Levemos a mulher à Academia Brasileira de Letras! Tetrá de Teffé, a primeira romancista premiada pelos imortais

Autores

  • Gabriela de Lima Grecco Docente e Investigadora Postdoctoral Departamento de Historia Contemporánea

Palavras-chave:

Academia Brasileira de Letras, escritoras, cânone, Tetrá de Teffé.

Resumo


Este artigo tem como objetivo analisar o papel das mulheres intelectuais e escritoras durante a década dos anos trinta e quarenta no Brasil, enfocando o seu estudo na romancista Tetrá de Teffé e na sua obra Bati à porta da vida, galardoada em 1941 com o Prêmio Machado de Assis, prêmio outorgado pela Academia Brasileira de Letras. Por um lado, se estuda o cânone literário como um espaço eminentemente patriarcal e, assim, busca-se compreender os conflitos existentes em relação ao ingresso das mulheres no panteão dos imortais, a Academia Brasileira de Letras. Por outro lado, através do semanário carioca O Malho, examina-se os discursos construídos pela imprensa e pelas próprias intelectuais para reivindicar a sua participação em um lugar de consagração cultural. Neste artigo, pois, há vidas esquecidas de mulheres brilhantes que foram importantes atrizes na arena política, social e cultural brasileira, mas que terminaram no porão da história e do cânone literário. Entre estas mulheres encontra-se Tetrazzini de Almeida Nobre de Teffé, escritora brasileira de grande prestígio durante as primeiras décadas do século XX. Porém, o status não-canônico de sua obra, tão frequente no caso de mulheres escritoras, demonstra a invisibilização e o silenciamento que sofreram diversas mulheres das letras.

Biografia do Autor

Gabriela de Lima Grecco, Docente e Investigadora Postdoctoral Departamento de Historia Contemporánea

Facultad Filosofía y Letras UAM
Universidad Autónoma de Madrid • Campus de Cantoblanco
c/ Calle Francisco Tomás y Valiente, 1 - 28049, Madrid

Referências

AGUADO, Ana e SANFELIU, Luz. Caminos de Democracia. Ciudadanías y Culturas Democráticas en el Siglo XX. Granada: Comares, 2014.

AMADO, Jorge. Anuario Brasileiro De Literatura. Rio de Janeiro: Pongetti, 1941, p. 25.

ASMAR FANINI, Michele. A (in)visibilidade de um legado. Seleta de textos dramatúrgicos inéditos de Júlia Lopes de Almeida. São Paulo: Fapesp, 2016.

ASMAR FANINI, Michele. As mulheres e a Academia Brasileira de Letras, História, 29, 1 Franca, 2010, p. 345-367.

BOURDIEU, Pierre. O poder simbólico. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2010.

CÂNDIDO, Antônio. Literatura e Sociedade. Rio de Janeiro: Ouro sobre azul, 2010.

CAPDEVILA-ARGÜELLES, Nuria. Autoras inciertas. Madrid: Sílex, 2017.

CHAUDHURI, Nupur. Contesting arquives: Finding women in the sources. Illinois: University of Illinois, 2010.

EL FAR, Alessandra. A encenação da imortalidade: uma análise da academia brasileira de letras nos primeiros anos da república (1897-1924). Rio de Janeiro: FGV, 2000.

FERNÁNDEZ AUZMENDI, Nazaret. El canon literario: un debate abierto. Per Abaat, 7, 2008, p. 61-82.

FERREIRA, Antônio Celso. A fonte fecunda. In: PINSKY, Carla Bassanezi; DE LUCA, Tânia Regina (Org). O historiador e suas fontes. São Paulo: Editora Contexto, 2009.

GAL, Susan. Language and the art of resistance. Cultural Anthropology, 10, 3, 1995, p. 407-424.

GOMES, Ângela Maria de Castro. História e historiadores. A política cultural do estado novo. Rio de Janeiro: FGV, 1996.

KARAWEJCZYK, Mônica. Urnas e saias: uma mistura possível. A participação feminina no pleito eleitoral de 1933, na ótica do jornal Correio do Povo. Topoi, 11, 21, 2010, p. 204-221.

KILOMBA, Grada. Plantation Memories: Episodes of Everyday Racism. Münster: Unrast Verlag, 2012.

KOTHE, Flávio. O Cânone colonial: Ensaios. Brasília: Editora Universidade de Brasília, 1997.

LEFEVERE, André. Traducción, reescritura y la manipulación del canon literario. Salamanca: Ediciones Colegio de España, 1997.

LIMA DUARTE, Constância. Feminismo e Literatura. Estudos Avançados, 17, 49, 2003, p. 151-172.

LOTMAN, Mijaíl Iuri. El arte canónico como paradoja informacional. Criterios, 30, 1993, p. 23–29.

MARSHAL, Thomas. Ciudadanía y clase social. Revista Española de Investigaciones Sociológicas, 79, 1997, p. 297-344.

REIS, Roberto. Cânon. In: JOBIM, J.L. (org). Palavras da crítica. Tendências e conceitos no estudo da Literatura. Rio de Janeiro: Imago, 1992, p. 65-92.

RIBEIRO, Djamila. O que é lugar de fala?. Belo Horizonte: Letramento, 2017.

SAID, Edward. Cultura e Imperialismo. São Paulo: Companhia das Letras, 2005.

STANFORD FRIEDMAN, Susan. The return of the repressed in women’s narrative. The Journal of Narrative Technique, 19, 1, 1989, p. 141-156.

TEFFÉ, Tetrá de. Bati à porta da vida. Rio de Janeiro: Pongetti Editores, 1941.

FONTE PRIMÁRIA

A NOITE, 1940, 26 de setembro, p. 14.

O MALHO, 1936, 13 de agosto, p. 13.

O MALHO, 1936, 27 de agosto, p. 19.

O MALHO, 1936, 17 de setembro, p. 20.

O MALHO, 1936, 24 de dezembro, p. 28.

O MALHO, 1937, 4 de novembro, p. 21.

Downloads

Publicado

04-05-2018

Como Citar

GRECCO, G. de L. Levemos a mulher à Academia Brasileira de Letras! Tetrá de Teffé, a primeira romancista premiada pelos imortais. Travessias, Cascavel, v. 12, n. 1, p. 177–192, 2018. Disponível em: https://saber.unioeste.br/index.php/travessias/article/view/19326. Acesso em: 25 jan. 2022.

Edição

Seção

DOSSIÊ TEMÁTICO: Escrituras femininas à margem: diálogos na América Latina e na Península Ibérica