Contribuições da tecnologia no ofício de revisar textos: os processadores de textos e a internet como instrumentos facilitadores desse processo

Autores

Palavras-chave:

Revisão de textos, Novas tecnologias, Processadores de textos, Internet.

Resumo


Há consenso de que todo profissional tem o compromisso de estar em constante atualização, mesmo depois de formado, independentemente de sua área de atuação. Nesse sentido, também o revisor de textos, profissional que efetua a atividade foco desta pesquisa, precisa aperfeiçoar e atualizar seu conhecimento e seu domínio nessa prática, principalmente no que diz respeito ao uso dos recursos oferecidos pelo computador e pela Internet, já que esses instrumentos tendem a facilitar e agilizar seu trabalho, seja qual for o gênero textual em estudo (MARCHUSCHI, 2010; XAVIER, 2005). Nessa perspectiva, o objetivo do presente artigo é mostrar as vantagens do uso da tecnologia, através dos processadores de textos, de ferramentas word e da internet, apontando em que aspectos eles podem contribuir no trabalho do revisor, facilitando sua tarefa diária. Com esse escopo, realizamos uma pesquisa bibliográfica e construímos uma resenha teórica, tomando como base os estudos de Lévy (1999), Chartier (2002, 2016), Marcuschi e Xavier (2004), Serra (2007) e Santos (2009), sobre os recursos que a tecnologia, especialmente seu funcionamento em rede, proporciona à prática de revisão, os quais, quando bem dominados, servem de apoio a essa atividade profissional.

Biografia do Autor

Cleide Inês Wittke, Universidade Federal de Pelotas

Graduação em Português, Inglês e Alemão.

Mestrado em Linguística Aplicada pela UFSM

Doutorado pela PUCRS, em Linguística Aplicada.

Pós-doutorado na em Didática das Línguas pela Universidade de Genebra, Suíça.

Professora associada na graduação e na pós-graduação no Centro de Letras e Comunicação da UFPEL.

Mayara Espindola Lemos, Mestranda na Universidade Federal de Pelotas.

Graduação em Bacharelado em Letras - RRT, pela UFPel

Especialização em Revisão de textos pelo Centro Universtitário Ritter dos Reis.

Mestranda no Pós de Letras - área de linguagem da UFPel

Referências

BUZATO, M. E. K. Novos letramentos e apropriações metodológicas: conciliando, heterogeneidade, cidadania e inovação em rede. In: RIBEIRO, A. E. et al. Linguagem tecnologia e educação. São Paulo: Petrópolis, 2009.

CASTELLS, M. A sociedade em rede. 8. ed. v. 1. São Paulo: Paz e terra, 2005.

CAVALCANTE, M. P. Os desafios da produção textual e a importância do revisor na análise de textos. 2011. 60 f. Trabalho de conclusão de curso (Graduação) – Faculdade de Letras, Universidade de Brasília, Brasília, 2011.

CHARTIER, R. Os desafios da escrita. São Paulo: Editora UNESP, 2002.

CHARTIER, R. Roger Chartier: Os livros resistirão às tecnologias digitais. [agosto, 2007]. São Paulo: Associação Nova Escola. Entrevista concedida a Cristina Zahar. Disponível em: http://novaescola.org.br/lingua-portuguesa/fundamentos/roger-chartier-livros-resistirao-tecnologias-digitais-610077.shtml Acesso em: 12 ago. 2016.

CHARTIER, R. Para historiador Roger Chartier, eBook jamais substituirá livro físico. [30 julho, 2016]. Rio de Janeiro: O Globo. Entrevista cedida a Leonardo Caze. Disponível em: http://oglobo.globo.com/cultura/livros/para-historiador-roger-chartier-book-jamais-substiuira-livro-fisico-19813577 Acesso em: 14 ago. 2016.

COELHO NETO, A. Além da Revisão: critérios para revisão textual. 2. ed. São Paulo: SENAC, 2008.

COSCARELLI, C; V. Textos e hipertextos: procurando o equilíbrio. Linguagem em (Dis)curso, Palhoça, SC, v. 9, n. 3, p. 549-564, set./dez. 2009.

CRYSTAL, D. A revolução da linguagem. Tradução Ricardo Quintana. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Ed., 2005.

DEJAVITE, F. A.; MARTINS, P. C. O revisor de texto no jornal impresso diário e seu papel na sociedade da informação. Comunicação & inovação – Revista do Programa de Pós-Graduação em Comunicação da USCS, v. 7, n. 13, jul./dez. 2006. Disponível em: http://seer.uscs.edu.br/index.php/revista_comunicacao_inovacao/article/view/649. Acesso em: 1 ago. 2016.

HOUAISS, A; VILLAR, M. S. Minidicionário Houaiss da língua portuguesa. 4. ed. rev. e aumentada. Rio de Janeiro: Objetiva, 2010.

JOHNSON, S. Cultura da interface: como o computador transforma nossa maneira de criar e comunicar. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Ed., 2001.

LEFFA, V. A aprendizagem de línguas mediada por computador. In: LEFFA, Vilson (Org.), Pesquisa em linguística Aplicada: temas e métodos. Pelotas: Educat, 2006, p.12-30.

LEMOS, M. E. A regulamentação da profissão de revisor de textos: uma medida social necessária. Cenários, v.1, n. 9, p. 139-151, 1° semestre 2014. Disponível em: <http://seer.uniritter.edu.br/index.php/cenarios/article/view/869/552>. Acesso em: 17 ago. 2016.

LÉVY, P. O que é o virtual? São Paulo: Ed. 34, 1996.

LÉVY, P. Cibercultura. São Paulo: Ed. 34, 1999.

MARCHUSCHI, L. A. Fenômenos da linguagem: reflexões semânticas e discursivas. São Paulo: Lucerna, 2007.

MARCHUSCHI, L. A. Gêneros textuais: definição e funcionalidade. In: DIONÍSIO, Ana Paiva; MACHADO, Anna Rachel.; BEZERRA, Maria Auxiliadora. Gêneros textuais & ensino. Rio de Janeiro: Lucerna, 2010.

MARCHUSCHI, L. A.; XAVIER, A. C. Hipertexto e Gêneros Digitais: novas formas de construção do sentido. Rio de Janeiro: Lucerna, 2004.

MOITA LOPES, L. P. Os novos letramentos digitais como lugares de construção de ativismo político sobre sexualidade e gênero. Trabalhos e Linguística Aplicada, 49 (2), 2010, p.393‑417.

MOREIRA, S. A. O corretor automático substitui o Revisor Profissional? Revista Texto Livre, Belo Hrizonte, v. 1, n. 1, p. 13-17, outono de 2008.

OLIVEIRA, R. R. F. Revisão de textos: da prática à teoria. Natal, RN: Edufrn, 2010.

PARENTE, A. O hipertextual. Revista FAMECOS, Porto Alegre, n. 10, jun. 1999.

ROJO, R. H. Letramentos digitais: a leitura como réplica ativa. Trabalhos em Lingüística Aplicada, Campinas, n. 46(1), Jan./Jun., p. 63-78, 2007.

SANTOS, M. A. Wikipédia e google knol: hipertexto e a reconfiguração da leitura e da autoria. 2009. 109 f. Monografia – Faculdade de Biblioteconomia e Comunicação, Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, 2009.

SERRA, J. P. Manual de teoria da comunicação. Covilhã: Labcom, 2007.

SILVA, E. T. (Ed.). A leitura nos oceanos da internet. São Paulo: Cortez, 2003.

XAVIER, A. C.; SANTOS, C. F. O texto eletrônico e os gêneros do discurso. Veredas: revista de estudos linguísticos, Juiz de Fora, v. 4, n. 1, p. 51-57, jan/jun 2000.

XAVIER, A. C. Hipertexto e gêneros digitais: novas formas de construção de sentido. São Paulo: Cortez, 2005.

Downloads

Publicado

11-12-2018

Como Citar

WITTKE, C. I.; LEMOS, M. E. Contribuições da tecnologia no ofício de revisar textos: os processadores de textos e a internet como instrumentos facilitadores desse processo. Travessias, Cascavel, v. 12, n. 3, p. 188–202, 2018. Disponível em: https://saber.unioeste.br/index.php/travessias/article/view/20614. Acesso em: 21 jan. 2022.

Edição

Seção

LINGUAGEM