Associação entre títulos e características demográficas, antropométricas e dominância lateral de tenistas profissionais

Autores

DOI:

https://doi.org/10.36453/cefe.2022.26570

Palavras-chave:

Tênis, Perfil de Saúde, Desempenho Atlético

Resumo


INTRODUÇÃO: O tênis é um dos esportes mais competitivos no qual a diferença entre os jogadores melhores classificados é resultado da combinação de componentes físicos, técnicos, táticos e psicológicos. 
OBJETIVO: Identificar as características demográficas, antropométricas e dominância lateral de tenistas profissionais e sua associação com o número de títulos conquistados na carreira. 
MÉTODOS: Estudo observacional, transversal, com os 100 melhores tenistas ranqueados na Associação dos Tenistas Profissionais no ano 2017. Para o desfecho, número de títulos, foi levado em consideração todas as conquistas durante a carreira profissional do tenista. Foi realizada a análise descritiva das variáveis em estudo, com cálculo de média e respectivo desvio-padrão para variáveis contínuas e cálculo de proporção e intervalos de confiança para as variáveis categóricas. A análise bivariada foi realizada por meio do teste t de Student e Anova ou seu equivalente não paramétrico para diferenças de média. 
RESULTADOS: A média de idade dos tenistas foi de 28,3±4,5 anos tendo o mais novo 18 anos e o mais velho 38 anos. A maioria possuía cor da pele branca (95,0%) e apresentavam, respectivamente, médias de peso e altura de 80,1±8,0 quilos e 1,87±0,07 metros. Em relação as características de jogo, 84,0% dos jogadores apresentaram dominância lateral direita e 81,0% realizavam o backhand com duas mãos. Quanto ao total de títulos, 37,0% nunca haviam conquistado títulos nos torneios disputados. Tenistas com até 29 anos de idade apresentaram média inferior de títulos comparados aos de 30 anos ou mais (p=0,001). Não houve diferença no número de vitórias entre jogadores com diferentes dominâncias laterais (p=0,80) ou realização de backhand com uma ou duas mãos (p=0,1). 
CONCLUSÃO: Baseado nos achados do presente estudo, conclui-se que tenistas mais velhos, que se mantêm entre os 100 melhores, possuem maior número de títulos conquistados.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

ALEXANDROS, M.; CHRISTINA, K.; NIKOLAOS, G.; KONSTANTINOS, M. Effectiveness of backhand with one and two hands in teaching adult men beginners in tennis. Journal of Physical Education and Sport, Pitesti, v. 13, n. 3, p. 415, 2013. DOI: https://doi.org/10.7752/jpes.2013.03066.

ATP. Association Tennis Professional. History. Disponível em: <http://www.atpworldtour.com/en/corporate/history>. Acessado em: em: 07 de outubro de 2017.

ATP. Association Tennis Professional. ATP Tour. Londres. Disponível em: <https://www.atptour.com/en/rankings/singles>. Acessado em: 18 de dezembro de 2017.

BONATO, M.; MAGGIONI, M. A.; ROSSI, C.; RAMPICHINI, S.; LA TORRE, A.; MERATI, G. Relationship between anthropometric or functional characteristics and maximal serve velocity. The Journal of Sports Medicine and Physical Fitness, Torino, v. 55, p. 1157-65, 2014. Disponível em: <https://www.researchgate.net/profile/Antonio-La-Torre/publication/263746350_Relationship_between_anthropometric_or_functional_characteristics_and_maximal_serve_velocity_in_professional_tennis_players/links/02e7e53c0637fed492000000/Relationship-between-anthropometric-or-functional-characteristics-and-maximal-serve-velocity-in-professional-tennis-players.pdf>. Acessado em: 25 de outubro de 2017.

BRAGA NETO, L. Características dinâmicas e eletromiográficas do forehand e backhand em tenistas: uma perspectiva biomecânica para avaliar o desempenho. 2008. 280f. Tese (Doutorado em Educação Física) – Universidade de São Paulo, São Paulo, 2008. DOI: https://doi.org/10.11606/T.39.2008.tde-11082008-113504. Acessado em: 12 de agosto de 2018.

COB. Comitê Olímpico Brasileiro. Tênis. 2015. Disponível em: <https://www.cob.org.br/pt/Esportes/tenis>. Acessado em: 20 de abril de 2018.

CORTELA, C.; FUENTES, J.; CAMPOS, L.; KIST, C.; CORTELA, D. N. R. Iniciação esportiva ao tênis de campo: um retrato do programa play and stay à luz da pedagogia do esporte. Conexões, Campinas, v. 2, n. 10, p. 214-34, 2012. DOI: https://doi.org/10.20396/conex.v10i2.8637683.

CORTELA, C. C.; SILVA, M. J. C.; GARCIA, J. P. F.; ROCHA, D. N. Tenistas top 100 – um estudo sobre as idades de passagens pelos diferentes marcos da carreira desportiva. Pensar a Prática, Goiânia, v. 13, n. 3, p. 1-17, 2010. DOI: https://doi.org/10.5216/rpp.v13i3.9653.

CRESPO, M.; REID, M.; MILEY, D.; ATIENZA, F. The relationship between professional tournament structure on the national level and success in men’s professional tennis. Journal of Science and Medicine in Sport, Belconnen, v. 6, n. 1, p. 3-13, 2003. DOI: https://doi.org/10.1016/S1440-2440(03)80003-8.

CRESPO, M. Las potencias mundiales del tenis: razones del éxito, 2005. Disponível em: <http://www.itftennis.com/coaching>. Acessado em: 12 de setembro de 2017.

DE BOSSCHER, V.; DE KNOP, P.; HEYNDELS, B.; Comparing tennis success among countries. International Sports Studies, Berlim, v. 25, n. 1, p. 49-68, 2003. Disponível em: <https://www.researchgate.net/profile/Veerle-Bosscher/publication/239844205_Comparing_Tennis_Success_Among_Countries/links/59f18211a6fdcc1dc7b9072e/Comparing-Tennis-Success-Among-Countries.pdf>. Acessado em: 24 de novembro de 2018

DINGLE, N.; KNOTTENBELT, W.; SPANIAS, D. On the (page) ranking of professional tennis players. In: European Workshop on Performance Engineering. Anais... Springer, Berlin, Heidelberg, 2012. p. 237-47. Disponível em: <https://link.springer.com/chapter/10.1007/978-3-642-36781-6_17>. Acessado em: 24 de abril de 2018.

ELLIOTT, B. Biomechanics and tennis. British Journal of Sports Medicine, London, v. 40, p. 392-396, 2006. DOI: http://dx.doi.org/10.1136/bjsm.2005.023150.

FERNANDEZ-FERNANDEZ, J.; SANZ-RIVAS, D.; MENDEZ-VILLANUEVA, A. A review of the activity profile and physiological demands of tennis match play. Strength and Conditioning Journal, Philadelphia, v. 31, n. 4, p. 15-26, 2009. DOI: http://dx.doi.org/10.1519/SSC.0b013e3181ada1cb.

HORNERY, D. J.; FARROW, D.; MUJIKA, I.; YOUNG, W. An integrated physiological and performance profile of professional tennis. British Journal of Sports Medicine, London, v. 41, n. 8, p. 531-6, 2007. DOI: http://dx.doi.org/10.1136/bjsm.2006.031351.

ITF. International Tenis Association. What we do to promote tennis around the world. Disponível em: <https://www.itftennis.com/en/about-us/organisation/what-we-do>. Acessado em: 20 de abril de 2020.

KOVACS, M. S. Applied physiology of tennis performance. British Journal of Sports Medicine, Loughborough, v. 40, n. 5, p. 381-6, 2006. DOI: http://dx.doi.org/10.1136/bjsm.2005.023309.

LOFFING, F.; HAGEMANN, N.; STRAUSS, B. Left-Handedness in professional and amateur tennis. PLoS One, San Francisco, v. 7, n. 11, p. e49325, 2012. DOI: http://doi.org/10.1371/journal.pone.0049325.

MEDRONHO, R. A. Epidemiologia. São Paulo: Atheneu, 2005

O’DONOGHUE, P.; BALLANTYNE, A. The impact of speed of service in Grand Slam singles tennis. In: Science and Racket Sports III: The Proceedings of the Eighth International Table Tennis Federation Sports Science Congress and the Third World Congress of Science and Racket Sports. London: Routledge, 2004.

PAPADATOU-PASTOU, M.; TOMPROU, D. Intelligence and handedness: meta-analyses of studies on intellectually disabled, typically developing, and gifted individuals. Neuroscience & Biobehavioral Reviews, New York, v. 56, p. 151-65, 2015. DOI: https://doi.org/10.1016/j.neubiorev.2015.06.017.

PRIETO-BERMEJO, J.; GÓMEZ-RUANO, M. A. Entering tennis men’s Grand Slams within the top-10 and its relationship with the fact of winning the tournament. Revista Internacional de Ciencias del Deporte, Murcia, v. 12, n. 46, p. 411-422, 2016. DOI: https://dx.doi.org/10.5232/ricyde2016.04605.

RIVAS, D. S. El tenis em la escuela. Barcelona: Pai do Tribo, 2004.

SEGAL, F. Sistema analítico formativo. Barcelona: Destino 1996.

PIMENTEL, R. M.; GALATTI, L. R.; PAES, R. R. Pedagogia do esporte e iniciação esportiva tardia: perspectivas a partir da modalidade basquetebol. Pensar a Prática, Goiânia, v. 13, n. 1, p. 1-15, 2010. DOI: https://doi.org/10.5216/rpp.v13i1.7629.

Tênis News. Todos os Top 100 da história do Brasil. Disponível em: <https://tenisnews.com.br/modules.php?name=News&file=article&sid=16383>. Acessado em: 17 de dezembro de 2017.

VAVERKA, F.; CERNOSEK, M. Association between body height and serve speed in elite tennis players. Sports Biomechanics, Edinburgh, v. 12, n. 1, p. 30-37, 2013. DOI: https://doi.org /10.1080/14763141.2012.670664.

Downloads

Publicado

18.02.2022

Como Citar

DA SILVA, M. C.; DA SILVA, L. M. Associação entre títulos e características demográficas, antropométricas e dominância lateral de tenistas profissionais. Caderno de Educação Física e Esporte, Marechal Cândido Rondon, v. 20, p. e–26570, 2022. DOI: 10.36453/cefe.2022.26570. Disponível em: https://saber.unioeste.br/index.php/cadernoedfisica/article/view/26570. Acesso em: 27 jun. 2022.