Memes virtuais: gênero do discurso, dialogismo, polifonia e heterogeneidade enunciativa

Autores

  • Ananias Agostinho da Silva

Palavras-chave:

Memes virtuais. Gênero do discurso. Dialogismo. Polifonia. Heterogeneidade enunciativa.

Resumo


Este artigo apresenta reflexão teórica e análise sobre os memes virtuais focalizando algumas questões de interesse dos estudos da linguagem, tais como as noções de gênero do discurso, dialogismo, polifonia e heterogeneidade enunciativa. Partindo do princípio bakhtiniano de que a linguagem é constitutivamente dialógica e, portanto, heterogênea, propomos, aqui, que os memes virtuais são gêneros do discurso essencialmente polifônicos, nos quais as vozes do outro se manifestam de diversas formas e contribuem para que os efeitos de sentido intencionados pelo produtor do gênero sejam alcançados quando do processo de replicação.

Referências

AUTHIER-REVUZ, J. Entre a transparência e opacidade: um estudo enunciativo do sentido. Porto Alegre: EDIPUCRS, 2004.

_______. Heterogeneidades enunciativas. Cadernos de Estudos Linguísticos, Campinas, IEL, 1990, p. 25-42. (Tradução: J. W. Geraldi).

_______. Hétérogénéité montrée et hétérogénéité constitutive: des éléments pour une aproche de l’autre dans le discours. DRLAV, Paris, Université de Paris VIII-Vincennes, n. 26, 1982.

BAKHTIN, M. Estética da criação verbal. Tradução Paulo Bezerra. São Paulo: Martins Fontes. 2003.

______. Marxismo e filosofia da linguagem. 7. ed. Tradução M. Lahud e Y. F. Vieira. São Paulo: Hucitec, 1981.

______. Problemas da poética de Dostoiévski (1929). 2. ed. Trad. Paulo Bezerra. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 1997.

BLACKMORE, S. The meme machine. Oxford: Oxford University Press, 1999.

BRAIT, B. A natureza dialógica da linguagem: formas e graus de representação dessa dimensão constitutiva In: FARACO, Carlos Alberto; TEZZA, Cristovão; CASTRO, Gilberto (Orgs.). Diálogos com Bakhtin. Curitiba: Editora da Universidade Federal do Paraná, 1996, p. 69-92.

______. Ironia em perspectiva polifônica. Unicamp : Campinas, 2000.

CAVALCANTE, M. M. & BRITO, M. A. P. Intertextualidades, heterogeneidades e referenciação. Linha d’Água, n. 24 (2), 2011, p. 259-276.

DAWKINS, R. O gene egoísta. Tradução de Rejane Rubino. São Paulo: Companhia das Letras, 1976.

FIORIN, J. L. Introdução ao pensamento de Bakhtin. São Paulo: Ática, 2006.

KOCH, I. G. V. O texto e a construção dos sentidos. 7ª ed. São Paulo: Contexto, 2003.

______. & ELIAS, M. V. Ler e compreender os sentidos do texto. São Paulo, Editora Contexto, 2010.

MARCUSCHI, L. A. Produção Textual, análise de gênero e compreensão. São Paulo: Parábola Editorial, 2008.

PONZIO, A. A revolução bakhtiniana. São Paulo: Contexto, 2011.

RECUERO, R. C. Memes em weblogs: proposta de uma taxonomia. Conexões nas Redes Midiáticas. Revista FAMECOS, Porto Alegre, n. 32, p. 23-31, abr. 2007.

SOUZA, C. F. Memes: formações discursivas que ecoam no ciberespaço. Vértices, Campos dos Goytacazes/ RJ, v.15, n. 1, jan./abr. 2013, p. 127-148.

SWALES, J. M. Genre analysis: English in academic and research settings. New York: Cambridge University Press, 1990.

Downloads

Publicado

06-12-2016

Como Citar

DA SILVA, A. A. Memes virtuais: gênero do discurso, dialogismo, polifonia e heterogeneidade enunciativa. Travessias, Cascavel, v. 10, n. 3, p. 341–361, 2016. Disponível em: https://saber.unioeste.br/index.php/travessias/article/view/15111. Acesso em: 19 jan. 2022.

Edição

Seção

DOSSIÊ TEMÁTICO: REFLEXÃO LINGUÍSTICA A REBOQUE DA FALTA DE REFLEXÃO SOBRE A APLICAÇÃO TEÓRICA.