Da estrada ao mergulho: o sertão contemporâneo de Viajo porque preciso, volto porque te amo.

Autores

  • Márcia Vanessa Malcher dos Santos

Palavras-chave:

Literatura, cinema, Arte e Comunicação

Resumo


Este trabalho propõe uma análise do filme Viajo porque preciso, volto porque te amo (Karim Aïnouz; Marcelo Gomes, 2010), que se passa no sertão, tema historicamente herdado da literatura e que se tornou também central para o cinema nacional. O objetivo é mapear como as formas de tempo e espaço estão assimiladas no longa. Para isso, baseia-se no conceito de cronotopo, cunhado por Mikhail Bakhtin. A análise propõe que o filme de Marcelo Gomes e Karim Ainouz atualiza o tema ‘sertão’ e demonstra aspectos relevantes da visão de homem na contemporaneidade. 

Biografia do Autor

Márcia Vanessa Malcher dos Santos

Mestre em Sociologia pela Universidade Federal de São Carlos (UFSCar) e doutoranda em Sociologia pela Universidade de São Paulo (USP), na área da Sociologia da Cultura.

Referências

BAKHTIN, Mikhail. Formas de tempo e de Cronotopo no Romance (Ensaios de poética histórica). In:____. Questões de Literatura e de Estética: a Teoria do Romance. 5 ed. São Paulo: Editora Hucitec Annablume, 2002, p. 211-362.

BERNARDET, Jean-Claude. Blog do Jean-Claude. UOL, 10 de maio de 2010. Disponível em: < http://jcbernardet.blog.uol.com.br/>. Acesso em: 14 de maio. 2017.

BRANDÃO, Alessandra. Viagens, passagens, errâncias: notas sobre certo cinema latino-americano na virada do século XXI. Revista Brasileira de estudos de cinema e audiovisual (Rebeca), ano 1, número 1, 2012, p. 72- 98, jan./jun. 2012. Disponível em: <http://www.socine.org.br/rebeca/pdf/rebeca_1_3.pdf>. Acessado em: 14 de maio. 2017.

CANDIDO, Antonio. Literatura e Sociedade. 9. ed. Rio de Janeiro: Ouro sobre Azul, 2006.

GALVÃO, Maria Rita; BERNARDET, Jean-Claude. O nacional e o popular na cultura brasileira - Cinema: repercussões em caixa de eco ideológica. São Paulo: Brasiliense, 1983.

GAUDREAULT, André; JOST, François. A narrativa cinematográfica. Brasília: Editora Universidade de Brasília, 2009.

HARVEY, David. Condição pós-moderna: Uma Pesquisa sobre as origens da Mudança Cultural. 20 ed. Edições Loyola, 2010.

JAMESON, Frederic. A lógica cultural do capitalismo tardio. In:____. Pós-modernismo: a lógica cultural do capitalismo tardio. 2 ed. São Paulo: Editora Ática, 1997.

MÜLLER, Adalberto. Cinema (de) novo, estrada, sertão: notas para (se) pensar Cinema, aspirinas e urubus. Revista LOGOS 24: cinema, imagens e imaginário. Ano 13, p. 1-7, 1º semestre 2006. Disponível em: <http://www.logos.uerj.br/PDFS/24/2_adalberto.pdf>. Acesso em: 14 de maio. 2017.

NAGIB, Lucia. A utopia no cinema brasileiro. São Paulo: Cosac Naify, 2006.

PELLEGRINI, Tânia. Narrativa verbal e narrativa visual: possíveis aproximações. In: AGUIAR, Flávio. et al. Literatura, cinema e televisão. São Paulo: Ed. SENAC: Instituto Itaú Cultural, 2003.

RIDENTI, Marcelo. Intelectuais e romantismo revolucionário. São Paulo em Perspectiva, vol.15, n.2, 2001, p. 13-19, abr. 2001. Disponível em: < http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0102-88392001000200003>. Acessado em: 14 de jun. 2017.

TELES, Gilberto Mendonça. O Lu(g)ar dos sertões. In: Fernandes, Rinaldo de (org). O Clarim e a oração: cem anos de Os Sertões. São Paulo: Geração editorial, 2002.

VIANA, Irma. A escrita da nação no grande sertão de Guimarães Rosa. Baleia na Rede – Revista online do Grupo Pesquisa em Cinema e Literatura da Unesp. São Paulo, vol.1, n.6, p.236-259, dez. 2009.

Downloads

Publicado

07-12-2017

Como Citar

SANTOS, M. V. M. dos. Da estrada ao mergulho: o sertão contemporâneo de Viajo porque preciso, volto porque te amo. Travessias, Cascavel, v. 11, n. 3, p. 113–127, 2017. Disponível em: https://saber.unioeste.br/index.php/travessias/article/view/17299. Acesso em: 20 maio. 2022.

Edição

Seção

ARTE E COMUNICAÇÃO