Leitura e educação antirracista: considerando as lacunas

Autores

Palavras-chave:

Análise textual, Ensino, Leitura significativa.

Resumo


Este artigo propõe discutir o ensino da leitura em um contexto educacional que requer uma educação antirracista. Para tal, analisa a lenda do Corvo e da tartaruga, considerando transpor uma leitura que privilegie apenas a estrutura narrativa. Como embasamento teórico, utiliza Eco (1986), Iser (1999) e Revaz (1987). A partir do estudo realizado, constata-se a necessidade de o professor qualificar a leitura, reconhecendo os elementos semântico-pragmáticos para problematizar as lacunas dos textos selecionados, especialmente, quando esses reproduzem estereótipos étnico-raciais.

Biografia do Autor

Roswithia Weber, Universidade Feevale

Possui graduação em História pela Universidade do Vale do Rio dos Sinos (1996), mestrado (2000) e doutorado (2006) em História pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Atualmente é professora titular na Universidade Feevale (Novo Hamburgo/RS), atuando no Curso de História e Turismo, bem como no Mestrado Profissional em Letras. Desenvolve pesquisas com ênfase em História Regional do Brasil, tematizando processos de construção de identidades locais; identidade étnica e relações interétnicas; literatura e etnicidade.

Marinês Andrea Kunz, Universidade Feevale

Possui graduação em Letras Português-Alemão pela UNISINOS (1994), mestrado em Ciências da Comunicação pela UNISINOS (1998) e doutorado em Linguística e Letras pela PUC-RS (2004). É professora titular da Universidade Feevale, onde atua no Curso de Letras, bem como no Mestrado em Processos e Manifestações Culturais, no Mestrado Profissional em Letras e  no Mestrado de Indústria Criativa. Tem experiência na área de Letras, com ênfase em Literatura, Semiótica, Cinema, atuando principalmente nos seguintes temas: literatura, narrativa, leitura, cinema e ensino.

Rosemari Lorenz Martins, Universidade Feevale

Graduada em Letras- Português/Alemão (1993), Especialista em Linguística do Texto (1996) e Mestre em Ciências da Comunicação (1999) pela Universidade do Vale do Rio dos Sinos e Doutora em Letras pela Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul (2013). Professora permanente do Mestrado Profissional em Letras e professora do curso de Letras da Universidade Feevale. Tem experiência na área de Letras, atuando principalmente nos seguintes temas: leitura, aquisição da linguagem e letramento, variação linguística e ensino.

Referências

ADAM, J. M. Types de séquencestextuellesélémentaires. Pratiques, Metz, v. 56, p. 54-79, 1978.

BRASIL. Ministério da Educação/Secad. Diretrizes curriculares nacionais para a educação das relações étnico-raciais e para o ensino de história e cultura afro-brasileira e africana na educação básica. 2004.

CÂMARA CASCUDO, L. Contos tradicionais do Brasil. São Paulo: Global, 2001.

CAVALLEIRO, E. S. Do silêncio do lar ao silêncio escolar: racismo, preconceito e discriminação na educação infantil. São Paulo: Contexto. 2003.

ECO, U. Lector in fabula: a cooperação interpretativa nos textosnarrativos. São Paulo: Perspectiva, 1986.

FAGUNDES, A. A. Mitos e lendas do Rio Grande do Sul. Porto Alegre: Martins Livreiro, 1993.

ISER, W. A Indeterminação e a resposta do leitor na prosa de ficção. Cadernos do Centro de Pesquisas Literárias da PUCRS. v. 3, n. 2. Tradução de Maria Ângela Aguiar. Série Traduções. Porto Alegre: PUCRS, 1999.

REVAZ, Françoise. Du descriptifaunarratif et a Pinjonetif. Pratiques, Metz, v. 56, p. 18-37, 1987.

Downloads

Publicado

11-12-2018

Como Citar

WEBER, R.; KUNZ, M. A.; LORENZ MARTINS, R. Leitura e educação antirracista: considerando as lacunas. Travessias, Cascavel, v. 12, n. 3, p. 203–210, 2018. Disponível em: https://saber.unioeste.br/index.php/travessias/article/view/20757. Acesso em: 22 maio. 2022.

Edição

Seção

LINGUAGEM