-52, 1998. Disponivel em: <https://seer.ufrgs.br/perfil/article/view/77333/pdf>. Acessado em: 18 de fevereiro de 2022

MINUZZI, T.; PANDOLFO, K. C. M.; AZAMBUJA, C. R.; MACHADO, R. R.; SANTOS, D. L. dos. Motivação de atletas escolares dos VII Jogos da Amizade: um estudo com o colégio militar de Santa Maria, RS. Cinergis, Santa Cruz do Sul, v. 16, n. 2, p. 1-4, 2015. DOI: https://doi.org/10.17058/cinergis.v16i2.6356.

MIZOGUCHI, M. V.; GARCIA, W. F.; NAZARIO, P. F.; LARA, B. M. Análise dos níveis motivacionais dos corredores de rua de Bragança Paulista. Revista Brasileira de Psicologia do Esporte, Brasília, v. 7, n. 1, p. 1-11, 2014. DOI: http://dx.doi.org/10.31501/rbpe.v6i1.6720.

NAHAS, M. V. Atividade física, saúde e qualidade de vida: conceitos e sugestões para um estilo de vida ativo. 3. ed. Londrina: Madiograf, 2003.

NASCIMENTO JUNIOR, J. R. A.; VISSOCI, J. R. N.; BALBIM, G. M.; MOREIRA, C. R.; PELLETIER, L.; VIEIRA, L. F. Adaptação transcultural e análise das propriedades psicométricas da Sport Motivation Scale – II no contexto brasileiro. Revista da Educação Física, Maringá, v. 25, n. 3, p. 441-58, 2014. DOI: https://doi.org/10.4025/reveducfis.v25i3.24855.

PADILHA, L. D.; TOIGO, A. M.; SALDANHA, R. P. Análise dos estilos regulatórios da autodeterminação para a prática de atividades físicas e esportes em escolares. Revista Brasileira de Psicologia do Esporte, Brasília, v. 10, n. 1, p. p. 48-61, 2020. DOI: http://dx.doi.org/10.31501/rbpe.v10i1.11381.

PEREIRA JÚNIOR, A. A.; ROHLFS, I. C. P. M.; LIMA, W. C. Dependência ao exercício físico e a síndrome do excesso de treinamento: consequências do excesso de exercício. Revista da Unifebe, Brusque, v. 11, p. 1-9, 200. Disponível em: <http://docplayer.com.br/9054584-Dependencia-ao-exercicio-fisico-e-a-sindrome-do-excesso-de-treinamento-consequencias-do-excesso-de-exercicio.html>. Acessado em: 18 de junho de 2022

SAMULSKI, D. Psicologia do esporte. São Paulo: Manole, 2002.

SILVA, E. M.; MOURA, S. K. M. S. F.; RABAY, A. A. N.; FERREIRA, A. P. U.; SANTOS, R. M. L. Motivos de prática e abandono em corredores recracionais sob o ponto de vista da psicologia socialcognitiva. Diálogos em Saúde, Cabedelo, v. 1, n. 1, p. 80-92, 2019. Disponível em: <https://periodicos.iesp.edu.br/index.php/dialogosemsaude/article/view/201> Acessado em: 18 de fevereiro de 2022.

SILVA, P. N.; SOLERA, B.; ALMEIDA, T. L.; ANVERSA, A. L. B.; MANOEL, F. A. Motivação para a prática da corrida de rua: diferença entre atletas de performance e atletas amadores. Caderno de Educação Física e Esporte, Marechal Cândido Rondon, v. 17, n. 2, p. 21-7, 2019. DOI: https://doi.org/10.36453/2318-5104.2019.v17.n2.p21.

SILVA, M. V. da. Estado mental flow e motivação no atletismo: dos velocistas aos ultramaratonistas. 2013. 67f. Dissertação (Mestrado em Educação Física) – Universidade Federalde Juiz de Fora, Juiz de Fora, 2013.

SOUZA, R. S.; LIMA, J. R. P.; WERNECK, F. Z.; BARA FILHO, M. G.; FREITAS, J. V. Motivação de jovens e adultos para o treinamento do atletismo. Pensar a Prática, Goiânia, v. 19, n. 4, p. 914-25, 2016. DOI: https://doi.org/10.5216/rpp.v19i4.40530.

WEINBERG, R. S.; GOULD, D. Fundamentos da psicologia do esporte e do exercício. 6. ed. Porto Alegre: Artmed Editora, 2016.

Downloads

Publicado

22.02.2022

Como Citar

SILVA, G. C. da; REFUNDINI, L. B.; OLIVEIRA, D. V. de; MARRONI, P. C. T.; NASCIMENTO JÚNIOR, J. R. A. do; ANVERSA, A. L. B. Comparação da motivação para a prática esportiva de jovens atletas de atletismo em razão do sexo, tempo de prática e grupo de competição. Caderno de Educação Física e Esporte, Marechal Cândido Rondon, v. 20, p. e–25977, 2022. DOI: 10.36453/cefe.2022.25977 . Disponível em: https://saber.unioeste.br/index.php/cadernoedfisica/article/view/25977. Acesso em: 27 jun. 2022.