Manhã cinzenta, estilhaços em sequência: considerações sobre a manhã que não acabou

Autores

Palavras-chave:

Cinema, História, Manhã Cinzenta, Olney São Paulo.

Resumo


A arte e a política, a partir dos estudos contemporâneos, são vistas como indissociáveis, e se realizam nos mesmos pontos: na forma e/ou no conteúdo, ou em ambos. Nesse sentido, propomos a análise do média-metragem Manhã cinzenta, de Olney São Paulo, produzido em 1969, que é um dos mais significativos filmes da resistência à ditadura civil-militar de 1964, como também é uma espécie de metáfora para a vida do próprio cineasta, sendo uma ferida em seu próprio corpo estilhaçado pela tortura. Para nossa leitura e análise partimos dos pressupostos contemporâneos de Marc Ferro (1978; 1992) e Robert Rosenstone (1996; 2010) de que os filmes e os arquivos fílmicos podem suprir a ausência dos documentos oficiais tradicionais, dos quais a História lança mão para construir seu discurso, sendo, portanto, em sentido derridiano, suplementares para a construção historiográfica, podendo ser fontes para a compreensão de contextos e de acontecimentos históricos.

Biografia do Autor

Antonia Cristina de Alencar Pires

Poeta, autora do livro "À margem do espelho" (1ª ed., 1993), em coautoria do poeta Eugênio Fontes. Doutora em Literatura Comparada pela Faculdade de Letras da UFMG; Mestre em Literatura Brasileira pela FALE/UFMG; Bacharel em Biblioteconomia pela Escola de Ciência da Informação da UFMG, é Técnica em Gestão, Proteção e Restauro do Instituto Estadual do Patrimônio Histórico e Artístico de Minas Gerais, IEPHA/MG.

Filipe Schettini

Co-diretor e produtor do curta "Noturno Interlúdio", lançado no ano de 2016, no MIS - Cine Santa Tereza, em Belo Horizonte. É estudante do curso de Cinema e Audiovisual no Centro Universitário UNA, e atua como instrutor de empresa privada, em que realiza treinamentos de colaboradores.

Gustavo Cesário de Souza Tanus

Bacharel e licenciado em português, bacharel em edição. Mestre em Teoria da Literatura pela UFMG, é autor do livro "Africanos e Afrodescendentes nas estantes: a Biblioteca Pública Estadual de Minas Gerais" (2017), e pesquisador do Núcleo de Estudos Interdisciplinares da Alteridade, NEIA/Faculdade de Letras/UFMG, onde edita, desde 2013, o boletim do "Literafro/ o portal de Literatura Afro-brasileira", compondo, ainda, o conselho executivo deste projeto.

Referências

BENJAMIN, Walter. Sobre o conceito de História. In: BENJAMIN, Walter. Obras escolhidas I: magia e técnica, arte e política. Tradução de Sergio Paulo Rouanet. São Paulo: Brasiliense, 1985. p. 222-232.

CALBO, Iza. A morte e a morte de Olney São Paulo. Neon, Salvador, ano 4, n. 34, 2002. Disponível em: <https://goo.gl/qeqGbr>. Acesso em 26 jul. 2017.

CAPELATO, Maria Helena, MORETTIN, Eduardo, NAPOLITANO, Marcos, SALIBA, Elias Thomé (Org.). História e cinema: dimensões históricas do audiovisual. São Paulo: Alameda, 2007.

CHION, Michel. La musique au cinéma. Paris: Librairie Arthème Fayard, 1995, p. 220, apud BAPTISTA, André. Funções da música no cinema: contribuições para a elaboração de estratégias composicionais. Dissertação (Mestrado em Música) − Universidade Federal de Minas Gerais, Belo Horizonte, 2007.

DANTAS, Henrique. Ser tão cinzento. Brasil: Hamaca Filmes, 2011. Documento digital, Documentário, 25 min., P&B. Trilha original de Ilya São Paulo.

DANTAS, Henrique. Sinais de cinza: a peleja de Olney contra o dragão da maldade. Produção de Hamaca Produções. Brasil: Distribuição Livres Filmes, 2017. Documentário, 88 min., col. Trilha de Ilya São Paulo.

DERRIDA, Jacques. Escritura e diferença. 2. ed. Tradução de Maria Beatriz da Silva. São Paulo: Perspectiva, 1995.

FERRO, Marc (Org.). Révoltes, révolutions, cinéma. Paris: Centre Pompidou, 1989.

FERRO, Marc. A história vigiada. São Paulo: Martins Fontes, 1988.

FERRO, Marc. Cinema e História. Tradução de Flávia Nascimento. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1992.

JOSÉ, Angela.Olney São Paulo e a peleja do cinema sertanejo. Rio de Janeiro: Quartet, 1999.

LE GOFF, Jacques; NORA, Pierre (Dir.). História: novos objetos. Tradução de Terezinha Marinho. Rio de Janeiro: Francisco Alves, 1976.

MACHADO, Irene. Memória da cultura em espaços de relações dialógicas: o caso do cinema político. In:ENCONTRO ANUAL DA COMPÓS, 25., 2016. Goiânia. Anais... Universidade Federal de Goiás, 2016. p. 1-26.

NICOLAZZI, Fernando. Algumas reflexões sobre história e cinema. História da historiografia, Ouro Preto, n. 6, p. 190-198, mar. 2011.

PINTO, Leonor E. Souza. (Des)caminhos da censura no cinema brasileiro: os anos de ditadura. Memória da Censura no Cinema Brasileiro - 1964-1988. Disponível em: <http://www.memoriacinebr.com.br>. Acesso em 14 jun. 2017.

RAMÍREZ, Ariel. Gloria (Carnavalito-Yaraví). In: RAMÍREZ, Ariel. Misa Criolla/Navidad Nuestra. Charango: Jaime Torres. Argentina: Philips, 1964.

RIOS, Dinameire Oliveira Carneiro. O cinema de Olney São Paulo: Grito da terra e o cinema nacional. Dissertação (Mestrado em Literatura e Diversidade Cultural) − Universidade Estadual de Feira de Santana, Bahia, 2013.

ROCHA, Glauber. Revolução do Cinema novo. Rio de Janeiro: Alhambra/Embrafilme, 1981.

ROSENSTONE, Robert A. História nos filmes, os filmes na história. São Paulo: Paz e Terra, 2010.

ROSENSTONE, Robert A. Visions of the past: the challenge of film to our idea of history. London: Pearson Education, 1996.

SANTOS, Maria David. Olney São Paulo: Maldição e esplendor em Manhã Cinzenta. Dissertação (Mestrado em Literatura e Diversidade) − Universidade Estadual de Feira de Santana, Bahia, 2013.

SCHVARZMAN, Sheila. Marc Ferro, cinema, história e cinejornais. ArtCultura, Uberlândia, v. 15, n. 26, p. 187-203, jan.-jun. 2013.

SENNA, Orlando. Humanismo e poesia. In: ABD NACIONAL. Dia do documentário. 7 ago. 2011. Disponível em : <https://goo.gl/WLNzoR>. Acesso em: 14 jun. 2017.

Downloads

Publicado

07-12-2017

Como Citar

PIRES, A. C. de A.; SCHETTINI, F.; TANUS, G. C. de S. Manhã cinzenta, estilhaços em sequência: considerações sobre a manhã que não acabou. Travessias, Cascavel, v. 11, n. 3, p. 137–157, 2017. Disponível em: https://saber.unioeste.br/index.php/travessias/article/view/17514. Acesso em: 20 maio. 2022.

Edição

Seção

ARTE E COMUNICAÇÃO