A língua como instrumento opressor e libertador no contexto lusófono: o caso do Brasil e de Moçambique

Autores

  • Alexandre António Timbane
  • Meire Cristina Mendonça Rezende

Palavras-chave:

Língua, Lusofonia, Ensino, Português, Moçambique, Brasil

Resumo


O português é a língua oficial no Brasil e em Moçambique. Nos dois espaços geográficos convivem cerca de 190 línguas, sendo 170 línguas indígenas no Brasil e 20 línguas do grupo bantu em Moçambique. A variação e a mudança provocam choques com relação à norma padrão. Até que ponto o português continua hoje um instrumento que liberta as nações lusófonas e até que ponto oprime essa mesma comunidade linguística? O português oprime porque diferencia as oportunidades dos cidadãos nos diferentes setores da vida; a norma-padrão segrega e dificulta no âmbito do ensino fundamental e médio; é através do português que nos comunicamos com o mundo e trocamos experiências culturas. A pesquisa objetiva discutir as complexidades da língua portuguesa no século XXI apontando suas vantagens e desvantagens para a comunidade lusófona. Utilizando o método bibliográfico e trazendo ao debate as ideias de Bagno (2003), Oliveira (2002), Cardoso (2010), Timbane (2014) entre outros se conclui que em Moçambique há um sentimento de pertença do português. O português é língua dos moçambicanos e o número de falantes de português como língua materna tende a crescer (10,7%). No Brasil, o português é ensinado como língua materna; há preconceito linguístico com relação às variedades e dialetos; é função da escola respeitar a identidade cultural, aceitá-la, valorizá-la, legitimá-la, problematizar variedades, investigá-las, questioná-las, a fim de que o aluno tenha conhecimento e que possa escolher a norma que é adequada à cada realidade da vida.

Referências

ALKMIM, T.; PETTER, M. Palavras da África no Brasil de ontem e de hoje. In: FIORIN, J.L; PETTER, M. (Org.). África no Brasil: a formação da língua portuguesa. São Paulo: Contexto, 2008. p.145-178.

ALENCASTRO, L. F. Os africanos e as falas africanas no Brasil. In: GALVES, C.; GARMES, H.; RIBEIRO, F. R. (Org.). África-Brasil: caminhos da língua portuguesa. Campinas, SP: EdUNICAMP, 2009.p.-15-26.

BAGNO, M. A norma oculta: língua e poder na sociedade brasileira. São Paulo: Parábola, 2003.

______. Não é errado falar assim: em defesa do português brasileiro. 2ªed. São Paulo: Parábola, 2010.

______. O que é uma língua? Imaginário, ciência e hipótese. In: LAGARES, X. C.; BAGNO, M. (Org.). Políticas da norma e conflitos linguístico. São Paulo: Parábola, 2011. p. 355-388.

______. Gramática pedagógica do português brasileiro. São Paulo: Parábola, 2012.

BORBA, F. S. (Org.). Dicionário UNESP do português contemporâneo. São Paulo: UNESP, 2004.

BORTONI-RICARDO, S. M. Nós cheguemu na escola, e agora?: sociolinguística e educação. São Paulo: Parábola, 2006.

_________.; OLIVEIRA, T. de. Corrigir ou não variantes não padrão na fala do aluno. In: BORTONI-RICARDO, S. M.; MACHADO, V. R. (Org.). Os doze trabalhos de Hércules: do oral para o escrito. São Paulo: Parábola, 2013. p.45-80.

BRASIL. Constituição da República Federativa do Brasil. Brasília. 1988. Disponível em:http://www.senado.gov.br/atividade/const/con1988/con1988_05.10.1988/CON1988.pdf. Acesso em: 01 jun 2016.

CARDOSO, V. F. A língua guarani e o português no Brasil. O papel do tupi na formação do português brasileiro. In: NOLL, V.; DIETRICH, W. (Org.). O português e o tupi no Brasil. São Paulo: Contexto, 2010. p.155-166.

CASTILHO, A. T. de. Nova gramática do português brasileiro. São Paulo: Contexto, 2010.

COSERIU, E. Teoria da linguagem e linguística geral: cinco estudos. Rio de Janeiro: Presença: São Paulo: EDUSP, 1979.

DIAS, H. Minidicionario de moçambicanismos. Livraria Universitária-UEM: Maputo, 2002.

DIETRICH, W; NOLL, V. O papel do tupi na formação do português brasileiro. In: NOLL, V.; DIETRICH, W. (Org.). O português e o tupi no Brasil. São Paulo: Contexto, 2010. p.81-104.

FREIRE, J. R. B. As relações históricas entre o português e o nheengatu nos universos urbanos e rural da Amazônia. In: NOLL, V.; DIETRICH, W. (Org.). O português e o tupi no Brasil. São Paulo: Contexto, 2010. p. 183-210.

GIL, A. C. Métodos e técnicas de pesquisa social. 6ª Ed. São Paulo: Atlas, 2008 [1985].

GONÇALVES, P. Português de Moçambique: uma variedade em formação. Maputo: Ed.UEM,1996.

LOPES, A. J.; SITOE, S. J.; NHAMUENDE, P. J. Moçambicanismos: para um léxico de usos do português moçambicano. Livraria Universitária-UEM: Maputo, 2002.

LUCCHESI, D. História do contato entre línguas no Brasil. In: LUCCHESI, D.; BAXTER, A. RIBEIRO, I. (Org.). O português afro-brasileiro. Salvador: EDUFBA, 2009. p.41-74.

______; BAXTER, A. A transmissão linguística irregular. In: LUCCHESI, D.; BAXTER, A. RIBEIRO, I. (Org.). O português afro-brasileiro. Salvador: EDUFBA, 2009. p.101-124.

LYONS, J. Linguagem e linguística: uma introdução. Trad. Marilda W. Averbug, Clarice S. de Souza. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan S.A., 1987.

HOUAISS, A.; VILLAR, M. S. Dicionário Houaiss da língua portuguesa. 1.ed. Rio de Janeiro: Objetiva, 2009.

MARCONI, M. de A.; LAKATOS, E. M. Fundamentos de metodologia científica. 5ª Ed. São Paulo: Editora ATLAS S.A., 2003 [1985].

MATTOS E SILVA, R. V. O português são dois...novas fronteiras, velhos problemas. São Paulo: Parábola, 2004.

MOÇAMBIQUE. Recenseamento geral da população e habitação. Maputo: INE, 2007.

NGUNGA, A. Interferência de línguas bantu moçambicanas em português falado em Moçambique. Revista Científica da UEM. V.2, n.1, p.7-20, 2012.

NGUNGA, A.; FAQUIR, O. G. Padronização da Ortografia de Línguas Moçambicanas: Relatório do III Seminário. Col. As nossas línguas. Maputo: CEA, 2012.

OLIVEIRA, G. M. de. Brasileiro fala português: monolinguismo e preconceito linguístico. In: SILVA, F. L. da; MOURA, H. M. de M. (Org.). O direito à fala: a questão do preconceito linguístico. 2ª Ed. Florianópolis: Insular, 2002. p.83-92.

PERINI, M.A. Gramática do português brasileiro. São Paulo: Parábola, 2010.

RODRIGUES, A. D. Tupi, tupinambá, línguas gerais e português do Brasil. In: NOLL, V.; DIETRICH, W. (Org.). O português e o tupi no Brasil. São Paulo: Contexto, 2010. p.27-47.

TIMBANE, A. A. A complexidade do ensino em contexto multilíngue em Moçambique: políticas, problemas e soluções. Calidoscópio. v. 13, n. 1, p. 92-103, jan/abr 2015.

______. Que português se fala em Moçambique? Uma análise sociolinguística da variedade em uso. Vocábulo: Revista de letras e linguagens midiáticas. v.7, n.1, s.p. 2014.

VILELA, M. Português de Moçambique ou as metáforas à solta. In: Revista VERBA, v. 30, n.1, p.7-22, 2003.

Downloads

Publicado

11-12-2016

Como Citar

TIMBANE, A. A.; MENDONÇA REZENDE, M. C. A língua como instrumento opressor e libertador no contexto lusófono: o caso do Brasil e de Moçambique. Travessias, Cascavel, v. 10, n. 3, p. 388–408, 2016. Disponível em: https://saber.unioeste.br/index.php/travessias/article/view/15582. Acesso em: 19 jan. 2022.

Edição

Seção

DOSSIÊ TEMÁTICO: REFLEXÃO LINGUÍSTICA A REBOQUE DA FALTA DE REFLEXÃO SOBRE A APLICAÇÃO TEÓRICA.