Formação crítica no ensino de Inglês: reflexões sobre estágio

Autores

  • Naylane Araújo Matos Universidade Federal de Santa Catarina

Palavras-chave:

Ensino de inglês, formação crítica, estágio.

Resumo


Este artigo apresenta a análise de cinco sequências didáticas desenvolvidas no Estágio – durante meu curso de Letras (Língua Inglesa e Literaturas) na Universidade do Estado da Bahia (UNEB) em 2014 – numa perspectiva crítica, a fim de refletir como as atividades propostas contribuíram para a formação crítica dos alunos, assim como sugiro outras saídas metodológicas para o ensino de inglês. Desse modo, esta é uma pesquisa bibliográfica na qual eu uso categorias teóricas de autores da Educação e da Linguística. É também uma pesquisa documental na qual promovi tratamento analítico às sequências didáticas, embasada no aporte teórico. Os resultados apontam que: 1) as atividades desenvolvidas no Estágio apresentam uma função social e, portanto, uma perspectiva crítica. No entanto, há resquícios da Pedagogia Tradicional; 2) os professores de inglês têm problemas em propor atividades significativas para os alunos; 3) é importante aproximar os discursos e práticas entre universidade e escola a fim de efetivar práticas educacionais críticas. 

Biografia do Autor

Naylane Araújo Matos, Universidade Federal de Santa Catarina

Mestranda no Programa de Pós-Graduação em Estudos da Tradução da UFSC - Universidade Federal de Santa Catarina.

Referências

BAILEY, Kathleen. Reflective Pedagogy. In: BURNS, Anne; RICHARDS, Jack. C. Pedagogy and practice in second language teaching. 2012. p. 23-29.

BARTLETT, Leo. Teacher development through reflective teaching. In: RICHARDS, Jack C.; NUNAN, David. (Eds.). Second language teacher education. New York: Cambridge University Press, 1990. p. 202-214.

BRASIL. Orientação Curriculares para o Ensino Médio: Linguagens, códigos e suas tecnologias / Secretaria de Educação Básica. – Brasília: Ministério da Educação, Secretaria de Educação Básica, Volume 1, 2006, 239 p.

BEZEMER, Jeff; KRESS, Guther. Visualizing English: a social semiotic history of a school subject. SAGE Publications, v. 8, n. 3, p. 247-262, 2009

CALVINO, Italo. Por que ler os clássicos. 1ed. SP: Companhia das Letras, 2007.

COPE, Bill; KALANTZIS, Mary. Multiliteracies: new literacies, new learning. Pedagogies: An International Jornal, v. 4, p. 164-195, 2009.

COSSON, Rildo. Letramento literário: teoria e prática. São Paulo: Contexto, 2014.

COSTA, Marta Morais da. Sempreviva, a leitura. Curitiba: Aymará, 2009.

COX, Maria Inês. P.; ASSIS-PETERSON, Ana Antônia. Critical Pedagogy in ELT: images of Brazilian teachers of English. TESOL Quarterly, v. 33, n.3, p. 433-452, 1999.

DALVI, Maria Amélia. Literatura na escola: propostas didático-metodológicas. In: DALVI, Maria Amélia et. al. (Org.) Leitura de literatura na escola. São Paulo, SP: Parábola, 2013. p. 118-143.

FRANSON, Charlotte; HOLLIDAY, Adrian. Social and cultural perspectives. The scope of second language teacher education. In: BURNS, Anne; RICHARDS, Jack C. The Cambridge guide to second language teacher education. Cambridge: CUP. 2009. p. 40-49

FREIRE, Paulo. Pedagogia do oprimido. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 2005.

_____. A importância do ato de ler: em três artigos que se completam. 51. ed. São Paulo: Cortez, 2011.

GADOTTI, Moacir. Convite à leitura de Paulo Freire. São Paulo: Editora Scipione, 1989.

GREGGIO, Saionara; GIL, Glória. O conceito de professor reflexivo na formação de professores. In: BARROS, Solange Maria de; ASSIS-PETERSON, Maria Antônia de (Orgs.). Formação crítica de professores de línguas: Desejos e possibilidades. 2010. p. 55-68.

HAWKINS, Margaret; NORTON, Bonny. Critical Language Teacher Education. In: BURNS, Anne; RICHARDS, Jack C. The Cambridge Guide to Second Language Teacher Education. Cambridge: CUP. 2009. p. 30-39.

JORGE, Míriam Lúcia dos Santos. Novas perspectivas na formação de professores de inglês: a formação do profissional reflexivo. TELA (Textos em Linguística Aplicada) [CD-ROM]. Pelotas: Educat, 2003.

KRAMSCH, Claire. Language and culture. Oxford University Press, 1998.

ROJO, Roxane. Letramentos múltiplos, escola e inclusão social. São Paulo: Parábola editorial, 2009.

SAVIANI, Dermeval. Escola e democracia. 36. ed. Campinas, SP: Autores Assossiados, 2003.

_____. Pedagogia histórico-crítica. 11. ed. Campinas, SP: Autores Assossiados, 2013.

SCHÖN, Donald. The crisis of confidence in Professional knowledge. In: SCHÖN, Donald. The reflective practitioner. London: Temple Smith, 1983, p. 3-68.

SEVERINO, Antônio Joaquim. Metodologia do trabalho científico. 23. ed. São Paulo: Cortez, 2007.

SOARES, Magda. Letramento: um tema em três gêneros. 3. ed. Belo Horizonte: Autêntica Editora, 2011.

STEIN, Pippa. Rethinking Resources: Multimodal Pedagogies in the ESL classroom. TESOL Quarterly v. 34, n.2, p. 333-340, 2000.

UNSWORTH, Len. Teaching multiliteracies across the curriculum. Philadelphia, USA: Open University Press, 2001.

ZEICHNER, Kenneth. M.; LISTON, Daniel P. Teaching Student Teachers to Reflect. Harvard educational review, v. 57, n.1, p. 23-48, 1987.

ZEICHNER, Kenneth. M. Educating reflective teachers for learner-centered education: possibilities and contradictions. In: GIMENEZ, Telma (Org.). Ensinando e aprendendo inglês na universidade: formação de professores em tempos de mudança. Londrina: ABRAPUI. 2003. p. 3-19.

Downloads

Publicado

11-05-2017

Como Citar

MATOS, N. A. Formação crítica no ensino de Inglês: reflexões sobre estágio. Travessias, Cascavel, v. 11, n. 1, p. 1–14, 2017. Disponível em: https://saber.unioeste.br/index.php/travessias/article/view/15995. Acesso em: 28 maio. 2022.

Edição

Seção

LINGUAGEM