Representação diluída da Shoá e o Ensino: o modelo (tele)dramático na obra fílmica Olga (2004), de Jayme Monjardim

Autores

  • Márcio Henrique Muraca Universidade de São Paulo

Palavras-chave:

Shoá, representação, diluição, Olga Benário

Resumo


Estudo sobre os problemas da representação da Shoá (“Holocausto”) em obras fílmicas, tendo como base teórica noções como resistência do trauma à narrativa, memória e testemunho, conceitos presentes em textos de autores como Márcio Seligmann-Silva e Berta Waldman. O objetivo é explicitar que o comprometimento da ética quando tais obras ficcionais se valem do trauma como elemento expressivo de drama – comoção ou “lamentação”, conforme Primo Levi. Essa problemática se alarga quando tais filmes são inseridos na Educação como recurso didático, como retrato de um período histórico A obra fílmica que serve como exemplo do debate apresentado é Olga (2004), do diretor Jayme Monjardim. A metodologia segue a seguinte dinâmica: 1. a reflexão sobre a representação do trauma e sua diluição ou simplificação; 2. O modelo tele(dramático) presente em Olga, de Jayme Monjardim, e a necessidade de professores e alunos distinguirem o que é “real” e o que é estilização (ou encenação) desse “real”. Nas considerações finais, propõe-se que o gênero documentário, ao lado da literatura de testemunho, problematiza melhor a Shoá e o trauma, sobretudo no ambiente escolar, porque são materiais textuais que se aproximam e se afastam da experiência traumática, tanto quanto de sua fragmentação, resultado do seu “choque violento”.

Biografia do Autor

Márcio Henrique Muraca, Universidade de São Paulo

Márcio Henrique Muraca é doutor em Letras pela Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas da Universidade de São Paulo (FFLCH - USP), área de concentração Estudos Judaicos, do Departamento de Letras Orientais. Sua tese, publicada em livro pela editora Humanitas, é intitulada Jorge Amado e o judeu.

Referências

ADORNO, Theodor W.;HORKHEIMER, Max. A indústria cultural: o esclarecimento como mistificação das massas. In: Dialética do esclarecimento – fragmentos filosóficos. Rio de Janeiro: Zahar, 1985.

BENJAMIN, Walter. A obra de arte na época da sua reprodutibilidade técnica. In: LIMA, Luiz Costa. Teoria da Cultura de Massa. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1990, p. 215-254.

______. Passagens. Belo Horizonte: UFMG, 2006.

CORTINA, Arnaldo; SILVA, Fernando Moreno. Um olhar sobre a leitura de best-seller. Travessias, PR, v.2, n.1, p.1-19, 2008.

DW – Deutsche Welle. Filme “Olga” decepciona crítica alemã. Disponível em: http://www.dw.com/pt-br/filme-olga-decepciona-cr%C3%ADtica-alem%C3%A3/a-2167052. Acesso em: 1 ago. 2017.

GINZBURG, Carlo. Mitos, emblemas, sinais – Morfologia e história. São Paulo: Companhia das Letras, 1991.

JAMESON, Fredric. As marcas do visível. Rio de Janeiro: Graal, 1995.

KURTZ, Adriana. O cinema depois de Auschwitz: os dilemas da representação do Holocausto. Devires, MG, v.3, n.1, p.46-63, 2006.

LEVI, Primo. Os afogados e os sobreviventes. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1990.

MENDONÇA, Martha;MARTINS, Elisa. Um mito chamado Olga. Época. ago, 2004. Disponível em: http://revistaepoca.globo.com/Revista/Epoca/0,,EDR65925-6011,00.html. Acesso em: 1 ago. 2017.

MUNIZ, Veyzon Campos. O caso Olga Benario Prestes: um estudo crítico sobre o habeas corpus nº 26.155/1936. Direito&Justiça, RS, v.37, n.1, p.36-60, 2011.

MURACA, Márcio Henrique. Que seria na realidade o judeu de Jorge Amado, Graciliano Ramos e Rachel de Queiroz?. Vértices, SP, v.17, p.65-71, 2014.

OLGA. Jayme Monjardim. Brasil: Lumière: Globo Filmes, 2004. DVD (141 mim.), Drama, son. (port.), color, NTSC.

OLGA BENÁRIO – Uma vida pela Revolução. Galip Iytanir. 2003. Disponível em: https://www.youtube.com/watch?v=hAJS30qEWtM. Acesso em: 1 ago. 2017.

SELIGMANN-SILVA, Márcio (Org.). História, memória, literatura – o testemunho na Era das Catástrofes. Campinas: Unicamp, 2003.

TUCCI CARNEIRO, Maria Luiza. O antissemitismo na era Vargas – Fantasmas de uma geração (1930-1945). São Paulo: Perspectiva, 2001.

WALDMAN, Berta. Sobrevoando Auschwitz: As aves da noite [de Hilda Hilst]. In: NASCIMENTO, Lyslei;JEHA, Julio (Org.). Estudos Judaicos: Shoá, o mal e o crime. São Paulo: Humanitas, 2012. p.13-33.

WIAZOVSKI, Taciana. O mito do complô judaico-comunista no Brasil – Gênese, difusão e desdobramentos (1907-1954). São Paulo: Humanitas, 2008.

Downloads

Publicado

26-09-2017

Como Citar

MURACA, M. H. Representação diluída da Shoá e o Ensino: o modelo (tele)dramático na obra fílmica Olga (2004), de Jayme Monjardim. Travessias, Cascavel, v. 11, n. 2, p. 140–151, 2017. Disponível em: https://saber.unioeste.br/index.php/travessias/article/view/17516. Acesso em: 22 maio. 2022.

Edição

Seção

DOSSIÊ TEMÁTICO: CINEMA, EDUCAÇÃO, HISTÓRIA E OUTRAS TRAVESSIAS