Língua, discurso e gênero: uma análise em contraponto

Autores

Palavras-chave:

Discurso, Gênero, Transexualidade.

Resumo


Neste artigo, procuramos compreender como o discurso dos sujeitos transexuais está sendo significado, atravessado por saberes que rompem com a lógica disjuntiva da língua, isto é, relaciono à impossibilidade de a língua tudo nomear. Nossa hipótese é de que esses sujeitos – seu corpo e seu discurso – estão submetidos a uma coerção de ordem ideológica, uma vez que estão submetidos às injunções de um discurso dominante, que conduz, historicamente, tais sujeitos à margem. Em uma tentativa de aproximação entre as teorias de gênero (BUTLER, 2015) e Análise de Discurso de linha francesa, fundamentada por Michel Pêcheux, sobretudo a partir de 1975, procuramos entender como o processo de identidade de gênero é discursivizado por esses sujeitos, através da análise de seu discurso. Como metodologia de análise, apresentaremos duas sequências discursivas que são formadas por discursos de sujeitos transexuais e que revelam a constituição da identidade de gênero, formando um gesto de resistência em relação ao discurso dominante que teima colocar esses sujeitos em um outro lugar. Como um efeito de conclusão, entendemos que, ainda que esse discurso esteja submetido à ideologia e mantenha o corpo do sujeito transexual relegado à margem da significação, tais sujeitos encontram meios – discursivos – de (res)significar seus corpos e sua condição identitária.

Biografia do Autor

Mônica Ferreira Cassana, Universidade Federal do Pampa

Professora no curso de Letras na Universidade Federal do Pampa. Doutora em Estudos da Linguagem pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul.

Referências

AUTHIER-REVUZ, J. (2004). “Palavras mantidas a distância”. In: Entre a transparência e a opacidade: um estudo enunciativo do sentido. Porto Alegre: EDIPUCRS. p. 217-237.

BUTLER, Judith. Problemas de gênero: feminismo e subversão da identidade. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2015.

CASSANA, Mônica Ferreira. Corpo e(m) discurso: ressignificando a transexualidade. Curitiba: Appris, 2018.

COURTINE, Jean-Jacques e VIGARELLO, Georges. História do corpo: as mutações do olhar – o século XX. Petrópolis: Vozes, 2009.

INDURSKY, Freda. Formação discursiva: ela ainda merece que lutemos por ela por ela? In: Anais do SEAD. Disponível em: http://www.ufrgs.br/analisedodiscurso/anaisdosead/2SEAD/SIMPOSIOS/FredaIndursky.pdf

INDURSKY, Freda. Unicidade, desdobramento, fragmentação: a trajetória da noção de sujeito em Análise de Discurso. In: MITTMANN, Solange; GRiGOLETTO, Evandra; CAZARIN, Ercília (orgs). Práticas discursivas e identitárias: sujeito e língua. Porto Alegre: Nova Prova, 2008.

FOUCAULT, Michel. História da sexualidade: a vontade de saber. São Paulo: Paz e Terra, 2017.

FOUCAULT, Michel. Os anormais: curso no Collège de France (1974-1975). Tradução de Eduardo Brandão. São Paulo: Martins Fontes, 2011.

HENRY, P. A ferramenta imperfeita. Campinas: Editora da Unicamp, 1992.

JESUS, Jaqueline Gomes de. Orientações sobre identidade de gênero: conceitos e termos. Brasília, 2012. E-book. Disponível em <http://www.sertao.ufg.br.>. Acesso em 25 abr 2018.

KAZ, Roberto. Retrato de uma menina: ser transgênero aos 11 anos de idade. Revista Piauí, edição 128, maio de 2017.

MARCHESAN, Ricardo. Optei pela identidade feminina para entrar na PM: veja relato de transexual. Site Uol Economia. Disponível em: https://economia.uol.com.br/empregos-e-carreiras/noticias/redacao/2015/03/03/passei-por-mulher-para-entrar-na-pm-veja-relato-de-policial-transexual.htm

MOULIN, Anne Marie. O corpo diante da medicina. In: COURTINE, Jean-Jacques e VIGARELLO, Georges. História do corpo: as mutações do olhar – o século XX. Rio de Janeiro: Vozes, 2009.

ORLANDI, Eni. As formas do silêncio: no movimento dos sentidos. Campinas: Editora da Unicamp, 2007.

PÊCHEUX, M. Delimitações, inversões e deslocamentos. Trad. José Horta Nunes. In: GERALDI & ORLANDI (orgs.) Caderno de Estudos Lingüísticos 19 – O discurso e suas análises. Campinas, 1990, p. 7-24

PÊCHEUX, M. O discurso: estrutura ou acontecimento (1983). Tradução de Eni P. Orlandi. 6. ed. Campinas: Pontes, 2012.

PRECIADO, Paul B. Manifesto contrassexual. São Paulo: n-1 edições, 2014.

ROUDINESCO, Elisabeth. A parte obscura de nós mesmos: uma história dos perversos. Tradução de André Telles. Rio de Janeiro: Zahar, 2008. p. 213.

SOHN, Anne-Marie. O corpo sexuado. COURTINE, Jean-Jacques e VIGARELLO, Georges. História do corpo: as mutações do olhar – o século XX. Petrópolis: Vozes, 2009.

Downloads

Publicado

29-12-2018

Como Citar

CASSANA, M. F. Língua, discurso e gênero: uma análise em contraponto. Travessias, Cascavel, v. 12, n. 4, p. 55–68, 2018. Disponível em: https://saber.unioeste.br/index.php/travessias/article/view/20937. Acesso em: 17 jan. 2022.

Edição

Seção

LINGUAGEM