A crônica do vagau em A morte e a morte do cronista Carlinhos Oliveira, de Wilson Bueno

Autores

Palavras-chave:

Crônica, Carlinhos Oliveira, Wilson Bueno, Vagau.

Resumo


O trabalho parte da análise da crônica A morte e a morte do cronista Carlinhos Oliveira, publicada por Wilson Bueno na coletânea Diário Vagau (2007). Escrita a propósito da morte do cronista, a crônica reflete a vida de José Carlos Oliveira, seu talento literário e sua influência na Literatura Brasileira. Com uma linguagem marcada pela subjetividade e lirismo e em um tom de saudosismo e homenagem, Wilson Bueno inquieta-se e inquieta o leitor diante do esquecimento e descaso frente à figura de Carlinhos Oliveira. Na análise da crônica, privilegiou-se a reflexão dialética dos elementos intrínsecos e extrínsecos ao texto. Assim, apresentamos informações sobre o livro no qual a crônica foi publicada e sobre seu autor e as conexões intertextuais, como as referências ao romance A morte e a morte de Quincas Berro Dágua, de Jorge Amado (1958) e à vida e obra de José Carlos Oliveira a partir do livro biográfico Órfão da Tempestade, escrito por Jason Tércio (1999), além da leitura de suas crônicas publicadas postumamente na coletânea O Rio é assim (2005). Por fim, na análise textual, procurou-se relacionar os elementos estruturais e seus significados ao percurso do vagau que norteia o livro e a crônica em questão.

Biografia do Autor

Nádia Nelziza Lovera de Florentino, Universidade Federal de Rondônia

Doutora em Letras pela Universidade Estadual "Júlio Mesquita Filho". Professor Adjunto do Departamento de Línguas Estrangeiras da Universidade Federal de Rondônia

Referências

AMADO, J. A morte e a morte de Quincas Berro D’água. 67 ed. Rio de Janeiro: Record, 1992.

BUENO, Wilson. Manual de zoofilia. Florianópolis: Noa Noa, 1991

BUENO, Wilson. Mar paraguayo. São Paulo: Iluminuras, 1992.

BUENO, Wilson. Pequeno tratado de brinquedos. São Paulo: Iluminuras, 1996.

BUENO, Wilson. Jardim zoológico. São Paulo: Iluminuras, 1999.

BUENO, Wilson. Meu tio Roseno, a cavalo. São Paulo: Editora 34, 2000

BUENO, Wilson. Amar-te a ti nem sei se com carícias. São Paulo: Planeta, 2004.

BUENO, Wilson. Bolero’s Bar. 2. Ed. Curitiba: Travessa dos Editores, 2007

BUENO, Wilson. Diário Vagau. Curitiba: Travessa dos Editores, 2007

BUENO, Wilson. A Copista de Kafka. São Paulo: Planeta, 2007

BUENO, Wilson. Um bolero em Curitiba. Entrevista de Wilson Bueno concedida a Manoel Ricardo. Disponível em: http://www.germinaliteratura.com.br/pcruzadas_wilsonbueno_jun2007.htm. Acesso em: 27 out. 2018

CANDIDO, Antonio. Literatura e sociedade. São Paulo: CIA EDITORA NACIONAL, 1973.

COUTINHO, Afrânio. Ensaio e crônica. In: COUTINHO, Afrânio. A literatura no Brasil. 3. ed. Rio de Janeiro: José Olympio; Niterói: UFF, 1986 (vol. 6).

ECO, Umberto. A estrutura ausente. Trad. de Pérola de Carvalho. São Paulo: Perspectiva, 1971. p. 70–71.

FLORENTINO, Nádia Nelziza Lovera de. Entre gêneros e fronteiras: uma leitura de Mar paraguayo, de Wilson Bueno. 2016. 198 f. Tese (Doutorado em Letras) - Universidade Estadual Paulista “Júlio de Mesquita Filho” Assis.

OLIVEIRA, José Carlos. O Rio é assim: a crônica de uma cidade. Rio de Janeiro: Agir, 2005.

TÉRCIO, Jason. Órfão da Tempestade. Rio de Janeiro: Editora Objetiva, 1999.

Downloads

Publicado

30-04-2019

Como Citar

DE FLORENTINO, N. N. L. A crônica do vagau em A morte e a morte do cronista Carlinhos Oliveira, de Wilson Bueno. Travessias, Cascavel, v. 13, n. 1, p. 239–254, 2019. Disponível em: https://saber.unioeste.br/index.php/travessias/article/view/20971. Acesso em: 20 jan. 2022.

Edição

Seção

LITERÁRIA