A educação inclusiva: saberes em construção

Autores

  • Marciana Pelin Kliemann

Palavras-chave:

Inclusão. Ambiente Escolar. Formação de Professores. Deficiências.

Resumo


o objetivo deste artigo é propor saberes sobre inclusão, rememorar condições históricas, discutindo e aflorando a proposta atual. Se outrora pareciam imutáveis, atualmente percebe-se a volatilidade de conceitos, posições, nomenclaturas e ações de acessibilidade, as condições de estudo e promoção da educação inclusiva, ainda que, 12 anos após a implantação da proposta brasileira de Educação Inclusiva no Brasil, pode-seperceber que os avanços, apesar de serem vastos, são insuficientes para realmente garantir as condições de acesso e permanência de todos os estudantes, ainda mais daqueles que precisam de serviços e recursos que permitam condições de efetivo crescimento acadêmico e social. Na segunda sessão deste artigo, propõem-se algumas atividades práticas que podem ser desenvolvidas em sala de aula, com o intuito de incluir todos e prover situações de ensino e aprendizagem significativas e condizentes com todas as necessidades variadas de aprendizado.

Referências

AMIRALIAN, M. L. T. M. Psicologia do Excepcional. v. 8. São Paulo: EPU, 1986.

BIANCHETTI, L. Aspectos históricos da apreensão e da educação dos considerados deficientes. Revista Brasileira de Educação Especial, v. 2, n. 3. 1995.

BRASIL. Lei nº 9394 de 20 de dezembro de 1996 que estabelece as diretrizes e bases da educação nacional. Brasília: Presidência da República, 1996.

CADER-NASCIMENTO, F. A. A. A.; COSTA, M. P. R. Mediação pedagógica no processo de desenvolvimento da comunicação em crianças surdocegas. Temas em Psicologia da SBP, n. 11, v. 2, p. 85-96. [s.d.]. 2003.

CARVALHO, A. R.; ROCHA, J. V.; SILVA, V. L. R. Pessoa com deficiência na história: modelos de tratamento e compreensão. In: Programa Institucional de Ações Relativas às pessoas com Necessidades Especiais - PEE (Org.). Pessoa com deficiência na sociedade: aspectos teóricos e práticos. Cascavel: EDUNIOESTE, 2006.

GLAT, R. Questões Atuais em Educação Especial. A Integração Social dos Portadores de Deficiências. v. 1, 2. ed. Rio De Janeiro: Sette Letras, 1998. 54 p.

MANTOAN, M. T. E., GAIO, R; MENEGHETTI, R. G. K. (Orgs.). Caminhos Pedagógicos da Educação Especial. Petrópolis, RJ: Vozes, 2004. 80-93 p.

MANTOAN, M. T. E. Inclusão é o privilégio de conviver com as diferenças. Nova Escola, São Paulo, Edição 182, p. 24-26, maio. 2005.

MANTOAN, M. T. E. Caminhos pedagógicos da inclusão. Disponível em: <http://www.educaçãoonline.pro.br./art>. Acesso em: 21 set. 2015.

MANZINI, E. Integração de alunos com deficiências: perspectivas e prática pedagógica. Marília: Unesp. FFC, 1999.

MAZZOTA, M. J. S. Educação Especial no Brasil: História e Políticas Públicas. 3.ed. SP: Cortez, 2001.p. 27-28.

SASSAKI, R. K. Inclusão: construindo uma sociedade para todos.Rio de Janeiro: WVA, 1997.

RAIÇA, M. T. B. de O. A Educação Especial do Deficiente Mental. São Paulo: EPU, 1999.

TENOR, A. C. A inclusão do aluno surdo no ensino regular na perspectiva de professores da rede municipal de ensino de Botucatu. São Paulo, 2008. Disponível em: . Acesso em: 20 set. 2012.

VIGOSTKI, L. S. Fundamentos de defectologia. In: Obras completas. Tomo V. Havana: Editorial Pueblo y educación, 1997. p.74-87.

Downloads

Publicado

01-02-2018

Como Citar

KLIEMANN, M. P. A educação inclusiva: saberes em construção. Travessias, Cascavel, v. 11, n. 3, p. 452–463, 2018. Disponível em: https://saber.unioeste.br/index.php/travessias/article/view/18188. Acesso em: 27 jan. 2022.

Edição

Seção

EDUCAÇÃO