Perspectivas metodológicas da utilização do cinema na Educação Superior

Autores

  • Egeslaine de Nez
  • Sergio Pereira dos Santos

Palavras-chave:

Educação Superior, cinema, metodologia de ensino.

Resumo


Este estudo parte da perspectiva de que o cinema atua como um elemento de aprimoramento cultural e intelectual dos discentes na Educação Superior. A investigação foi realizada na Universidade do Estado de Mato Grosso (Unemat), Campus Universitário do Vale do Teles Pires (Colíder/MT), no curso de Licenciatura em Computação, vinculada ao Grupo de Estudos sobre Universidade (GEU/Unemat). Inicialmente, utilizou-se de pesquisa bibliográfica, na sequência pesquisa documental e de campo por meio de questionário com acadêmicos do curso de Licenciatura em Computação. A partir destes dados, fez-se uma análise quali/quantitativa do uso do cinema enquanto perspectiva metodológica na Educação Superior. Também foi realizada uma análise para verificar se os temas dos filmes se relacionaram com as disciplinas. Para tanto, se recorreu aos planos de ensino do curso em questão para identificar se os docentes faziam menção ao uso do cinema, enquanto perspectiva metodológica. Verificou-se que essa abordagem é muito utilizada pelos docentes, embora muitas vezes, não a informam em seus planos. Apurou-se ainda, um número significativo de filmes assistidos pelos acadêmicos ao longo de sua formação. Desta forma, conclui-se com esta investigação que o cinema é capaz de transformar rotinas educacionais em metodologias dinâmicas. Infere-se que, como perspectiva metodológica, pode ser importante ferramenta na busca de um processo de ensino aprendizagem mais significativo. 

Referências

ALMEIDA, Maria Elizabeth Bianconcini; MORAN, Jose Manuel. Integração das tecnologias na educação. Brasília: Ministério da Educação (MEC), 2005.

BARDIN, Laurence. Análise de conteúdo. Lisboa: Edições 70, 2009.

DUARTE, Rosália. Cinema e educação. Belo Horizonte: Autêntica, 2009.

FABRIS, Elí Henn. Cinema e educação: um caminho metodológico. Educação e realidade. Porto Alegre, v.33, n. 1, p. 117-134, jan./jun. 2008.

FREIRE, Paulo. Professora sim, tia não. São Paulo: Olho d’Água, 1997.

JARA, Oscar. O que é metodologia. s/d, s/l, mimeo.

LIBÂNEO, José Carlos. Didática. São Paulo: Cortez, 1994.

LIMA, Michelle Pinto. As mulheres na ciência da computação. Estudos feministas v. 21, n. 3, 2013.

MARCONI, Marina de Andrade; LAKATOS, Eva Maria. Metodologia científica. 4. ed. São Paulo: Atlas, 2004.

MASCARELLO, Fernando. A historia do cinema mundial. Campinas: Papirus, 2006

MODRO, Nielson Ribeiro. Cineducação 2: usando o cinema na sala de aula. Joinville: UNIVILLE, 2006.

MORAN, Jose Manuel; MASETTO, Marcos Tarciso; BEHRENS, Marilda Aparecida. Novas tecnologias e mediação pedagógica. São Paulo: Papirus. 2000.

NAPOLITANO, Marcos. Como usar o cinema na sala de aula. São Paulo: Contexto, 2003.

NEZ, Egeslaine. Da sala de aula ao cinema universitário: um relato da interface ensino, pesquisa e extensão. Seminário Educação 2014 SEMIEDU: relações raciais e educação: dez anos de estudos e pesquisas na UFMT. Cuiabá: UFMT, 2014 (CD-rom).

______.; CONSONE, Cibele de Freitas. Experiências educativas com o cinema no ensino fundamental. Educa. Porto Velho, v. 2, n. 3, pp. 20-37, 2015.

PRESTES, Maria Luci de Mesquita. A pesquisa e a construção do conhecimento científico: do planejamento aos textos da escola à academia. 2 ed. São Paulo: Rêspel, 2003.

SANTOS FILHO, José Camilo.; GAMBOA, Silvio Sanches. (org.). Pesquisa educacional: quantidade-qualidade. 7. ed. São Paulo: Cortez, 2009.

UNEMAT, Campus Universitário Vale do Teles Pires. Histórico. Disponível em: Acessado em: 29 mar. 2015.

ZATTAR, Neuza Benedita. Do IESC à Unemat: uma história plural 1978-2008. Cáceres: Unemat, 2008.

Downloads

Publicado

06-09-2016

Como Citar

NEZ, E. de; DOS SANTOS, S. P. Perspectivas metodológicas da utilização do cinema na Educação Superior. Travessias, Cascavel, v. 10, n. 3, p. 80–98, 2016. Disponível em: https://saber.unioeste.br/index.php/travessias/article/view/14899. Acesso em: 19 jan. 2022.

Edição

Seção

EDUCAÇÃO