Conceição Evaristo e as configurações de um Bildungrsroman de pobre

Autores

  • Luiz Carlos Felipe UEM Universidade Estadual de Maringa
  • Alba Krishna Topan Feldman Universidade Estadual de Maringá

Palavras-chave:

Conceição Evaristo, Literatura negro-brasileira, Bildungsroman, Afrocentrismo.

Resumo


A publicação do romance Ponciá Vicêncio (2003) coincide com algumas proposições de bases legais na área da educação e da cultura, vindas à luz no decênio 1995-2005. Primeiramente, parto dessa análise contextual para ler o romance de Conceição Evaristo como uma proposta parodística ao modelo de Bildungsroman eurocêntrico. Essa narrativa rompe com a tradição burguesa desse gênero literário. Afinal, é uma escritora negra, contando a história da infância, da juventude e da maturidade de uma mulher negra, periférica, pobre e – diferentemente do que ocorre no romance de formação tradicional – cuja experiência de vida não contabiliza vitórias pessoais exemplares, dignas de orgulho. Ponciá Vicêncio protagoniza, em seu projeto de viver na cidade, a derrota não só como mulher e esposa, mas também como mãe. Então, o que quer esse antirromance de formação? Partindo dos estudos de Duarte (2006, 2011), Maas (2000), Woodward (2000) e Schmidt (2009), tomo por base a análise da Bildung na literatura contemporânea de autoria negra, com o objetivo de responder a essa questão. Relaciono as implicações entre os conceitos de formação e de identidade, utilizando-me do afrocentrismo na perspectiva de Nogueira Júnior (2010) e Nascimeto (2016). Esses posicionamentos teóricos são contextualizados e visam colaborar para a configuração de uma Bildung negra e sua expressão literária.

Biografia do Autor

Luiz Carlos Felipe, UEM Universidade Estadual de Maringa

Mestrando no programa de pos-graduacao em Letras (UEM). area de concentracao Estudos Literarios. Linha de PesquisaÇ Literatura e Construcao de Identidades.

Referências

ABREU, Márcia. Cultura letrada: literatura e leitura. São Paulo: Editora UNESP, 2006.

CAMPOS, Maria Consuelo Cunha; DUARTE, Eduardo de Assis. “Conceição Evaristo” In: DUARTE, Eduardo de Assis. (Org.) Literatura e afrodescendência no Brasil: antologia crítica. Belo Horizonte: Editora UFMG, 2011. p. 207-226.

COQUEIRO, Wilma dos Santos. Poéticas do deslocamento: representações de identidades femininas no Bildungsroman de autoria feminina contemporânea. 2014. 250 f. Tese de doutorado (Doutorado em Estudos Literários) – Programa de Pós-Graduação em Letras da Universidade Estadual de Maringá (UEM).

CUTI. [Luiz Silva]. Literatura negro-brasileira. São Paulo: Selo Negro, 2010.

DALCASTAGNÈ, Regina. A personagem do romance brasileiro contemporâneo: 1990-2004. Estudos de Literatura Brasileira Contemporânea, n.26. Brasília, jul-dez de 2005, p. 13-71.

DALCASTAGNÈ, Regina. “Identidades negras no romance brasileiro contemporâneo”. In: WALTY, Ivete Lara Camargos [et.al.]. Mobilidades culturais: agentes e processos. Belo Horizonte: Veredas & Cenários, 2009. p. 99-123.

DALCASTAGNÈ, Regina. A personagem negra na literatura contemporânea. In: DUARTE, Eduardo de Assis. (Org.) Literatura e afrodescendência no Brasil: antologia crítica. Belo Horizonte: Editora UFMG, 2011. p. 309-337.

DIJK, TeunA.van. Racismo e discurso na América Latina (org.) 2.ed. São Paulo: Contexto, 2012.

DUARTE, Eduardo de Assis. O Bildungsroman afro-brasileiro de Conceição Evaristo. Revista Estudos Feministas, UFSC, Florianópolis, v. 14, n.1, p. 305-308, jan-abr de 2006. (Resenha).

EVARISTO, Conceição. Ponciá Vicêncio. 2.ed. Belo Horizonte: Mazza Edições, 2005.

EVARISTO, Conceição. Olhos d’água. Rio de Janeiro: Pallas: Fundação Biblioteca Nacional, 2014.

LOPES, Denilson. O homem que amava rapazes e outros ensaios. Rio de Janeiro: Aeroplano, 2002.

MAAS, Wilma Patrícia. O cânone mínimo: o Bildungsroman na história da literatura. São Paulo: Editora UNESP, 2000.

MOISÉS, Massaud. Dicionário de termos literários. São Paulo: Cultrix, 1974.

NASCIMENTO, Elisabete. Afroletramento docente. Afrocentricidade. 26 out. 2010. <http://alb.com.br/arquivo-morto/portal/5seminario/PDFs_autores/Elisabete_Nascimento.pdf.>Acesso 19 jul. 2016.

NOGUEIRA JÚNIOR, Renato. Afrocentricidade e educação: os princípios gerais para um currículo afrodescendente. Revista África e Africanidades, ano 3, n. 11, 2010. <http://www.africaeafricanidades.com.br/> Acesso 19 set.2016.

PINTO, Cristina Ferreira. O Bildungsroman feminino: quatro exemplos brasileiros. São Paulo: Perspectiva, 1990. (Col. Debates; v. 233)

SCHMIDT, Simone Pereira. Cravo, canela, bala e favela. Revista Estudos Feministas UFSC, Florianópolis, v. 17, n.3, p. 799-817, set/dez de 2009.

SEED. História e cultura afro-brasileira e africana: educando para as relações etnicorraciais. Curitiba: SEED, PR, 2006.

SILVA, Paulo Vinicius da; ROSEMBERG, Fúlvia. “Brasil: lugares de negros e brancos na mídia”. In: DIJK, TeunA.vanRacismo e discurso na América Latina (org.) 2.ed. São Paulo: Contexto, 2012.

WERNECK, Jurema. “Introdução”. In: EVARISTO, Conceição. Olhos d’água. Rio de Janeiro: Pallas: Fundação Biblioteca Nacional, 2014. p. 13-14.

WOODWARD, Kathryn. “Identidade e diferença: uma introdução teórica e conceitual”. In: SILVA, Tomaz Tadeu da. (org). Identidade e diferença: a perspectiva dos estudos culturais. Petrópolis: Vozes, 2000. p. 7-72.

Downloads

Publicado

04-05-2018

Como Citar

FELIPE, L. C.; FELDMAN, A. K. T. Conceição Evaristo e as configurações de um Bildungrsroman de pobre. Travessias, Cascavel, v. 12, n. 1, p. 258–276, 2018. Disponível em: https://saber.unioeste.br/index.php/travessias/article/view/19202. Acesso em: 25 jan. 2022.

Edição

Seção

DOSSIÊ TEMÁTICO: Escrituras femininas à margem: diálogos na América Latina e na Península Ibérica