Questões ecológicas em Não verás país nenhum, do escritor Ignácio de Loyola Brandão

Autores

  • Estela Pereira dos Santos Universidade Estadual de Maringá
  • Evely Vânia Libanori Universidade Estadual de Maringá (UEM)

Palavras-chave:

Não verás país nenhum, Ecocrítica, Slavoj Žižek

Resumo


O romance Não verás país nenhum (2008), do escritor brasileiro Ignácio de Loyola Brandão, foi publicado nos anos 80 e até hoje é muito lido e impressiona seus leitores em função de seu caráter apocalíptico no que diz respeito às questões ecológicas. O narrador e personagem, Souza, conta-nos sobre aquilo que poderá vir a ser o nosso país, um total caos criado pelo próprio ser humano com o passar do tempo. No romance, há uma assustadora escassez de alimentos e água; a proibição de livre circulação da população; a opressão; o autoritarismo; a falsificação da história; o sol aniquilando vidas; a fome matando mais que o sol e, também, a forte presença da violência. Este artigo, portanto, tem como objetivo estudar as questões ecológicas que são apresentadas nesta obra literária, articulando dois conceitos teóricos: o conceito de ecocrítica, postulado pelo professor Greg Garrard no livro Ecocrítica (2006) e de violência objetiva, discutido pelo filósofo e psicanalista esloveno Slavoj Žižek no livro Violência: seis reflexões laterais (2014).  Ao aplicarmos os conceitos de modo articulado, concluímos que romance de Brandão é permeado por catástrofes ambientais, oriundas do mau funcionamento do sistema político e econômico, em função do Capitalismo Global que exclui e aniquila direitos humanos fundamentais.

Biografia do Autor

Estela Pereira dos Santos, Universidade Estadual de Maringá

Mestra em Letras - Estudos Literários pelo Programa de Pós-graduação em Letras da Universidade Estadual de Maringá (PLE-UEM). Graduada em Letras - Português e literaturas correspondentes (UEM). Editora e colaboradora do site Homo Literatus.

Evely Vânia Libanori, Universidade Estadual de Maringá (UEM)

Doutora e mestra em Letras pela Universidade Estadual Paulista – Assis (UNESP). Docente do Departamento de Teorias Linguísticas e Literárias (DTL) e do Programa de Pós-graduação em Letras (PLE) da Universidade Estadual de Maringá (UEM).

Referências

AGUIAR E SILVA, Vitor Manuel de. Teoria da Literatura. Coimbra: Livraria Almedina, 1983, p. 698-699.

BILAC, Olavo. A Pátria. In: BILAC, Olavo. Poesias infantis. 17. ed. Rio de Janeiro: Francisco Alves, 1949.

BRANDÃO, Ignácio de Loyola. Não verás país nenhum. São Paulo: Global, 2008.

CADERNOS de literatura brasileira. Ignácio de Loyola Brandão. N. 11. Rio de Janeiro: Instituto Moreira Salles, 2001.

DIOGO, Renildo Felipe. Não verás natureza alguma: imagens do caos na distopia de Ignácio de Loyola Brandão. In: ENCONTRO DE DIÁLOGOS LITERÁRIOS, 1, 2013, Campo Mourão. Anais... Campo Mourão: Unespar, 2013, 281-290.

GARRARD, Greg. Ecocrítica. Brasília: Universidade de Brasília, 2006.

JARDIM, Maiara Usai; LIBANORI, Evely Vânia. Os animais não humanos em Perto do Coração Selvagem, de Clarice Lispector. Revista Rascunhos Culturais, Coxim/MS, v. 5, n. 9, jan./jun., 2014. Disponível em <http://revistarascunhos.sites.ufms.br/files/2015/03/9ed_artigo_7.pdf>. Acesso em: 25 set. 2016.

REIS, Carlos; LOPES, Ana Cristina M. Dicionário de teoria da narrativa. São Paulo: Editora Ática, 1988.

SANTOS, Estela Pereira dos; SILVA, Marisa Corrêa. Manifestações de violência(s) no romance Não verás país nenhum, de Ignácio de Loyola Brandão. Muitas Vozes, v. 4, n. 2, p. 227-237, 2015.

SILVERMAN, Malcolm. Protesto e o novo romance brasileiro. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2000, p. 341-418.

ŽIŽEK, Slavoj. Violência: seis reflexões laterais. São Paulo: Boitempo, 2014.

Downloads

Publicado

29-08-2018

Como Citar

SANTOS, E. P. dos; LIBANORI, E. V. Questões ecológicas em Não verás país nenhum, do escritor Ignácio de Loyola Brandão. Travessias, Cascavel, v. 12, n. 2, p. 89–104, 2018. Disponível em: https://saber.unioeste.br/index.php/travessias/article/view/19650. Acesso em: 24 jan. 2022.

Edição

Seção

DOSSIÊ TEMÁTICO: As ressonâncias do pensamento de Zizek para Cultura e Literatura