O filme Nome Próprio, de Murilo Salles: A pós-modernidade e a confluência entre internet, literatura e cinema

Autores

  • Fabiana Maceno Domingos Pedrolo Unioeste
  • Acir Dias da Silva Doutor em Educação, Conhecimento, Linguagem e Artes pela Unicamp

Palavras-chave:

Pós-modernidade, Cinema, Hibridismo.

Resumo


As confluências entre o cinema e a literatura tem despertado cada vez mais a hibridização destas duas formas de arte que, uma vez unidas, conseguem potencializar suas significações e interpretações. O filme a ser analisado é uma adaptação inspirada no romance Máquina de Pinball, de Clarah Averbuck, publicado em 2002. A obra nasceu das reflexões advindas do blog da mesma autora e culminou finalmente no cinema com Nome Próprio(2007). Sob a direção de Murilo Salles, é um exemplo de que o cinema tem se aproximado cada vez mais do universo da escrita e vice versa.  O longa metragem apresenta a personagem Camila, blogueira, subversiva e com viés existencialista, a jovem enfrenta diversas angústias e conflitos psicológicos mesclados com sua necessidade compulsiva por escrita e leitura.  Obstinada por escrever um livro e, por conseguinte, tecer a vida, a protagonista é a representação daquele que escreve esperando que a sua literatura transforme a própria história. No livro, Camila é um alter ego da própria autora e apresenta características potencializadas na adaptação para o cinema. Este artigo visa elencar elementos híbridos presentes nas obras, suas intersecções, distanciamentos e analisar a forma como o texto escrito foi reinventado na construção fílmica tendo como parâmetro sua peça principal, Camila. Para tanto, serão consultadas a bibliografia que sustenta a teoria da condição pós-moderna de Bauman, do existencialismo de Sartre e as ligações entre cinema e literatura presentes na adaptação além das considerações advindas da era cibernética.

Biografia do Autor

Fabiana Maceno Domingos Pedrolo, Unioeste

Formada em Letras pela Unioeste -Cascavel, Mestranda do PPG em Letras, pela Unioeste

Acir Dias da Silva, Doutor em Educação, Conhecimento, Linguagem e Artes pela Unicamp

Docente do PPG - Letras - Universidade Estadual do Oeste do Paraná

Referências

AVERBUCK, Clarah. Máquina de Pinball. São Paulo: Conrad Editora do Brasil, 2002.

BAUMAN, Zygmunt. Amor líquido. São Paulo: Zahar, 2011.

BAUMAN, Zygmunt. 44 cartas do mundo líquido moderno. São Paulo: Zahar, 2011.

BENJAMIN, Walter. Origem do drama barroco alemão. Tradução: Sergio Paulo Rouanet. São Paulo: Editora Brasiliense, 1984.

CARRIÈRE, Jean-Claude. A linguagem secreta do cinema. Edição especial. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 2015.

GOMES, Paulo Emilio Salles et al. A personagem cinematográfica in A personagem de ficção. São Paulo: Editora Perspectiva, 1964.

HUTCHEON, Linda. Uma teoria da adaptação. Florianópolis: Editora UFSC, 2013.

MCHULAN, Marshall. Os meios de comunicação como extensões do homem. Tradução Décio Pignatari. São Paulo: Editora Cultrix, 1964.

NOME Próprio. Direção de Murilo Sales. 2007. (120 min.), son., color.

PALFREY, John. Nascidos na era digital. Entendendo a primeira geração de nativos digitais. Porto Alegre: Grupo A, 2011.

SANTOS, Jair Ferreira dos. O que é pós-moderno. São Paulo: Brasiliense, 2004.

SARTRE, Jean-Paul. O existencialismo é um humanismo. Rio de Janeiro: Vozes, 1996.

STAM, Robert. Introdução à teoria do cinema. 5ª edição. São Paulo: Papirus Editora, 2013.

Downloads

Publicado

07-12-2017

Como Citar

PEDROLO, F. M. D.; SILVA, A. D. da. O filme Nome Próprio, de Murilo Salles: A pós-modernidade e a confluência entre internet, literatura e cinema. Travessias, Cascavel, v. 11, n. 3, p. 295–307, 2017. Disponível em: https://saber.unioeste.br/index.php/travessias/article/view/18097. Acesso em: 20 maio. 2022.

Edição

Seção

DOSSIÊ TEMÁTICO: LITERATURA E MULTIMEIOS